• Assinantes
  • Autenticação
  • Seus Direitos
    Quarta-feira, 7 de novembro de 2018, atualizada às 18h00

    Internauta é condenado por ofender candidato a prefeito de Muriáe na internet

    Da redação

    Por ofensas a um candidato a prefeito da cidade de Muriaé, em uma rede social, um internauta deverá indenizá-lo em R$ 8 mil. A decisão da 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais ainda determinou que o ofensor  se retratasse, de forma pública, publicando um texto no Facebook, mantendo-o por no mínimo 90 dias.

    O autor da ação alegou que é um empresário conhecido, não só em Muriaé, mas em todo o Brasil, por ser proprietário da Consulplan. Ao se lançar candidato, em 2016, a prefeito de Muriaé foi alvo de postagens ofensivas no Facebook.

    As postagens faziam referência negativa à vida pessoal do candidato, que buscou no Poder Judiciário a retratação pública do ofensor, bem como uma indenização por danos morais.

    O responsável pela conta na rede social disse não ser autor das postagens ofensivas ao então candidato. Ressaltou que nunca ofendeu o empresário, tem direito à liberdade de expressão e que a ação de indenização parece ser uma retaliação, já que sempre se declarou favorável ao candidato vencedor a prefeito em Muriaé.

    A relatora do processo no TJMG, considerou que as mensagens impressas e anexadas ao processo demonstram que o perfil é mesmo da pessoa indicada pelo candidato, já que há fotos, diversas postagens e até mesmo o número do telefone celular.  Assim, não se pode falar em perfil falso.

    Quanto à liberdade de expressão, a desembargadora sustentou que a Constituição Federal não legitima direitos ou garantias fundamentais em caráter absoluto.  No caso em julgamento, o autor das postagens no Facebook atribuiu ao então candidato a prática de determinados atos considerados imorais ao senso comum, sem demonstrar serem verdadeiros, ou de interesse público.

    Dessa forma, segundo a magistrada, não há dúvidas de que as mensagens publicadas resultaram em violação ao dever de respeitar os direitos inerentes à personalidade do ser humano, sendo necessário o dever de indenizar.

    O desembargador Alexandre Santiago e o juiz convocado, Francisco Salas Costa, acompanharam o voto da relatora.


    Com informações do TJMG

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.