• Assinantes
  • Saúde

    Terça-feira, 6 de janeiro de 2009, atualizada às 15h12

    Juiz de Fora confirma primeiro caso de leishmaniose visceral em um cão na cidade. Outro caso está sob investigação


    Guilherme Arêas
    Repórter
    Madalena Fernandes
    Revisão

    Juiz de Fora confirmou o primeiro caso de leishmaniose visceral autóctone em um cão do bairro Tiguera, zona leste. A confirmação aconteceu após as amostras de sangue para prova e contraprova terem sido enviadas para a Fundação Ezequiel Dias (Funed), em Belo Horizonte.

    Outro caso de leishmaniose visceral em mais um cão do mesmo bairro está sendo investigado pelo setor de Zoonoses da Secretaria de Saúde. No caso confirmado, o cão portador da doença está isolado e será sacrificado ainda esta semana, de acordo com o chefe do setor, José Geraldo de Castro Júnior.

    Armadilhas para tentar capturar o mosquito transmissor da doença, o Lutzomyia longipalpis, foram instaladas na área em que o animal vivia. Animais da região estão sendo avaliados.

    José Geraldo explica que o fato de Juiz de Fora receber pessoas de várias cidades da região pode contribuir para o surgimento do primeiro caso autóctone. "Existem algumas cidades onde a doença é endêmica, já faz parte do local. Pode ser que algum mosquito dessa área tenha conseguido chegar até aqui", suspeita.

    A proximidade do homem com as áreas de mata também pode explicar o surgimento de novos casos da leishmaniose, já que o mosquito transmissor vive em regiões silvestres. De acordo com a Secretaria de Saúde, o cão é o principal reservatório da leishmaniose visceral na área urbana.

    O mosquito que sugou o sangue de um cão contaminado é o transmissor da doença para o ser humano . No homem, ela afeta o sistema imunológico, causando o comprometimento de órgãos vitais, como fígado e baço, podendo levar à morte. Costuma ser silenciosa e muitas vezes o diagnóstico é tardio, já em estado avançado.

    Nos cães, a leishmaniose causa o crescimento exagerado de unhas, lesões de pele em forma de úlceras que não cicatrizam, queda de pelos e emagrecimento do animal.

    Dados do Ministério da Saúde revelam que, entre 1993 e 2005, a região Sudeste registrou aumento de 700% na taxa de incidência de leishmaniose visceral em humanos.

    Além da visceral, forma mais grave da doença, a leishmaniose pode se manifestar na forma tegumentar. Nesses casos, o infectado apresenta feridas na pele que se localizam com maior frequência nas partes descobertas do corpo.

    Conheça mais sobre a doença
    foto de um mosquito

    Transmissão

    A leishmaniose é transmitida por insetos hematófagos (que se alimentam de sangue) conhecidos como flebótomos ou flebotomíneos. Os flebótomos medem de 2 a 3 milímetros de comprimento e devido ao seu pequeno tamanho são capazes de atravessar as malhas dos mosquiteiros e telas. Apresentam cor amarelada ou acinzentada e suas asas permanecem abertas quando estão em repouso. Seus nomes variam de acordo com a localidade; os mais comuns são: mosquito palha, tatuquira, birigui, cangalinha, asa branca, asa dura e palhinha. O mosquito palha ou asa branca é mais encontrado em lugares úmidos, escuros, onde existem muitas plantas.

    As fontes de infecção das leishmanioses são, principalmente, os animais silvestres e os insetos flebotomíneos, que abrigam o parasita em seu tubo digestivo, porém, o hospedeiro também pode ser o cão doméstico.

    Na leishmaniose cutânea os animais silvestres que atuam como reservatórios são os roedores silvestres, tamanduás e preguiças. Na leishmaniose visceral a principal fonte de infecção é a raposa do campo.

    Sintomas

    Leishmaniose visceral: febre irregular, prolongada; anemia; indisposição; palidez da pele e ou das mucosas; falta de apetite; perda de peso; inchaço do abdômen devido ao aumento do fígado e do baço.

    Leishmaniose cutânea: de duas a três semanas após a picada pelo flebótomo aparece uma pequena pápula (elevação da pele) avermelhada que vai aumentando de tamanho até formar uma ferida recoberta por crosta ou secreção purulenta. A doença também pode se manifestar como lesões inflamatórias nas mucosas do nariz ou da boca.

    Prevenção

    • Evitar construir casas e acampamentos em áreas muito próximas à mata;
    • Fazer dedetização, quando indicada pelas autoridades de saúde;
    • Evitar banhos de rio ou de igarapé, localizado perto da mata;
    • Utilizar repelentes na pele, quando estiver em matas de áreas onde há a doença;
    • Usar mosquiteiros para dormir;
    • Usar telas protetoras em janelas e portas;
    • Eliminar cães com diagnóstico positivo para leishmaniose visceral, para evitar o aparecimento de casos humanos.
    • Fonte: Ministério da Saúde

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.