Manicura e Pedicura Mercado em alta e cursos profissionalizantes que prometem um "diferencial"
que se transforma em lucro para a embelezadora das mãos e pés

Fernanda Leonel
Repórter
13/03/2007

Elas são as profissionais da beleza. Cuidam de partes do corpo que mulheres e homens apreciam e por isso são tão valorizadas. Os números dos profissionais estéticos confirmam: mulheres vão três vezes mais ao salão para fazer unhas dos pés ou mãos do que para arrumar um cabelo, por exemplo.

A vaidade das mulheres faz a profissão de manicure ser uma das mais procuradas. E o curso profissionalizante, que pretende fazer a diferença no currículo dessas profissionais, também. Segundo a instrutora do curso de manicuro, Mônica Guimarães (foto ao lado), não há uma turma que se abra que não tenha as vagas preenchidas.

E para quem pensa que esse grande número de profissionais está saturando o mercado, a resposta de Mônica Guimarães, que soma nove anos de experiência na área é surpreendente. "As turmas estão no mercado. Passam turmas e turmas e sempre temos boas notícias dos nossos ex-alunos", afirma.

Para Mônica, a questão primordial para o sucesso das profissionais está exatamente no diferencial que elas construíram ao longo do curso. A instrutora frisa que quem paga pelos serviços de manicura ou pedicura, sabe dos riscos, por exemplo, de uma contaminação, e por isso, prefere o profissional capacitado, que lhe passe segurança.

foto do trabalho da manicura "As pessoas sabem valorizar e pagam mais por um profissional competente. Além do mais, vale a pena lembrar que quando a gente fala de contaminação, não é só a questão do sangue, que é muito debatida. Fazer a unha em qualquer lugar, sem uma esterilização adequada, pode render uma hepatite ou uma micose".

Esse fator 'pagar a mais' despertou a sua curiosidade? Vamos falar de dinheiro, então... Segundo as previsões de Mônica Guimarães, uma profissional gabaritada, que saiba se valorizar no mercado e que tenha se especializado para isso, pode ganhar até R$ 2 mil reais por mês.

Isso porque, segundo a instrutora, há públicos dispostos a pagar mais pela qualidade do atendimento, além do serviço de quem "faz melhor" ser mais procurado. "Tem gente que faz unha a R$ 2. Tudo bem. Deve ter uma fila de gente lá para fazer. Mas eu sempre falo com as minhas alunas: 'enquanto essa profissional tem que trabalhar 50 vezes, você pode cobrar R$ 20 e fazer quatro pés e mãos'", enfatiza.

O curso profissionalizante em Juiz de Fora tem carga horária de 100 horas/aula e dura, em média, um mês e meio. As turmas são formadas por 12 alunos, aproximadamente.

Diferença no mercado

foto de unha decorada O conhecimento abrangente, que engloba outras áreas que extrapolam o "fazer manual", torna uma manicura com curso profissionalizante "diferente" das outras profissionais, segundo Mônica.

No curso, as alunas adquirem conhecimentos na área da saúde para evitar contaminações. Conhecimentos de micoses, unhas fracas ou alguma outra situação são identificadas por elas, que apontam um profissional especializado para cuidar do assunto.


Questões ligadas à higienização do local, dos instrumentos de trabalho e das mãos também fazem parte do cotidiano de estudos das manicuras. Disciplinas como ética do trabalho e legislação da categoria também ajudam a ampliar conhecimentos importantes para quem pensa do futuro.

"As especialistas no curso de manicuro trabalham com luvas e máscaras, por exemplo. Coisas que parecem simples, mas que fazem toda diferença: tanto para quem faz o serviço, quanto para quem recebe", ressalta Mônica.

No curso, as alunas também ficam antenadas com as novas tendências da arte de transformar mãos e pés. A decoração de unhas, ramo muito rentável no mercado, é disciplina obrigatória no profissionalizante.

E engana-se quem pensa que essa profissão foi feita "só para elas". Há homens nos cursos de manicuro - mesmo que em menor quantidade - e que são destacados pelas professoras como altamente capacitados para lidar com mãos e pés. "Em muitos casos, eles chegam a ser até mais perfeccionistas que elas", destaca Mônica.

Futuras manicuras

foto de Carla Carla Cristina (foto ao lado) diz que sempre foi vaidosa. "Se pudesse, ia no salão de beleza todo final de semana. Acho muito legal as pessoas bonitas e se cuidando", afirma. O gosto pela coisa a levou ao curso profissionalizante.

Quase se "formando" ela aconselha o curso para quem pretende trabalhar na área. Para Carla é um mercado que nunca cai, já que a vaidade das mulheres é sempre uma variável forte.

Novata no assunto, comenta que o curso foi muito produtivo e que ela acredita que pode ajudá-la muito na profissão escolhida. "Aprendi até noções de mercado. Já fiz meus cartõezinhos com nome, celular e especificando os serviços que aprendi a fazer".

foto de CynthiaCynthia Colen Martins, fez o caminho inverso. Largou a prática para se especializar. A profissional trabalhava há oito anos em salão, e afirma que resolveu fazer o curso depois de perceber o quanto as manicures era solicitadas pelas clientes de todos os salões que passou.

"Além do mais, tudo que eu estou aprendendo aqui é conhecimento somado, que vai me valorizar ainda mais como profissional. Com o uso das luvas e máscaras eu posso proteger minha cliente e ela valorizar isso, como cuidar da minha saúde também", resume Cynthia.


Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.

Arquivo

Ver mais...