Artigo
Vitiligo - novas esperanças
::: 08/04/2003

O Vitiligo é aquela doença em que o paciente vai ficando com manchas brancas que o preocupam tanto. Não ataca nenhum órgão interno, só tem repercussão estética mas justamente por isso é tão temida.

Sua característica é ser uma mancha bem branca, totalmnte sem pigmento, com as bordas bem definidas e, às vezes, até mais escura. Geralmente começa em áreas de trauma, como mãos, pés, joelhos e cotovelos, lugares onde o cinto, a calcinha apertam, mas é também comum ao redor dos lábios e olhos. Pequenos arranhões, roupas apertadas e pequenos ferimentos podem funcionar como fator desencadeante ao aparecimento das manchas (Fenômeno de Koebner). Um pouco de sol ajuda os medicamentos a repigmentarem a pele, mas em excesso pode ser prejudicial em quem já tem a predisposição à doença.

Pode ser confundido com micose, alergia ao sol, mancha branca de nascença ou manchas brancas que aparecem em crianças alérgicas e que não tem nenhuma relação com Vitiligo, por isso é fundamental ir ao especialista.

Causa: É autoimune, que significa o próprio organismo destruindo os próprios melanócitos (células que dão cor à nossa pele). Tem algum fundo familiar e comumente pode ser desencadeada por stress. Em crianças, por exemplo, pode aparecer após separaçao dos pais, mudanças bruscas de vida, perda de algum ente querido. Eventualmente pode estar associado a diabetes, doenças da tireóide, anemia perniciosa e alopécia areata. Não há evidências de relação com algum tipo de alimento ou se alguma dieta influenciaria a melhora.

Tratamento: Tem evoluido muito. Os antigos incluiam o Viticromim, a Meladinina e a Melagenina(aquele remédio vindo de Cuba), que junto com a radiação ultravioleta ou infravermelha estimula os melanócitos a produzirem pigmento. Em geral 1/3 dos pacientes melhoram 70%. Certos tipos de laser como o Excimer ou Dye Laser podem ajudar em vitiligos pequenos e localizados.

Casos em que a progressão é muito rápida, deve-se usar corticóide sistêmico. A grande novidade é o aparecimentos de medicamentos que atuam, especificamente, na autoimunidade, como o pimecrolimus (Elidel), que foi lançado recente no Brasil e o Protopic (pimecrolimus), que breve chegará às farmácias.

Outra novidade que começa a se tornar realidade são os implantes destes melanócitos. Colhe-se um pedacinho minúsculo de pele do próprio paciente e através de biotecnologia eles são reproduzidos em grandes escala e enxertados na pele com vitiligo, sempre que for necessário. Sugiro que consultem o site desta firma: MelanoSeed (melanocyte transplant) http://www.biotissue-tec.com

A evolução é imprevisível
Crianças em geral respondem muito bem ao tratamento. Lesões em face respondem maravilhosamente, principalmente com o Elidel ou Protopic, lesões de membros e tronco respondem regularmente, enquanto os dedos, genitália e mamilo respondem pobremente. Familiares e portadores de vitiligo , a medicina tem pesquisado muito esta doença que afeta 3% da população, e sempre vem chegando técnicas mais eficazes!


Cristina Mansur
é dermatologista, professora e chefe
da disciplina de Cosmiatria do Serviço
de Pós-Graduaçao em Dermatologia da UFJF.
Saiba mais clicando aqui.

Sobre quais temas (da área de dermatologia) você quer ler novos artigos nesta seção? A médica Cristina Mansur aguarda suas sugestões no e-mail mansur@jfservice.com.br

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.