• Assinantes
  • Autenticação
  • Educação

    UFJF adia o vestibular


    Instituição suspende as provas deste final de semana,
    mas não define nova data

    Ricardo Corrêa
    Repórter
    08/12/05

    Veja o que diz o secretário de Imagem Institucional da UFJF, Márcio Guerra, sobre a demora no adiamento da primeira fase do Vestibular 2006. Clique no ícone ao lado!

    Veja!

    Os candidatos da primeira fase do Vestibular 2006 da UFJF vão ter mais tempo para estudar e preparar-se para as provas. De quanto será esse tempo, no entanto, ninguém pode dizer, nem mesmo a Universidade. Em coletiva realizada nesta quinta-feira, dia 8, no prédio da Reitoria, o secretário de Imagem Institucional da UFJF, Márcio Guerra (foto ao lado), anunciou o adiamento das provas marcadas para os dias 11 e 12 de dezembro. A nova data, porém, ainda está sendo estudada.

    A indefinição dos professores foi o argumento utilizado tanto para explicar a aparente demora de anúncio do adiamento quanto a não marcação de um novo dia para a realização dos exames. Os professores haviam definido, nesta quinta, que iam suspender a greve na próxima semana, mas não divulgaram uma data para que isso acontecesse (leia a nota). A definição ficou para a sexta-feira, dia 9, às 9h30. Márcio Guerra explicou que a UFJF sempre respeitou os movimentos dos professores e servidores e não poderia ser diferente agora.

    "A tradição da UFJF é esta, por isso esperamos até o último momento para anunciar o adiamento", explicou o professor, que ressaltou que a medida vale apenas para a primeira fase do vestibular.

    "Eu não estou dizendo que o Pism (que acontece entre nos dias 18 e 21 de dezembro) não será adiado, mas nossa decisão, por enquanto, vale apenas para o vestibular. Dentro do limite nós tentaremos manter, mas temos que ver primeiro a decisão dos professores", alertou o secretário.

    A decisão da UFJF pegou de surpresa os estudantes. Muitos deles não acreditavam mais que pudesse haver alteração na data das provas.

    "É complicado. Nós estudamos, nos preparamos e aí fica nessa indefinição. Faltando três dias para as provas eles adiam e ainda não sabem para quando?", protestou o estudante Bruno Zonovelli, de 21 anos, que tentará o vestibular para Ciência da Computação. Ele vai além:

    "A matéria já acabou e nós ficamos estudando sem saber. Eu acho que o quanto antes acabar isso melhor", reclamou. Já a candidata para o curso de Letras, Jeruza Ferreira Machado, 24 anos, ficou ainda mais revoltada.

    "Eu acho falta de respeito para com os alunos que estavam se preparando, além do prejuízo para os hotéis e comércio. Eu achei que não fossem mais adiar, porque estava muito em cima. O melhor era que tivesse logo. Mesmo que eles segurassem o resultado, pelo menos que nós fizéssemos a prova, pois aí a nossa parte estaria feita", reclama a estudante.

    Jeisiane Oliveira da Silva, 19 anos, que tentará a prova para o curso de Enfermagem, não ficou tão assustada com a mudança e disse que já esperava que o adiamento fosse acontecer.

    "Por um lado é ruim para quem não mora aqui e não sabe se vem ou não vem, mas eu já estava imaginando que fossem adiar, pois não daria tempo de enviar os comprovantes para todo mundo, Para mim tanto faz. Eu fico bem tranqüila com essas coisas", disse a candidata.


    Hotéis terão que bancar o prejuízo

    A demora da UFJF para anunciar a decisão vinha causando protestos de donos de hotéis e principalmente estudantes de fora da cidade. Existe um temor de que a nova data inviabilize a presença de algum candidato que já pagou a taxa de inscrição. A UFJF prefere agir com cautela e vai esperar primeiro para saber se isso irá acontecer, para depois decidir se vai existir alguma espécie de compensação do candidato.

    No caso da relação entre os estudantes, que já haviam feito reserva, e os hotéis, os donos dos estabelecimentos é que podem sentir no bolso a decisão. Pelo menos é o que entende o Procon de Juiz de Fora. Para a advogada do órgão, Cláudia Maria Lazarini, o aluno não pode ser penalizado com o adiamento.

    "Não é culpa do hotel, mas também não é culta do aluno. Então não tem como ele arcar com um pagamento. Ele tem que ser ressarcido. Nós entendemos que o hotel não prestou o serviço então tem que devolver o dinheiro, já que o acontecimento foi alheio à vontade do aluno. É uma questão de bom senso também", explica a advogada, citando os artigos 39, inciso 5; e 51, incisos 2 e 4.

    Uma solução que já foi proposta até mesmo por responsáveis por hotéis seria o adiamento das reservas, mas neste caso poderia não haver vaga para todo mundo, já que na nova data que será marcada, provavelmente outras reservas já terão sido feitas.

    Neste caso, não restaria outra alternativa senão reembolsar os estudantes que não obtiverem uma vaga. Os responsáveis por hotéis reclamam é de que perderam reservas para este final de semana, por estarem com os quartos já destinados para os vestibulandos, que agora não virão mais. Tal insatisfação pode até gerar processos contra a UFJF.

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Publicitário

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.