JF registra uma morte por meningite. Conheça causas e sintomas da doença

No ano passado, a cidade registrou duas mortes e 15 casos de meningite, sendo que a maioria foi do tipo viral

Angeliza Lopes
Repórter
9/07/2016
foto

Uma morte por meningite, do tipo doença meningocócica – provocada pela bactéria Neisseria meningitidis do sorogrupo C, foi registrada este ano em Juiz de Fora. Conforme dados da Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), até o final de junho o município registrou três casos da doença – as outras duas foram do tipo meningite viral e meningite por outras bactérias, sendo que em todo estado foram confirmados 43 óbitos e 265 casos até o último mês. No ano passado, a cidade registrou duas mortes e 15 casos de meningite, sendo que a maioria foi do tipo viral.

A meningite é a inflamação das meninges, membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal e pode ocorrer por diversas causas, como lesão física, neoplasias, uso de certos medicamentos, mas, em geral, ocorre por infecção bacteriana, viral, fúngica ou parasitária. Conforme o infectologista Antonino Adriano Neto, os sintomas mais comuns são dor de cabeça, vômitos em jato, febre e rigidez de nuca e os tipo mais importantes, em termos de relevância epidemiológica, são as bacterianas e as virais.

“Nem toda meningite é transmissível, como, por exemplo, a meningite causada pelo pneumococo. Já as causadas por alguns vírus, e as bacterianas por meningococo e haemophilos pneumoniae, são transmitidas através de gotícula pelo ar, mas para transmissão a pessoa tem de estar a menos de 30 centímetros da boca ou nariz do paciente, e estes pacientes quando internados, ficam em isolamento respiratório (uso da máscara cirúrgica) durante 24 horas após início do antibiótico”.

A maioria possuí vacinas, que já estão previstas como vacinação obrigatória no período da infância. Neto explica que a eficácia das vacinas contra haemophilos é de até 98% e a meningicoco ocorre soroconversão de até90% de redução de meningite. Ele destaca que na década de 90, quando não havia vacina para crianças menores de 5 anos, a mortalidade era alta nesta faixa de idade. “Mas, a faixa etária está mudando devido às vacinas dadas na infância. Assim, adolescentes e adultos que tomaram uma dose quando crianças podem ter a doença mais tarde”, conta.

Segundo a SES-MG, existem vacinas para prevenir as meningites, mas não para todos os tipos de vírus e bactérias. Na rede particular são ofertadas as vacinas Meningocócica ACWY135 e Meningocócica B. Conforme o Ministério da Saúde, a meningite é considerada uma doença endêmica, deste modo, casos da doença são esperados ao longo de todo o ano, com a ocorrência de surtos e epidemias ocasionais, sendo mais comum a ocorrência das meningites bacterianas no inverno e das virais no verão.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.