JF deve receber R$ 270 mil em 2007 Classificada em quinto lugar no ranking de preservação do patrimônio
cultural e artístico, cidade deve receber incentivos da Lei Robin Hood


Fernanda Leonel
14/12/2006

Juiz de Fora deve receber R$ 270 mil do governo do estado no próximo ano. A gratificação está relacionada com os benefícios da Lei Robin Hood, que beneficia cidades com a distribuição de uma parcela do ICMS recolhido pelo governo, como forma de incentivo para atividades artísticas e culturais.

O valor recebido, está diretamente relacionado com a nova colocação que a cidade atingiu no ranking do Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico (IEPHA). Esse ranking pontua cidades de acordo com investimentos em móveis tombados e ações culturais entre abril de 2005 e abril de 2006.

Juiz de Fora conseguiu este ano, 14,5 pontos, um a mais que no ano passado. Esse número coloca a cidade na quinta posição estadual, entre cidades que mais cuidam do patrimônio cultural e artístico. A frente da cidade estão os municípios de Mariana, Santa Bárbara, Sabará e Couto Magalhães de Minas (confira o quadro abaixo).

Participaram dessa classificação, mais de 600 cidades que enviaram a sua documentação com os investimentos nos últimos anos. Para a Funalfa, a colocação da cidade está diretamente ligada com a "educação patrimonial" que está sendo desenvolvida em Juiz de Fora.

Entre as ações destacadas para o prêmio, estão as visitas guiadas para escolas, museus e instituições culturais e o concurso Viva o trem, realizado pela Museu Ferroviário que premiou trabalhos de 5ª a 8ª série, nas categorias Artes Visuais e Literatura, abordando a ferrovia e sua relação com a comunidade.

O tombamento do Museu Mariano Procópio, do Museu do Crédito Real e da Usina de Marmelos e do Conjunto das Estações Ferroviárias, formado pela Estação da Estrada de Ferro Central do Brasil, onde funciona atualmente a Sociedade de Belas Artes e pela antiga Estação Ferroviária de Leopoldina, que também foi tombado, foram pontos fortes para o destaque de Juiz de Fora no ranking do Instituto do Patrimônio.

Para chegar chegar ao laudo final, o Instituto do Patrimônio se baseou em documentações, dossiês e laudos sobre imóveis protegidos pelo município, o que em Juiz de Fora é controlado pela Funalfa. Para o diretor da divisão de patrimônio da fundação, Paulo Gawryszewski o trabalho de documentação e cuidado com os bens tombados reflete a colocação da cidade.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.