• Assinantes
  • Autenticação
  • Educação

    Até quando posso ficar na Universidade?


    Fique atento ao tempo máximo de curso na sua Universidade! Você pode ser jubilado, ou seja, perder a sua vaga se demorar muito para formar

    Renata Cristina
    *colaboração
    16/06/05

    O coordenador de programas de graduação da UFJF, Júlio Portela, fala sobre o tempo de permanência e orienta os alunos sobre os processos de trancamento e dilatação de curso.

    Confira

    Em 1999, quando o estudante de Comunicação Social, Rafael Saldanha, entrou na universidade, ele não imaginava que ficaria por lá uns bons anos. "Passei no Vestibular com apenas 18 anos e não estava acostumado com a liberdade do ambiente Universitário. Freqüentava mais a cantina do que a sala de aula", recorda. A partir de então, o resultado não poderia ser diferente: reprovado!

    Justamente neste momento, a sua faculdade estava mudando de currículo e desde o 3º período, ele deveria ter se adaptado à nova grade. Saldanha explica que fez várias disciplinas desnecessárias e somente no 5º período iniciou sua adequação.

    Em 2003, o estudante foi aprovado no concurso do Banco do Brasil e teve que optar entre a Faculdade e o trabalho. "Fui convocado para a cidade de Viçosa (MG), tranquei o período com o objetivo de tentar uma transferência para Juiz de Fora em seis meses". Contudo, os planos de Saldanha tiveram que ser prorrogados, pois o estatuto do banco foi alterado e os pedidos de transferência só poderiam ser feitos com um ano de trabalho. A solução foi esperar mais um semestre e atrasar mais um pouco a faculdade.

    Em janeiro de 2004, Saldanha já havia negociado a mudança para Santos Dumont (MG), uma cidade mais próxima de Juiz de Fora, mas houve um bloqueio por parte do Governo, antes mesmo que ela fosse formalizada. "Não pensei duas vezes: deixei o trabalho e voltei para a cidade disposto a me formar".

    A determinação de Rafael fez com que em apenas um ano e meio, ele concluísse todo o curso e, inclusive, no dia da entrevista com o portal ACESSA.com, ele havia acabado de terminar sua monografia. Satisfeito com o resultado, o futuro jornalista acredita que atraso no curso foi válido para o seu amadurecimento e crescimento profissional.

    Assim como Saldanha, outros estudantes passam por uma série de obstáculos para chegar ao final da faculdade, como é o caso do acadêmico de educação física, Estevão Garcia (foto ao lado). Ele se matriculou em 09/09/99, às 9 da manhã, e brinca que a coincidência nos números teve influência direta na sua trajetória pela Universidade Federal de Juiz de Fora. "Como vim de São Paulo, precisava trabalhar para cobrir minhas despesas, portanto priorizava o trabalho e já cheguei a ter até cinco empregos".

    Garcia lamenta que desconhecia programas de apoio estudantil, como as bolsas para alimentação, moradia e transporte (veja no site da UFJF), fato que dificultou sua estadia na cidade. "Com o passar do tempo, me engajei no movimento estudantil e passei a ver com outros olhos a questão do trabalho". Quando Estevão vai se formar? Segundo ele, até a reitora já fez essa pergunta, mas a previsão é para dezembro de 2005.

    Outra situação semelhante aconteceu com o estudante de engenharia civil, Eduardo Martins Vieira, que trabalhava durante oito horas diárias e assistia aulas à noite. "Estou na faculdade desde 94 e agora tive que deixar o emprego para concluir o curso. É a minha última chance e não quero perdê-la", garante.

    Fique de olho


    O coordenador de programas de graduação da UFJF, Júlio Portela, alerta que um estudante poderá permanecer na universidade o dobro de anos do tempo mínimo de seu curso, ou seja, se você faz uma faculdade de quatro anos, poderá permanecer durante oito anos nela.

    Ainda assim, uma outra chance é dada ao aluno, a partir dos processos de dilatação de curso. Nesse caso, o estudante já chegou ao prazo máximo e a coordenação verifica as possibilidades de estender esse período, caso haja interesse de ambas as partes. Portela adverte que a dilatação só é feita por meio justificativas, como trabalho, mudança da cidade, etc.

    Já para trancamento de matrícula o tempo máximo é de dois anos. Esse procedimento só pode ser realizado uma vez, durante toda a faculdade.

    *Renata Cristina é estudante do 8º período de Comunicação Social da UFJF

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Publicitário

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.