Artigo
Fim das sardas no verão
::: 09/11/2002

O verão é ótimo, mas deixa marcas. As loiras e as ruivas sabem muito bem disso: um pouco mais de sol e as sardas já aparecem. O jeito é aprender como preveni-las ou, se for tarde demais, como tratá-las. Quem tem pele clarinha e abusa do sol conhece o drama: depois de algumas semanas na praia, o rosto, as costas, o colo e os ombros ficam pipocados de manchas pequenas e arredondadas, que variam do marrom-claro ao mais escuro. São as chamadas sardas de verão. A culpa é do sol em excesso, que estimula os melanócitos e estes, por sua vez, produzem mais melanina que o normal numa tentativa de se proteger.

As células da pele que produzem pigmento, os melanócitos são mais estimulados pelo sol, e provavelmente as sardas irão aumentar. Além do sol, outros fatores como hereditariedade, pele clara ou ruiva, cosméticos contendo substâncias fotossensibilizantes e alterações hormonais também são fatores desencadeantes.

Um pouquinho de sarda é até charmoso, mas quando ela é demais, confere à pele um aspecto envelhecido. Os melhores tratamentos de sarda são:

  • Cremes: São tratamentos mais leves, não removem as sardas profundas, mas clareiam as superficiais. Como são produtos menos concentrados, têm menos efeito colateral, mas o resultado também é mais lento e menor. As substancias mais usadas são a base de ácido kójico, acido azelaico, ácido fítico, ácido glicólico, vitamina C e Hidroquinona. Esta última é a mais eficaz, mas muitas pessoas são alérgicas a ela. Aliás, em todo tratamento clareador deve-se evitar deixar a pele ficar muito vermelha e irritada, pois pode depois neste local haver uma piora da mancha (hipercromia pós inflamatória).

    Muito badalado no momento é um medicamento importado chamado Amelan, que é uma formula usando todos os ácidos acima em baixa concentração e mais a alfaquimiotripsina (enzima que potencializa a ação dos outros despigmentantes). Além de atuar nas manchas, nota-se também um rejuvenescimento da pele. É um tratamento caro (só o produto para uso em casa fica em torno de 500 reais e dura 3 meses) + peelings de amelan forte de 4/4 meses( em torno de 300 reais cada).

  • Nitrogênio Líquido: Usado nas sardas maiores. É um líquido a menos 196 graus. Onde é aplicado forma uma bolhinha e no teto da bolha sai a sarda. Como provoca uma queimadura ao frio, pode deixar uma mancha escura residual, que pode durar de 3-6 meses, antes do paciente ver que realmente a sarda melhorou. Custa 150 a sessão. O número de sessões varia com a quantidade de sarda. Face e mãos respondem bem. Dorso e perna deixam muita hipercromia residual.

  • Peelings: Usamos ácidos em alta concentração para descamar a pele, e assim remover um pouco do pigmento das sardas mais profundas. Os peelings mais usados são com ácido tricloroacético , glicólico e retinóico. O número de sessões depende de cada tipo de pele, e devem ser feitos com intervalos mensais.. As morenas requerem peelings mais leves para evitar a hipercromia pós inflamatória. Custam em média 150 reais a sessão.

  • Lasers: Os lasers agem seletivamente nas células mais escuras, conferem maior uniformidade na aplicação , as cascas pós aplicação são menores e o paciente tem menos hipercromia pós inflamatória. Os mais usados são o Alexandrita e o Rubi para manchas mais profundas e o Nd-Yag para manchas mais superficiais. O preço da sessão na face é de 200 reais. Face e mãos fica em 250 reais. Deve-se tomar cuidado em pacientes de pele escura ou raça amarela, que podem hiperpigmentar temporariamente.

    As sardas da face, mão e colo saem mais facilmente. As do dorso e pernas são mais difíceis e o melhor tratamento é com laser especifico para pigmento, como o Rubi ou Alexandrita.

    O mais importante é usar filtro solar potente (FPS acima de 30), que protege não só do Ultravioleta tipo B, mas principalmente do tipo A (é o mais responsável pela mancha escura). Lembrar que filtro solar deve ser usado em camada grossa, e reaplicado a cada 3 horas ou sempre que a pessoa entrar dentro d’água. O uso de roupas de mangas compridas, tecidos escuros e chapéu de abas largas é fundamental.. Se vocês fizerem o tratamento correto mas continuarem tomando sol sem proteção, as sardas voltarão, pois não conseguimos competir com o código genético de cada um que é de dar sardas quando se expor ao sol! Um conselho para vocês leitores: O sol é a maior fonte de energia do universo, precisamos dele até para nos sentirmos mais vitalizados. Se soubermos nos proteger adequadamente, poderemos continuar usufruir deste bem maravilhosos e gratuito sempre!

    Sucesso para vocês neste verão!


    Cristina Mansur
    é dermatologista, professora e chefe
    da disciplina de Cosmiatria do Serviço
    de Pós-Graduaçao em Dermatologia da UFJF.
    Saiba mais clicando aqui.

    Sobre quais temas (da área de dermatologia) você quer ler novos artigos nesta seção? A médica Cristina Mansur aguarda suas sugestões no e-mail mansur@jfservice.com.br

    Conteúdo Recomendado

  • Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.