• Assinantes
  • Autenticação
  • Saúde

    Escolha correta de travesseiros pode melhorar o sono e evitar dores na coluna O produto é fundamental para a saúde do sono e da coluna. Saiba qual a altura e o material ideal para o seu travesseiro

    Victor Machado
    *Colaboração
    1/2/2012
    Travesseiro

    O número de opções de travesseiros no mercado tem aumentado cada vez mais. São marcas, tipos, tamanhos, texturas e materiais diferentes. No entanto, o cuidado no momento da escolha do travesseiro ideal para cada pessoa é importante e pode melhorar a saúde do sono, da postura e evitar dores na coluna. Especialistas alertam que dores pode ser um sinal de que é hora de trocar o produto.

    O fisioterapeuta e especialista em biofeedback postural, Lileodes de Oliveira Mariano, afirma que a preocupação não pode se limitar à qualidade dos colchões. "O ideal é um conjunto em harmonia. Se um for muito macio e outro duro, pode causar problemas." Segundo ele, o corpo humano se adapta facilmente a qualquer tipo de travesseiro, mas, ao longo prazo, uma má escolha irá gerar alterações na postura. "Quem dorme sem travesseiro ou com um travesseiro errado pode não sentir nada no curto prazo. Mas, com certeza, terá descompensações musculares e posturais."

    Mariano afirma que o travesseiro é fundamental na saúde da coluna e um dos principais fatores que influenciam na qualidade do sono. "Apesar de existir vários tipos diferentes, cada um tem os prós e os contras." A função do travesseiro é alinhar a coluna cervical com o tronco. Esse alinhamento correto permite que haja uma circulação sanguínea mais livre e que os estímulos do cérebro sejam enviados ao corpo normalmente.

    O mau alinhamento pode causar cefaleia (dor de cabeça), sintomas de irritabilidade durante o dia e, a longo prazo, deformidade na região cervical, hérnia de disco, encurtamento muscular na região cervical e outros problemas. Sintomas como dores na região cervical e torácica são sinais de que pode estar no momento de trocar o travesseiro.    

    A escolha

    O especialista dá alguns conselhos a quem pretende adquirir um novo produto. O primeiro deles é que o travesseiro é um produto individual e único. Cada pessoa deve ter o seu. Para aqueles que já sentem dores ou têm problemas na região cervical, a sugestão é procurar um ortopedista ou fisioterapeuta para uma indicação da melhor alternativa.

    Para quem não sente dores, é preciso ficar atento à certificação do Inmetro. A altura do travesseiro deve ser igual à distância entre a ponta do ombro e a base do pescoço. "Por causa da diversidade do povo brasileiro, não existe um travesseiro padrão. Se for alto ou baixo demais, o pescoço ficará inclinado e causará problemas."

    Tipos e materiais

    Após perceber a altura ideal, é hora de se preocupar com o material e o tipo do produto. Segundo o proprietário de uma loja especializada em produtos para cama, mesa e banho, Bruno Leandro, existem várias opções no mercado. Em sua loja, são dez tipos diferentes. "São travesseiros de fibra de silicone, com suporte médio, suporte firme, entre outros. Além de travesseiros para corpo, infantis, que têm suporte mais baixo, e multiuso, que podem ser usados para amamentação, para joelhos e nuca." Ele explica que muitos clientes chegam ao estabelecimento já com indicações de ortopedistas sobre o travesseiro ideal."

    A indicação do fisioterapeuta são os travesseiros de espuma viscoelástica, também conhecidos como da Nasa. "É uma espuma de última geração e ela se adapta ao contorno do pescoço e à temperatura. Esse material evita a pressão sobre o pescoço da pessoa. A adaptação anatômica é tão impressionante que fica exatamente o formato da pessoa."

    Outro tipo que ajuda a melhorar a postura é o travesseiro de corpo. Com ele, a pessoa dorme de lado e tem oportunidade de colocá-lo entre as pernas, o que ajuda a alinhar a coluna e no relaxamento. Porém, quem sofre de hérnia ou bico de papagaio deve fazer uma avaliação postural para saber se o uso não será prejudicial.

    Os produtos feitos com flocos de espuma, de penas de ganso ou de plumas não são aconselháveis. Apesar de serem macios, o material pode se deslocar dentro do travesseiro ao longo da noite e não fornecer o apoio ideal. Esse tipo de produto deve ser trocado com mais frequência.

    Há, ainda, os travesseiros de aromaterapia, acrescidos de ervas. Mariano afirma que, para quem é adepto à aromaterapia, o produto pode ser bom, mas não há comprovações científicas dos seus benefícios. O ideal é trocar o travesseiro todo ano ou, pelo menos, de dois em dois anos.

    Postura

    A maneira mais aconselhável de dormir é de lado. A pior e que mais agride a estrutura da coluna é dormir de bruços. Dormir com travesseiro entre as pernas ajuda a melhorar a postura e pode dar resultado em apenas uma semana. Deitar sem travesseiro não é aconselhável, inclusive para quem está com tensões ou dores no pescoço. As dores são causadas pela má postura e falta de alongamento. A falta de travesseiro ou a escolha errada causará mais pressão no pescoço e fazer com que a pessoa mexa mais durante a noite, prejudicando todas as fases do sono.

    *Victor Machado é estudante do 8º período de Comunicação Social da Faculdade Estácio de Sá

    Os textos são revisados por Mariana Benicá

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.