• Assinantes
  • Autenticação
  • Cultura

    Akikalô prepara novidades para 2009 Há três anos percorrendo os palcos de Juiz de Fora e região, a banda quer conquistar outros estados

    Priscila Magalhães
    Repórter
    05/12/2008

    A banda Akikalô surgiu da persistência do percussionista Guigui, do vocalista Dudu e do baterista Felipão, parceiros na música há cerca de dez anos.

    O vocalista não sabe explicar o que significa o nome Akikalô, mas sabe que ele foi aprovado pelo público. Aliás, o nome foi escolhido pelas próprias pessoas que acompanhavam a antiga banda da qual os três eram sócios. Era uma banda de pagode, que esteve nas paradas da cidade por cerca de sete anos. "O Guigui bolou esse nome. Nós fizemos uma enquete com o nosso público e as pessoas aprovaram", conta Dudu.

    A mudança de estilo veio quando as micaretas começaram a se tornar freqüentes nas cidades da Zona da Mata. "O Felipão sempre quis que nós tocássemos axé, porque ele viajava muito para o Espírito Santo, onde há essa cultura de trio elétrico. Até então, achávamos que não era o momento", lembra o vocalista, garantindo que a opção pelo ritmo baiano também se deu por prazer. "Quando tocávamos pagode, sempre dedicávamos uma parte dos shows ao axé."

    Apesar disso, Dudu confessa que não era micareteiro. "Antes do axé, nunca tinha ido a um carnaval fora de época." Hoje, não consegue ficar sem a energia do público. Para ele, o melhor de tocar axé é a euforia de quem assiste ao show. "O público é o principal em um show. E, para nós, o melhor é o desafio de agitar o pessoal e é gratificante ver que eles estão aproveitando."

    Foto do vocalista Dudu Ele lembra como se fosse ontem a primeira vez em que subiu no trio elétrico. Foi em 2006, em Visconde do Rio Branco. Para ele, o trio é contagiante. "A energia é outra. É uma coisa que contagia só de subir." Mas também é um desafio. "Temos que animar as pessoas e fazer com que elas vão atrás do trio. Se elas não gostarem do show, vão ficar paradas, tomando uma cerveja."

    O repertório é escolhido com muito carinho, e o que vem à cabeça é a diversão do público. Por isso, os grandes nomes da Bahia não podem faltar. Para oferecer sempre uma novidade ao público, os integrantes sempre estão antenados às novidades. "Ouvimos os CDs, DVDs e baixamos coisas na internet para ver o que estão tocando e o que podemos tocar também. Quando tem algo novo na rádio, corremos para ensaiar." Além disso, eles estão atentos às músicas de outros ritmos que o público também gosta, e, se ficar bom, fazem a adaptação.

    Quem agradece é o público, que já reconhece o trabalho da banda e sente falta dos shows. Dudu conta que quando a Akikalô fica de fora de um evento, as pessoas perguntam o motivo e dizem que a banda deveria ter sido contratada. "É muito bom ouvir isso", comenta. Mas, ele explica que não é interessante participar de todas as festas da cidade. É uma forma de evitar que a imagem fique saturada. "Por isso, optamos por ficar alguns meses sem tocar em Juiz de Fora."

    Os integrantes

    Foto de show A Akikalô é composta por nove integrantes

    • Dudu (vocal)
    • Guigui (percussão)
    • Felipão (bateria)
    • Atitude (percussão)
    • Luiz (sax)
    • Julio Cesar (trompete)
    • Rafael (guitarra)
    • Marcelo (baixo)
    • Ronald (teclado)
    Akikalô quer conquistar outras cidades

    Entre os planos da banda está trabalhar duro para conquistar públicos em outras regiões de Minas. A intenção também é continuar ampliando o trabalho para outros estados. Em 2008, a Akikalô deu um passo importante para isso, pois fez shows em cidades do Rio de Janeiro. "O público do Rio é muito bom, assim como o de Juiz de Fora."

    Para 2009, também há o projeto de gravar mais um DVD. O primeiro foi em 2007, mas não houve comercialização. "É um material de divulgação e distribuímos para algumas pessoas gratuitamente", explica. Agora, a intenção é produzir um trabalho para o público. "Muita coisa mudou de 2007 para cá. Mudamos a postura no palco, o repertório e temos mais profissionalismo", conta.

    Foto de show Foto de show

    No ano que vem, eles também querem tentar o apoio da Lei Murilo Mendes de Incentivo â Cultura para gravar um CD de músicas autorais. "Hoje, já temos músicas para gravar um CD com dez ou 12 músicas", comenta o vocalista, e também o compositor da banda. Quando compõe, Dudu se inspira no próprio público. "Faço música para eles e não para mim. Elas falam de beijo na boca, de bebida, de tudo que vemos nos shows." As situações cotidianas também viram música. "Histórias engraçadas de alguém e também histórias de amor. Sempre tem alguém que se identifica com as canções", completa.

    Agora, a Akikalô se prepara para trabalhar bastante, já que estamos na época em que há maior número de contratações. Normalmente, a média é de seis shows por mês. "De dezembro a fevereiro é muito bom para o axé. Fazemos até dez shows todo mês", explica ele, orgulhoso do trabalho. E completa, dizendo que a dedicação e o gosto pela música foram essenciais para o sucesso da banda.

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.