Sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009, atualizada às 10h30

JF implementa ação estratégica para priorizar atendimento aos idosos pelo SUS


Patrícia Rossini
*Colaboração
Madalena Fernandes
Revisão

Desde a última semana, a atenção à saúde da terceira idade é uma das prioridades do Sistema Único de Saúde (SUS) em Juiz de Fora. Com a implantação da "Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa", do Governo Federal, os pacientes dessa faixa etária vão receber acompanhamento durante o processo de envelhecimento e serão classificados como saudáveis ou frágeis através de uma triagem.

O objetivo é que os idosos considerados frágeis ou em processo de fragilização sejam priorizados no atendimento do SUS. Dessa forma, vai ser possível a criação de um banco de dados para monitorar e avaliar as políticas públicas de saúde do município direcionadas a esses pacientes, bem como evitar o agravamento de doenças e promover a melhoria da qualidade de vida do idoso.

A medida estratégica integra a portaria nº 399/2006 do Ministério da Saúde, chamada Pacto pela Saúde. Ela estabelece as prioridades que apresentam impacto sobre a situação de saúde da população brasileira.

Atenção especial

Segundo a diretora assistencial do Departamento de Saúde da Terceira Idade da Secretaria de Saúde do município, Monique Chicri Salazar, é a primeira vez que os idosos serão tratados como prioridade na rede de saúde pública municipal. "Tradicionalmente, as políticas públicas têm preocupação com as crianças, adolescentes e com a mulher. Com a caderneta, damos o primeiro passo para melhorar o atendimento aos idosos", comemora.

Monique explica que a triagem dos idosos, a partir dos 60 anos, vai ser feita com base em critérios da Organização Mundial de Saúde (OMS), tais como instabilidade postural, polipatologia (diagnosticado com cinco ou mais doenças), polifarmácia (uso diário de cinco ou mais remédios) e grau de dependência nas atividades de vida diária, como a capacidade de se vestir e se alimentar sozinho e gerir recursos próprios. A partir dos 80 anos, todos os pacientes serão classificados como frágeis.

Em Juiz de Fora, segundo dados da Secretaria de Saúde, cerca de 30 mil usuários serão beneficiados pela estratégia. "A população de idosos na nossa cidade é superior à média nacional. Enquanto a terceira idade representa 8,6% da população nacional, no município o percentual é de 11,4%. Isso é sinal de qualidade de vida", afirma a diretora.

Neste primeiro momento, o Ministério da Saúde enviou uma quantidade de cadernetas relativa ao total de idosos cadastrados no Sistema de Informações da Atenção Básica, que é usado pela pela Estratégia de Saúde da Família. A expectativa é de que, em breve, a ação também seja implantada nas Unidades Básicas de Saúde Tradicionais.

* Patrícia Rossini é estudante de Comunicação Social da UFJF

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.