Nome do Colunista Nome do Colunista 25/06/2016

Maconha e sua realidade científica

foto

Atualmente, o que mais se escuta entre os jovens é o mito de que a maconha, ou “erva maldita”, “baseado”, “cannabis”, faz menos mal do que o álcool e o cigarro.

Encarar desta forma é um grande equívoco, uma ideia obsoleta e sem parâmetros científicos. Os psiquiatras Ronaldo Laranjeira, da Unifesp; José Alexandre de Souza Crippa, da Unifesp/Ribeirão Preto;Valentim Gentil, do Instituto psiquiátrico do hospital das clínicas e a psicóloga Clarisse Madruga, também da Unifesp, afirmam que o uso da droga afeta cinco áreas do nosso cérebro, sendo elas:

1- córtex - área da cognição –, causando falta de concentração, dificuldade de raciocínio e problemas de comunicação.

2- Hipotálamo – área da sensação de saciedade – gerando o aumento do apetite.

3- Hipocampo – área da memória – ocasionando a perda das lembranças, tanto recentes como as de longa duração.

4- Núcleos da base e Cerebelo – área dos movimentos do corpo – resultando na falta de coordenação motora e desequilíbrio.

5-  Amígdala – área do controle das emoções – atuando no aumento ou diminuição da ansiedade.

Vamos, então, imaginar o uso a longo prazo, como desencadeador de prejuízos físicos e emocionais. Para Ronaldo Laranjeiras, as longas tragadas sem filtro, consomem quatro vezes mais alcatrão em relação ao cigarro de tabaco, e cinco vezes mais monóxido de carbono, duas substâncias diretamente associadas ao câncer de pulmão.

Em relação ao consumo do álcool em excesso, seu uso afeta o fígado e o cérebro, no entanto, com a suspensão do mesmo, é possível a recuperação total do fígado. Já no cérebro, o álcool deixa as membranas dos neurônios mais frágeis, porém, com a interrupção do consumo, existe uma alta capacidade de regeneração das mesmas.

Percebe-se que a falta de informação faz com que muitas pessoas, principalmente jovens, tornem-se dependentes dessa substância, sem ao menos imaginar as possíveis sequelas por toda uma vida.

A busca constante da felicidade tem motivado os psicólogos clínicos, nos últimos tempos, a realizarem pesquisas sobre a raiva, inveja e insatisfações, procurando o entendimento dos conteúdos perturbadores. Já os neurocientistas, vêm-se preocupado em detectar, no cérebro, os hormônios desencadeadores da alegria, da felicidade, assim como da mágoa e da depressão.

Portanto, é importante observarmos quais desses fatores nos afeta, atentando principalmente ao comportamento e o sentimento dos jovens, a partir da pré-adolescência, para ajudá-los a lidar de todas as formas com seus sentimentos diante da vida. Buscando, dessa forma, o tratamento adequado, tanto individual quanto familiar, para que nenhum tipo de droga, dita “sensação de felicidade”, os inutilize e limite seu potencial.


Ana Stuart é psicóloga e terapeuta familiar

Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.