Leon Cleveland Leon Cleveland 5/05/2015

Konami: mudança no cenário dos games

Juiz de Fora, 05 de Maio de 2015.

Querida Konami,

jogoQuanto tempo passou desde que nos vimos pela última vez? Andei tendo notícias não muito agradáveis de você... fiquei bastante preocupado. Notícias que me fizeram lembrar de como tudo começou.

Você já era uma jovem, colhendo os louros de suas vitórias passadas, os clássicos dos arcades como Contra e Castlevania; eu, um jovem rapaz que mal saiu das fraldas, detonando International Super Star Soccer (... DELUXE!) no meu Super Nintendo. Esse foi nosso primeiro encontro. Lembro-me das tardes que passamos juntos, com Tartarugas Ninja e Tiny Toons. Me recordo, como se fosse hoje, aquela vez em que aluguei Ganbare Goemon, sem saber do que se tratava, só porque eu sabia que era seu. Bons tempos.

E quando o Playstation foi lançado? Nossa. Acho que foi nossa melhor época juntos. As alegrias que Castlevania: Symphony of the Night me trazem até hoje são indescritíveis, querida. Me sinto ainda como aquele garoto que descobria centímetro por centímetro daquela obra prima, mesmo sabendo cada canto do jogo como a palma da minha mão. Winning Elven foi, por anos, o padrão de jogos de futebol! E Silent Hill? Tem como essa belezura ficar de fora? E todos os sustos (e medos principalmente)? Tudo ia de forma tão boa que eu, francamente, não achava que tinha como ficar melhor... e aí você me aparece com Metal Gear Solid. Derreti por completo neste dia. A história envolvente e complexa, personagens carismáticos, o gameplay único e inovador, tudo me fez ficar extremamente apaixonado por você.

Quando o Playstation 2 foi lançado, acredite, vivi durante um bom tempo no hype com você. Esperava muito de você e, sendo franco, você não me desapontou... tanto. Você me trouxe, logo de cara Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty. Não era tão épico quanto o primeiro, mas era belo em sua forma. Você me trouxe coisas novas também! Além das continuações de Suikoden, você investiu mais em Hideo Kojima, me dando os dois excelentes Zone of the Ender. Quanto a Castlevania não vou dizer tanto. Amei Curse of Darkness e detestei Lament of Innocence (mas amei a homenagem do patriarca dos Belmonts, querida. Leon é um nome forte mesmo), mas no geral, você acabou com eles, né? No entanto, Winning Eleven e Metal Gear Solid seguiam forte, em especial esse último. Você me entregou uma obra-prima dos games com Metal Gear Solid 3: Snake Eater (título péssimo, mas faz todo o sentido). Ainda fico chocado quando me lembro da patada que o final me deu. Realmente chocante, de cair o queixo.

A geração PS3/Xbox 360 chegou e aí as coisas esfriaram entre a gente, né? Quero dizer, até que você conseguiu manter boas coisas em outras plataformas (principalmente nos portáteis como GBA, DS e 3DS)... mas não era mais a mesma coisa. Metal Gear Solid 4 me emocionou bastante, eu confesso, mas, querida, o que você fez com Castlevania? Transformou uma das minhas franquias favorita em um button-masher tosco! Winning Eleven? Você destruiu também! Tudo isso por medo de mudar? Ou porque não soube mudar? Mandar o Igarashi embora talvez tenha sido uma péssima ideia...

Nesta atual geração, senti esperanças de tudo mudar, sabe? MSG:V Ground Zeroes me deu esperanças de que você e Hideo Kojima finalmente acertassem as pontas. Não só Ground Zeroes, mas também Silent Hills, chamando Guillermo del Toro para co-dirigir o jogo com Hideo Kojima, tendo Norman Reedus (o Daryl do The Walking Dead) e pra fechar, com aquele teaser jogável, o P.T. Aquilo foi uma jogada de mestre, amor! Eu, por um instante, sonhei com nossas tardes de sábado, acontecendo outra vez. Mas aí...

Recebi notícias de que você teria cancelado Silent Hills! Não acreditei logo de cara. "Deve ser coisa de imprensa marrom", pensei. Afinal, fazer um projeto ambicioso como este, sem o mínimo de precaução, é bobeira. Aí, na mesma passada, começaram a sair notícias mais estranhas, como a sua tentativa de desvincular a sua imagem da imagem do Hideo Kojima. Fiquei desesperado. Logo mais tarde, naquela mesma semana, Silent Hills foi cancelado de vez. Meu coração parou. Toda a minha esperança se esvaiu, tornando-se mera matéria efêmera, como as tardes de sábado que eu esperei novamente. O golpe de misericórdia veio quando você, de forma quase oficial, confirmou que iria focar mais no mercado mobile e nas máquinas de pachinko e slots (jogos de azar, amor? Sério?) e que Kojima estaria fora da empresa.

Por que isso? Eu entendo que você quer lucrar de forma menos dolorosa possível, gastando pouco e ganhando muito, mas será esse o caminho correto? É assim que você precisa fazer para se manter viva? Você, amor, criou histórias, mundos e personagens tão inesquecíveis e tem mesmo que recorrer ao caminho dos covardes? Esse caminho - esse mesmo que você preferiu trilhar - não é o melhor deles, devo dizer. São passos certeiros e conscientes, acima de tudo, para a morte definitiva.

Espero vê-la novamente daqui alguns meses, quando Metal Gear Solid V: Phantom Pain for lançado. O que parece ser, enfim, o capitulo final da história de Metal Gear Solid, pode ser (caso você não se cuide como deve), nosso último encontro, querida. Uma dica para evitar o total desastre? Ouça mais quem te transformou no que você é hoje: Os jogadores, seus eternos e apaixonados amantes.
Fique em paz e se cuide porque, desta vez, "cima-cima-baixo-baixo-esquerda-direita-esquerda-direita-B-A" nenhum no mundo vai te ajudar.

Com carinho (e preocupação),

Leon "Belmont" Cleveland.


Leon Cleveland é formado em Comunicação Social pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora. É fã de desenhos animados, mitologias, heavy metal, culinária, gastronomia, bacon e é completamente apaixonado por games. Tão apaixonado que sua Tese de Conclusão de Curso foi "O uso da Linguagem Cinematográfica nos Games". Já escreveu para várias publicações, analógicas e digitais, sobre o assunto e planeja se especializar na recente área de "Crítica de Videogames".

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.