• Assinantes
  • Autenticação
  • Saúde
    Terça-feira, 29 de setembro de 2009, atualizada às 13h

    Vacinação antirrábica ocorre no dia 3 de outubro

    Pablo Cordeiro
    *Colaboração

    O departamento de Zoonoses da Secretaria de Saúde (SS) realiza no sábado, 3 de outubro, a vacinação antirrábica da zona urbana em Juiz de Fora. A campanha ocorre das 8h às 16h, em 113 postos por todo o município (confira ao lado os locais). Animais a partir de três meses de idade devem receber a dose, com exceção daqueles que estejam doentes.

    Nas áreas centrais, os pontos estão localizados no Parque Halfeld e nas praças da República (Poço Rico), Jardim Glória, Bom Pastor, da Baleia (Bairu) e Santa Helena. As Unidades Básicas de Saúde (UBS) também disponibilizam a vacina. Segundo o veterinário responsável pelo setor de Zoonoses, José Geraldo de Castro Júnior, a expectativa é de imunizar 45 mil animais para que o vírus não chegue à raça humana. "Em Juiz de Fora nunca foi registrado um caso de raiva em uma pessoa. O último caso da doença em um animal notificado foi em 1998. É fundamental que as pessoas levem cães e gatos para a imunização. Se o vírus atingir o sistema nervoso, não há cura."

    O contágio se dá pela saliva do animal em contato com a pessoa. Os principais vetores de transmissão são cães, gatos e morcegos. "Qualquer animal silvestre, como os equinos e bovinos, também transmitem a raiva. Se contaminada, a pessoa sofre alterações neurológicas, paralisia e, num período de cinco a sete dias, morre", esclarece Júnior.

    A prevenção da doença é feita através de tratamento por soro de prevenção e vacina. Se a pessoa for mordida, deve procurar imediatamente o Hospital de Pronto Socorro (HPS) para receber atendimento. Outro aspecto importante é a atenção redobrada para os donos de gatos, pois, como eles costumam lamber as unhas, um ataque desta natureza também pode transmitir a raiva. "A pessoa deve observar o animal por dez dias para verificar se apresenta sintomas como baba e aversão à luz. Em hipótese alguma deve soltar ou matar o espécime", ressalta o veterinário. Na zona rural, a campanha foi realizada em agosto, atingindo cinco mil animais, índice equivalente ao ano passado.

    *Pablo Cordeiro é estudante do 9º período de Comunicação Social da UFJF

    Os textos são revisados por Madalena Fernandes

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.