• Assinantes
  • Autenticação
  • Educação

    Que carreira seguir? Com as provas desde o início do segundo grau, os adolescentes já precisam pensar na faculdade bem mais cedo. Mas será que eles estão prontos?

    Leia ao lado alguns artigos no arquivo do Portal ACESSA.com escrito por Denise Melo e Eduardo Santos sobre as incertezas na definição da carreira. Clique no ícone texto ao lado

    Leia Leia
    Renato Costa
    *Colaboração
    21/12/2006

    Há algum tempo, entrar para a faculdade era o desafio de quem estava no 3º ano do Ensino Médio, ou de quem se preparava pelos "cursinhos". Com o vestibular seriado, que acontece durante os três anos do segundo grau, a tarefa de conseguir uma vaga no ensino superior começa cedo. Mas, será que os jovens estão prontos?

    Luis Felipe, estudante Segundo a estudante Paola Aquino, que está no segundo ano do vestibular seriado da Universidade Federal de Juiz de Fora (Pism - UFJF), grande parte dos alunos têm outras preocupações. "A maioria está mais preocupada em passar de ano", diz. Paola já optou pelo curso de Letras, embora a confirmação só deva ser feita no ano que vem.

    Priscila Vital, também no segundo ano do Pism, ainda está sem saber por qual curso optar. "Cheguei a pensar em Fisioterapia, mas desisti", lembra. Com relação a fazer provas durante três anos, ela aprova o método. "Além de fazermos provas com o conteúdo dividido, adquirimos experiência para o Vestibular, caso não sejamos aprovados pelo Pism", diz.

    Luis Felipe França (foto acima) e Natália Andrade vieram de Valadares para fazer o primeiro ano do vestibular, e já escolheram o curso: Medicina. Luis pensa que, apesar da pouca experiência, os jovens vestibulandos estão se esforçando. "Quem vem fazer o Pism vem com a intenção de tentar a vaga mesmo, e se prepara durante o ano", ressalta. Natália acha que quem se preparou se deu bem. "Para quem estuda, as provas estão fáceis", diz.

    Resultados melhores nos últimos anos

    Ana Stuart, psicóloga A psicóloga Ana Stuart destaca o fato de, por estarem em uma fase de transição, os estudantes não encaram as provas com a maturidade que deveriam. "É um período complicado para os adolescentes e são muito poucos que desde o primeiro ano do Vestibular se preparam visando uma vaga na faculdade", explica.

    Ana comenta que no segundo ano de provas a tendência é a responsabilidade aumentar. "Alguns alunos que têm resultados ruins no primeiro ano, chegando até mesmo a repetir a série, obtém ótimos resultados nas provas seguintes. Isso porque estão amadurecendo, percebendo a importância dessas avaliações no seu futuro", diz.

    A família é um personagem importante nessa história, até mesmo na hora de definir a escola em que o aluno vai cursar o ensino médio. "Deve haver uma afinidade entre o jovem e o ambiente de estudo, para que ele aprenda a lidar com a pressão. O Vestibular é uma obrigação, é chato, mas cada um deve lançar mão de seus recursos pessoais para lidar da melhor maneira possível com isso, contando com as opiniões da família", ressalta Ana.

    *Renato Costa é estudante do 10º período de jornalismo da UFJF

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Publicitário

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.