Ana Stuart Ana Stuart 30/09/2008

Narcisismo

Ilustração: Laura Martins Ferreira. Imagem de pessoas em uma festa, dançando com os braços para cima Falar de Narciso é interessante, não deixa de estarmos falando de nós mesmos, um pouco.

Na psicologia é o estado em que a libido é dirigida ao própio ego, pessoas que se acham o máximo, os mais bonitos, os mais inteligentes, os mais tudo.

Conta a mitologia que Narciso ao olhar no lago sua própria imagem apaixonou- se... e posteriormente morreu afogado na própria imagem.

Reportando-nos aos dias de hoje observamos o quão é perigoso convivermos com o narcisismo, tanto nosso quanto do outro.

Muitas vezes classificamos mulheres como estéricas e MADAs (mulheres que amam demais) ou homens HADAs (homens que amam demais).

Mas cabe observar que por trás deste estérico existe um narcisista.

Perfil narcisista denota alguém desprovido de emoções e sentimentos, são pessoas que visam o "ter" e a aparência e evitam emoções e sentimentos.

Nossa cultura ocidental vem alimentando, infelizmente, este perfil através do "culto ao corpo".

Os narcisistas envolvem o outro para dar o seu melhor, mas não se deixam envolver na mesma intensidade. Querem ser os melhores, por vaidade e arrogância.

Sexualmente dão sua melhor performace, aliás lutam muito para serem melhores em tudo.

Como se desenvolve um narciso?

Excesso de elogios, exemplos, cultura, falta de limite, inversão de papéis, pais estéreis, uso de drogas...

Um dependente químico em recuperação está tão voltado para dar o seu melhor que acaba tornando-se narciso, evita os sentimentos e os envolvimentos.

Já foram tão envolvidos com a droga ou com o álcool que no processo de recuperação para sobreviver à abstinência liberam adrenalina e a endorfina nos exercícios físicos, até mesmo para elevar a auto-estima.

Portanto, nestes casos, evitam envolvimentos com a palavra "nós" para evitar o sofrimento e conseqüentemente a recaída.

Por isso que nestes casos os entes queridos devem se tratar também para não se sentirem rejeitados.

Pessoas que já sofreram muito em relacionamentos por terem colocados expectativas demais no outro também acabam tornado-se narcisistas como mecanismo de defesa.

A melhor forma de lidar com um narcisista é trazê-lo para o sentimento, sem medo e sem entrar no jogo deles do "não tô nem aí" e muito menos tornando-se uma pessoa estérica ou co-dependente. Tentar achar o próprio equilíbrio para que o narcizista não o desequilibre.

É uma tarefa difícil mas que vale a pena desde que não se caia nas redes narcisistas.

Afinal trazer o outro para o "encontro" da fraternidade, da solidariedade, da troca, da maturidade da ternura sempre vale a pena!


Ana Stuart
é psicóloga e terapeuta familiar

Sobre quais temas (da área de psicologia) você quer ler novos artigos nesta seção? A psicóloga Ana Stuart aguarda suas sugestões no e-mail viver_psique@acessa.com.



Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.