Cidade tem potencial para turismo de negócios e eventos Medidas de desenvolvimento e captação de recursos para o turismo serão apresentadas para a prefeitura de Juiz de Fora

Pablo Cordeiro
*Colaboração
10/9/2009

Na terça-feira, 15 de setembro, será apresentado ao prefeito Custódio Mattos o plano de desenvolvimento do turismo na cidade. Segundo o subsecretário de turismo de Juiz de Fora, Jackson Fernandes, a intenção do estudo é formalizar o segmento e captar investimentos. "Este é o começo de um trabalho para organizar o turismo de forma técnica junto ao trade turístico voltado para negócios e eventos. O primeiro passo é propor a inclusão de um capítulo próprio na lei orgânica do município."

Fernandes ressalta que Juiz de Fora tem capacidade de ser um polo do segmento de negócios e eventos. No entanto, devido à falta de incentivos financeiros, políticas públicas, infraestrutura e falta de estímulo do público, a atividade é prejudicada. "Este é um marco pelo qual o turismo passa na cidade. Nossa preocupação é formalizar a atividade como segmento econômico. Já começamos a estudar e entender as causas e problemas, para que possamos utilizar as ferramentas adequadas", observa o subsecretário.

Um dos problemas destacados é a descrença do juizforano quanto ao potencial turístico da cidade. "Nossa intenção é resgatar a autoestima da população. Vamos tomar atitudes para mudar a cultura do povo. A cidade está se reorganizando para potencializar o setor econômico", destaca Jackson. Junto a esta campanha de resgate e à apresentação do plano de desenvolvimento, outra medida citada é o investimento em infraestrutura para eventos e a manutenção dos equipamentos turísticos locais. "É necessário uma promoção interna para preparar Juiz de Fora para o turismo. Iremos trabalhar na capacitação e treinamento de pessoas envolvidas no trato direto com os turistas, como taxistas e profissionais do ramo hoteleiro."

Prognósticos

A consultora do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Vaniza Schuler, realizou, por dois meses, um estudo que definiu um prognóstico sobre o turismo de negócios e eventos em Juiz de Fora. Segundo a consultora, o município apresenta inúmeras vantagens para se tornar um polo de destaque do segmento, porém também apresenta limitações que precisam ser sanadas.

Em relação às vantagens, Vaniza aponta a privilegiada localização geográfica, o que, aliado às facilidades rodoviárias e à proximidade com o Rio de Janeiro, facilita a conexão entre várias cidades e destaca a logística do município. Outro aspecto levantado é o excepcional centro de convenções localizado a apenas 16 quilômetros do centro da cidade e que, ao mesmo tempo que é vantagem, também é uma limitação, já que, segundo a consultora, não é aproveitado pelos promotores de evento. "Existe uma resistência dos agentes locais e da população em utilizar o centro em função do acesso, problemas técnicos e custos. O mais preocupante é a repulsa cultural da população em frequentar os eventos."

Uma necessidade identificada é a consolidação de uma imagem turística no cenário nacional e internacional. "Comparado com Ouro Preto e Gramado, que já têm uma imagem consolidada, as limitações desaparecem em detrimento das vantagens. O transporte não é satisfatório nessas cidades, mas as atrações apagam essa falha. Em Juiz de Fora, você não sabe o que encontra."

Sobre a rede hoteleira, Vaniza atenta para um nivelamento nacional e não um índice de conforto baseado nos estabelecimentos da região. "Oitenta por cento dos turistas de negócio ficam sozinhos e procuram conforto. Não adianta ter um hotel cinco estrelas que não acompanhe a qualidade dos hotéis de mesmo nível no país." Ela observa que a baixa pró-atividade na identificação das oportunidades prejudica a hospedagem. "Às vezes, trazer 50 pessoas no evento deixa mais dinheiro e gera mais lucro à cidade do que trazer mil pessoas."

Pesquisa

A consultora Vaniza Schuler destaca que as principais soluções giram em torno da pesquisa e das parcerias. Ela ressalta que é de fundamental importância efetivar parcerias com universidades, para utilizar mão-de-obra qualificada. "A pesquisa é essencial para saber o gosto e a resposta do participante. O turista de negócio vai até onde o evento está. É necessário prever a inclusão de eventos na definição do perfil de público."

*Pablo Cordeiro é estudante do 9º período de Comunicação Social da UFJF

Os textos são revisados por Madalena Fernandes

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.