Quarta-feira, 28 de agosto de 2013, atualizada às 18h30

Deputados cobram tratamento para usuários de crack em Muriaé

Assembleia Muriaé

A implantação de um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps-AD), do Serviço de Consultório de Rua e do Serviço Residencial Terapêutico, além da reestruturação das comunidades terapêuticas na rede de atendimento aos dependentes. Essas foram as principais demandas contempladas por requerimentos durante audiência da Comissão de Prevenção e Combate ao uso de Crack e outras Drogas da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realizada em Muriaé, na Zona da Mata, nessa terça-feira, 27 de agosto.

Também foram feitos requerimentos para cobrar a ampliação das ações do programa estadual Aliança pela Vida na região e a implantação de câmeras do programa Olho Vivo. As demandas foram levantadas pela comunidade durante a reunião e contempladas em pedidos de providências ao governador, ao ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e às Secretarias de Estado de Saúde e de Defesa Social.

Nota divulgada pela assessoria da ALMG, destaca que a presidente do Conselho Municipal de Políticas Antidrogas de Muriaé, Raquel Nunes de Paula, levantou a importância da implantação do Caps-AD, lembrando que já existe um requerimento encaminhado ao Governo do Estado para a implantação do centro de atenção na cidade. “Em pesquisa recente, constatamos que 70% dos pacientes das comunidades terapêuticas da região são usuários de crack”, frisou.

Também presente na audiência, o deputado Wilson Batista (PSD) enfatizou a importância de se ter o serviço de Consultório de Rua, já que as “cracolândias” estão espalhadas por Muriaé e o tratamento em clínicas pode chegar a R$ 1 mil, um custo dispendioso para as famílias. Ele também abordou o Serviço Residencial Terapêutico, voltado para a reinserção adequada dos dependentes.

Já o presidente da Federação das Comunidades Terapêuticas Evangélicas do Brasil, pastor Wellington Vieira, reclamou da burocracia para que as comunidades terapêuticas tenham apoio financeiro do Estado. Segundo o pastor, são apenas 120 leitos em Muriaé que contam com apoio do governo. Ele solicitou ajuda, as comunidades estão padecendo sem recursos. "Já temos o reconhecimento do nosso trabalho pelo Estado. Mas queremos fazer, de fato, parte da rede de apoio às pessoas que tem morrido por não ter tratamento," destaca a nota da ALMG.

Expansão do crack em Muriaé

O prefeito de Muriaé, Aloísio Aquino, durante sua fala, demonstrou preocupação com o aumento da quantidade de jovens consumindo crack, droga barata e, por consequência, mais acessível. Já o presidente da comissão, deputado Vanderlei Miranda (PMDB), enfatizou o fato de que 70% da massa carcerária brasileira atualmente ter algum tipo de envolvimento com as drogas. Ele ressaltou também a necessidade de ações do Governo Federal no que concerne a prevenção, tratamento e combate ao tráfico de drogas.

O deputado Bráulio Braz (PTB), autor do requerimento da reunião, e natural de Muriaé, também lembrou a atuação da comissão e ressaltou que, como Casa que representa o povo mineiro, a ALMG sempre fará o que estiver ao seu alcance para combater as drogas.

Trabalho em conjunto

O comandante do  47º Balhão da Polícia Militar, tenente-coronel Cláudio Nazário da Silva Machado, ressaltou que em Muriaé já existem esforços no sentido de combater o tráfico, com resultados visíveis. Segundo ele, desde 2003, o Programa Educacional de Resistência às Drogas e a Violência (Proerd) existe na cidade e também há o planejamento de um projeto piloto para tratamento na comunidade, em parceria do poder público com a iniciativa privada. Segundo dados levantados pelo militar, houve uma diminuição de 11,5% dos crimes relacionados a droga quando compara-se os meses de fevereiro de 2012 e 2013.

O delegado regional de Polícia Civil de Muriaé, Rangel Maitino de Oliveira Paiva, também destacou a redução da criminalidade como consequência direta do trabalho integrado das polícias Civil e Militar. Ele explicou que a posição geográfica da cidade, que se encontra no entrocamento entre a MG-116 e a BR-356, é um fator dificultador do trabalho investigativo, tendo em vista ser uma rota de passagem de traficantes de drogas.

Com informações da Assembleia Legislativa de Minas Gerais

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.