Quinta-feira, 26 de agosto de 2010, atualizada às 16h

Interesse pela vasectomia cresce quase 80% em seis anos

Daniele Gruppi
Repórter

O número de vasectomias feitas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) aumentou 79%, entre 2003 e 2009, segundo dados do Ministério da Saúde. Em 2003, eram realizados 19.103 procedimentos e, em 2009, o número saltou para 34.144. Em 2010, 192 já foram cadastrados para realizar a intervenção em Juiz de Fora.

Para o chefe do Departamento da Saúde da Mulher (DSM), o médico Elídio Fábio Goulat de Lana, a disseminação de informações sobre o procedimento ajuda a conscientizar os homens. "Os esclarecimentos desmistificam alguns mitos, por exemplo, de que a vasectomia pode provocar a impotência ou que vai gerar dificuldades no ato sexual."

O médico explica que a vasectomia é uma intervenção mais fácil e mais segura do que os procedimentos similares para as mulheres. Trata-se da ligadura dos canais que transportam espermatozoides dos testículos até a uretra. "A vasectomia não precisa de internação, o que faz com seja também mais vantajosa."

O assistente administrativo Rogério Ribeiro de Medeiros fez vasectomia em 2003. "Tive meu primeiro filho sem esperar. Depois de três anos e meio veio uma menina. Como me preocupo em ter e dar uma qualidade de vida aos meus filhos, optei por fazer a intervenção. Decidi por uma questão de planejamento familiar. Em 15 minutos o problema foi resolvido."

Atendimento

O procedimento é oferecido pelo SUS. Para a realização da vasectomia é necessário que o paciente tenha pelo menos 26 anos ou dois ou mais filhos vivos. É necessário ainda participar de reuniões, as quais abordam sobre os métodos contraceptivos.

Em Juiz de Fora, o atendimento inicial é feito nas Unidades de Atenção Primária à Saúde (Uaps), por meio do Grupo dos Direitos Reprodutivos, o qual promove encontros para orientar e tirar dúvidas sobre métodos contraceptivos. Após, segue encaminhamento para o DSM, onde o usuário passa por entrevista com uma equipe de profissionais do departamento e recebe esclarecimentos sobre os prós e os contras da intervenção, além de orientação quanto à decisão.

Depois de 60 dias da entrevista é feito o pedido de exames pré-operatórios. O paciente aguarda esse período para avaliar se realmente não haverá arrependimento após a vasectomia, uma vez que o método é irreversível. As unidades referência para a intervenção cirúrgica de vasectomia pelo SUS são: o PAM Marechal, Hospital e Maternidade Therezinha de Jesus (HMTJ) e Hospital Doutor João Penido.

Saúde do homem

O Ministério da Saúde lançou em 2009 a Política Nacional de Saúde do Homem, que tem um plano dividido em nove eixos de ação a serem executados até 2011. Esta prevê o aumento de até 570% no valor repassado às unidades de saúde por procedimentos urológicos e de planejamento familiar, como vasectomia, e a ampliação em até 20% no número de ultrassonografias de próstata.

Por meio dessa iniciativa, o governo federal quer que, pelo menos, 2,5 milhões de homens na faixa etária de 20 a 59 anos procurem o serviço de saúde ao menos uma vez por ano. Além de criar mecanismos para melhorar a assistência oferecida a essa população, a meta é promover uma mudança cultural.

Os textos são revisados por Thaísa Hosken


Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.