• Assinantes
  • Autenticação
  • Educação

    Intercâmbio Cultural Jovens se aventuram no exterior em busca do aprendizado
    de uma língua estrangeira e conhecimento de uma nova cultura

    Renata Cristina
    *colaboração
    01/04/2005
    O consultor da EF em Juiz de Fora, Iru Justiniano, fala sobre as vantagens de contar com uma assessoria para viagens internacionais. Clique e veja!

    Confira

    foto ilustração Em busca de uma melhor qualificação profissional, jovens de todas as idades procuram, cada vez mais, os chamados intercâmbios culturais.

    O aprendizado de uma língua estrangeira e a imersão em uma nova cultura são os pontos destacados pela administradora de empresas, Sabrina Teixeira (foto abaixo), que viveu durante três meses em Toronto, no Canadá.

    foto ACESSA.com Sabrina optou pela viagem durante as férias da Faculdade, e conta que a experiência foi muito importante para seu amadurecimento profissional e pessoal. "Quando você está fora de seu país aprende a observar pequenas coisas que passam a ter um significado diferente na sua vida", enfatiza.

    Durante sua estadia, a administradora fez um curso de inglês e aproveitou para conhecer museus, bares e cidades próximas a Toronto. "Fiz muitas amizades, com gente do mundo todo", relembra.

    foto Arquivo Pessoal Já o jornalista João Márcio Coelho Júnior (foto ao lado) preferiu viajar depois da faculdade e procurou uma especialização em Berkeley, nos Estados Unidos. Para escolher seu destino, levou em conta a escola que ia cursar, a Universidade da Califórnia, uma das mais conceituadas no país. Outro fator de peso, foi que um amigo seu estava morando lá. "Isso facilitou as coisas para mim, desde a moradia até a adaptação", conta.

    Além de estudar, João Márcio trabalhou durante quatro meses no departamento de marketing da AT&T, em São Francisco. "Conheci muitos lugares, cresci profissional e pessoalmente e até aprendi palavras e frases em outros idiomas, como turco e japonês. Os cursos e a experiência profissional foram primordiais para a minha carreira. A vivência no exterior me transformou em uma pessoa muito mais madura", diz.

    Mergulho em outros mares

    foto ACESSA.com "Além de estarem interessados no aprendizado de uma língua estrangeira, os estudantes querem conhecer uma outra cultura", afirma o consultor da EF, em Juiz de Fora, Iru Justiniano (foto ao lado). Segundo ele, a tendência não é só de estudantes secundaristas e universitários, mas também da terceira idade. "Eles já estão com os filhos criados, aposentados e agora querem investir neles".

    Para os jovens que desejam conhecer a fundo a vida em outro país, a administradora Sabrina Teixeira aconselha que fiquem em casa de família. Ela recorda que amigos que ficaram em repúblicas estudantis, geralmente, se alimentavam em fast-foods e não tiveram a possibilidade de comemorar datas típicas. "No Natal, saí com a minha família canadense para comprar uma árvore. Foi como nos desenhos animados: levamos um machado, escolhemos uma árvore enorme, colocamos em cima do carro e trouxemos para casa. Se estivesse em um alojamento, com certeza, não teria essa oportunidade".

    Do outro lado do mundo

    O caminho inverso foi feito pelo estudante Andrew David, que veio da Nova Zelândia para estudar no Brasil. Desde janeiro, ele está em Juiz de Fora, vivendo com uma família tipicamente mineira. Andrew ganhou dois "irmãos", Gabriela e Leonardo, e está tentando se adaptar à nova rotina. "A primeira dificuldade foi a diferença de horário e a temperatura", recorda.

    Quanto à língua portuguesa, ele diz: "É muito difícil! Consigo entender o português, mas é muito difícil falar, já que a variação dos verbos é muito grande". Entre as principais diferenças do Brasil e da Nova Zelândia, Andrew aponta a comida - "Lá não temos uma base alimentar, como arroz e feijão. Fazemos várias refeições ao dia" e as relações pessoais - "Aqui no Brasil, as pessoas se tocam muito. Quase todo muito te beija, te abraça".

    foto ACESSA.com Outro caso semelhante é do estudante Richard Scott (foto ao lado) que veio da Inglaterra. Ele está há dois meses na cidade e adora a hospitalidade brasileira. "Aqui as pessoas são mais felizes, têm mais entusiasmo e orgulho de serem brasileiras", analisa.

    Scott afirma que se apaixonou pela língua portuguesa e está se dedicando ao máximo para aprendê-la. "Estudo todos os dias, durante cinco, seis horas", diz. Ele se despede da terra tupiniquim no dia 21 um de abril e garante que sentirá saudades.

    Sozinho ou por conta própria?

    foto ACESSA.com A grande dúvida de quem vai viajar para o exterior é se deve ir por conta própria ou procurar ou uma assessoria especializada na área. Geralmente, esses serviços custam caro e podem inviabilizar o sonho de muita gente.

    A diretora regional da World Study em Juiz de Fora, Adriana Borgerth, aconselha os interessados a procurarem formas de negociação, como o parcelamento. "Se for feito um planejamento com antecedência, não fica tão inviável de dar uma alavancada no inglês", reforça.

    No caso de João Márcio, ele preferiu viajar por conta própria, já que podia contar com a ajuda do amigo no país de destino.

    Iru alerta que "o barato pode sair caro". Segundo ele, muitas questões podem ser solucionadas com a ajuda de uma assessoria, tais como documentação, visto, seguro de saúde, passagens áreas e, até mesmo, informações culturais sobre o lugar escolhido.

    Onde conseguir ajuda

    Esses são os endereços eletrônicos de algumas empresas especializadas em intercâmbios culturais. Se você conhece uma delas, envie o endereço pra gente: redacao@acessa.com

  • www.ef.com
  • www.ci.com.br
  • www.worldstudy.com.br
  • www.elcidiomas.com.br
  • www.orbis.com.br

    *Renata Cristina é estudante de Comunicação Social da UFJF

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Publicitário

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.