Não deixe o samba morrer... Show reuniu cantores, compositores, instrumentistas
e alegrou o público juizforano


Priscila Magalhães
Repórter
23/04/2008

Percussão, cavaquinho, pandeiro, saxofone e violão fizeram o som do Projeto Central do Samba e colocaram o público para sambar. No palco, subiram jovens cantores da música juizforana e tradicionais compositores e instrumentistas da cidade.

As composições de grandes mestres do samba, como Cartola, Noel Rosa e Paulinho da Viola, dividiram o palco com a música dos juizforanos Geraldo Pereira e Ernani Ciuffo.

O encontro de gerações deu vida às composições. O projeto reuniu, em um mesmo palco, os representantes da nova geração do samba e os consagrados convidados especiais Joãozinho da Percussão e Mamão. O primeiro atuou com Chico Buarque, Jorge Ben Jor e Tim Maia. Participaram Roger Resende, Nanda Cavalcante, Thiago Miranda, Giuliana Giudice, Lívia Lucas e Dudu Costa.

O projeto foi pensado com o objetivo de resgatar as raízes a cultura. "Essa rapaziada jovem tem a cultura do samba", diz o sambista Mamão, um dos fundadores do Bloco do Beco (leia matéria) e compositor de mais de 200 sambas. Alguns deles foram eternizados por Clara Nunes e Alcione.

Foto do Show Foto do Show Foto do Show

Mamão está no samba desde os 11 anos de idade. A paixão veio quando desfilou pela primeira vez na Escola de Samba Feliz Lembrança. Depois disso, não saiu mais do samba. A primeira composição de Mamão é "Água deu, água levou", na década de 1960. Hoje, com 70 anos, diz que o segredo para não deixar o samba morrer é aprender com os jovens. "Essa mistura é boa e aprendemos muito com eles".

Quanto a participar do projeto Central do Samba, ele confessa que teve um pouco de medo. "Os jovens é que não sentem isso, mas estou tranqüilo agora, porque foi um sucesso". Nos momentos em que alia trabalho e prazer, Mamão ouve Ari Barroso, Cartola e Paulinho da Viola, de quem é fã.

Foto do Show Foto do Show Foto do Show

Para Mamão, a diferença entre fazer samba atualmente e quando ele começou é a tecnologia. "Hoje há equipamentos modernos", diz, relembrando os velhos tempos. "Antigamente era tudo acústico. Já vi Orlando Silva cantando nesse mesmo palco, do Cine-Theatro Central, sem microfone".

Sobre a reunião dos músicos para tocar o samba, Mamão diz que isso deveria se repetir mais vezes. "Eu achei maravilhoso participar com eles. Primeiro, porque o local é divino. Gostaria que as reuniões em torno do samba acontecessem mais vezes, na cidade".

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.