• Assinantes
  • Autenticação
  • Educação



    Matemática


    Já se foi o tempo que matemática era só "decoreba"

    Sílvia Zoche
    06/08/04

    O professor de matemática e física, Anderson de Castro Oliveira, fala que decorar fórmulas é coisa do passado. Clique e ouça!

    Ouça!

    Foto ilustrativa Saber a matemática básica, que é teoricamente a do ginásio, é essencial para a compreensão da matemática do 2º grau. Uma boa base, isso não somente nesta matéria, facilita qualquer estudo.

    Alguns exemplos de matemática básica são:


    • álgebra básica
    • produtos notáveis
    • equações do 1º e 2º graus
    • artimética dos inteiros

    Segundo o professor de matemática e física, Anderson de Castro Oliveira (foto abaixo), a aritmética dos inteiros Anderson de Castro Oliveira está sempre aparecendo no vestibular e, às vezes, com uma ou duas questões na prova aberta. Mas não existe motivo para temores. Atualmente, as provas de vestibular estão enfatizando o uso da matemática no dia-a-dia do aluno. "Lógico que você não consegue contextualizar todos os assuntos da matemática, mas a banca elabora o máximo de questões contextualizadas possíveis. Ou seja, não existe mais aquela prova de decoreba de fórmula, de macete, muito pelo contrário. Algumas questões, inclusive, são direcionadas para que o aluno consiga resolver, mesmo que tenha somente um conhecimento mínimo", diz Anderson.

    Mais freqüência

    O professor dá algumas dicas do que mais freqüentemente tem aparecido nas provas de vestibular. Mas ressalta que isto não é via de regra. "Eu não tenho a pretensão de falar que vou acertar os assuntos da prova. Eu estou dando uma diretriz pelo que vem caindo nas últimas provas e pelas reuniões que temos com o departamento de matemática", esclarece.

    Para quem não está com tempo suficiente para estudar toda a matéria, Anderson fala sobre alguns tópicos que a pessoa pode priorizar.


    • Arimética dos inteiros, chamados problemas do 1º grau,
      que têm caído bastante
    • Geometria plana: é fundamental o estudo de triângulos
      e áreas das principais figuras
    • Geometria espacial: o volume dos principais sólidos
      (prisma, cilíndro, cone, pirâmide e esfera), cálculo de
      volume (sem preocupar com decorar fórmula)
    • Geomestria analítica: equação da reta e da circunferência
    • Álgebra e análise: fundamental saber função de 1º grau
      e função de 2º grau.
    • Segundo o professor, tem aparecido menos em prova,
      mas é sempre bom estudar logaritmo e exponencial.
      "No nosso dia-a-dia, grande parte dos problemas que um
      botânico, um médico, um engenheiro lidam, são curvas
      chamadas de exponenciais", diz.
    • Estatística, média aritmética simples e ponderada
    • Saber interpretar gráficos. "Eu tenho que saber gráficos
      de estatística? Sim. São os mesmos gráficos que você interpreta,
      por exemplo, para estudar geografia", diz.
    • Probabilidade, "que sempre aparece em nosso cotidiano"
    • Porcentagem e juros. "Qualquer prova de matemática que
      se faça, hoje em dia, cai uma questão de porcentagem", conclui.

    O professor completa dizendo que se a banca mantiver a linha de trabalho, 60% a 70% da prova está nos conteúdos listados acima.

    Na prática

    Foto ilusrativa

    Quando for resolver um problema, a dica é não pensar que está resolvendo uma questão de matemática. "É tentar se colocar diante do problema como se fosse um problema da sua vida prática", indica Anderson. Dessa forma, o trauma pode ser banido. "Quando se fala em matemática e física, o que vem na cabeça é fórmula e decoreba. E é tudo que não é cobrado na prova da UFJF e nas provas dos vestibulares da redondeza que a gente acompanha", explica.

    Ler com bastante atenção é outra dica do professor. Ele costuma dizer que 50% dos problemas são de interpretação de texto. "Se você conseguir interpretar as informações do enunciado e o que ele está pedindo, já é metade do caminho andado. Lógico que o aluno deve ter algum conhecimento básico", diz.

    Visão em 3D

    Foto ilusrativa

    Assistir às aulas de geometria espacial requer facilidade em visualizar em três dimensões. Para quem acha essa tarefa difícil, Anderson recomenda um exercício em casa, antes de resolver qualquer problema.

    "Em casa, você está assistindo à televisão. Se tiver um tempinho, pegue um papel e tente desenhar a estante e a televisão que você está vendo. Assim você acostuma o seu cérebro a enxergar em três dimensões", explica. Procure mudar o seu ângulo de visão e faça mais desenhos. Quando for estudar, tente desenhar as figuras do livro.

    "No início, você pode até desenhar olhando no livro e, simplesmente, tentar redesenhar a figura para que seu cérebro se acostume com esta visão", completa a dica.

    Quando começar a estudar, o aluno deve associar as questões a seu cotidiano. Anderson exemplifica com a figura de um paralelepípedo reto retângulo. "Esta sala é um paralelepípedo reto retângulo, por exemplo. Um cilíndro: lembre-se de uma latinha de refrigerante. Um cone: a casquinha do sorvete. Associe sempre com imagens do dia-a-dia, porque nosso cérebro já está acostumado".

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Publicitário

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.