• Assinantes
  • Autenticação
  • Saúde
    Obesidade infantil
    Pais e mães devem ficar atentos à alimentação dos filhos.
    Papel da escola é fundamental para evitar a obesidade


    Sílvia Zoche
    15/10/2004

    A médica nutróloga, Alice Amaral, fala sobre a influência da família e da escola na alimentação das crianças

    Ouça!

    Foto site:
http://www.midiativa.tv/var/storage/original/image/phpWcxP7q.jpg

    A obesidade já é considerada uma epidemia pela Organização Mundial de Saúde e, como doença, deve ser tratada. É o que diz a médica nutróloga Alice Amaral.

    A obesidade infantil é uma realidade que pode provocar diversos problemas de saúde. A recomendação dos médicos é que a criança obesa deve ser submetida a uma completa e minunciosa análise e a um exame físico.

    A médica nutróloga Alice Amaral alerta para a importância da presença dos responsáveis pela criança durante os exames e tratamentos.
    "A responsabilidade pela boa alimentação não é só do médico. Compete aos pais dar o exemplo de uma boa alimentação", diz.

    Isso depende de uma conscientização geral da sociedade como diz a médica. Por isso, as estatísticas da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que, se os pais dessas crianças e adolescentes não mudarem agora os hábitos de vida dos filhos, mais de 70% deles farão parte de uma geração de gordos, vítimas em potencial de doenças como a diabetes e cardiopatias.

    Prevenção é o caminho
    A prevenção da obesidade deve começar no útero da mãe, que deve ter uma alimentação balanceada para não prejudicar a saúde de nenhum dos dois. Nos seis primeiros meses de vida, a médica diz que a criança precisa somente do leite materno. "Do ponto de vista nutricional, o bebê não precisa de mais nada". A partir dos seis meses, o bebê pode ser alimentado também com papinhas, frutas e continuar mamando no peito. "O leite materno é importante na prevenção da obesidade", completa a médica.

    Os cuidados na alimentação devem continuar durante o crescimento da criança. Para tanto, é importante que a família se alimente bem. "A criança vai comer o que os pais comerem. Não adianta falar que a comida gordurosa faz mal se o pai e a mãe comem. É a mesma coisa que um pai fumante falar com o filho que o cigarro faz mal e que ele não deve fumar. A criança segue exemplos", diz.

    Na escola é importante enfatizar a hora do recreio. "A função da escola é educar, inclusive durante o recreio. As cantinas devem oferecer opções saudáveis, o que é muito raro. A criança acaba comendo salgadinhos industrializados, frituras e tomando refrigerante. Antigamente, a criança levava pão com queijo, café com leite ou suco em sua merendeira. Hoje, a alimentação é mais calórica".

    Clique aqui e leia o artigo sobre o lanche na escola

    Alimentação e auto-estima
    Foto site: http://www.abeso.org.br/revista/revista13/obes_infantil.php E como explicar para a criança obesa que os amiguinhos comem chocolate, biscoitos recheados, salgadinhos fritos, tomam refrigerante e ele não deve acompanhar estes hábitos? Para a médica Alice Amaral, a criança entende mais fácil que o próprio adulto. "É claro que incialmente é difícil. Ela acha que se levar uma fruta para escola vai estar 'pagando mico'. Mas com o tempo ele percebe que a vida dela melhora e, mais uma vez, é importante a participação da escola neste processo".

    A médica lembra que os avós precisam se conscientizar também. "Eles são do tempo em que bebê gordinho é que era saudável. Hoje a gente sabe que não é mais assim. E costumam ficar indignados quando a mãe proíbe que a criança coma biscoitos recheados e chocolates o tempo inteiro".

    A mudança de hábitos é necessária, porque, em alguns casos, a auto-estima da criança obesa pode ser afetada. "Os amiguinhos não têm 'papa na língua' e chamam o coleguinha por diversos apelidos inconvenientes", lembra a médica. A criança se afasta do grupo e fica, cada vez mais, dentro de casa na frente da televisão e do computador.

    Outro dado que deve estar aliado à alimentação é a prática de esportes. "Na escola, a aula de educação física não é suficiente para a criança gastar o tanto de calorias que ingeriu. Antes, as crianças ficavam brincando de queimada, esconde-esconde a tarde inteira e tinham uma alimentação saudável com frutas, verduras e legumes e tomava suco. Refrigerante só em dia de festa. Por isso, é importante a conscientização e prevenção, mas isso demora um pouco", ressalta Alice Amaral.

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.