• Assinantes
  • Autenticação
  • Cultura gif do xiis para linkar para as fotos

    Campanha de Popularização do Teatro Apresentações a preços populares para
    quem quer consumir cultura



    Fernanda Leonel
    Réporter
    19/01/2006

    foto da peça os Idiotas Um grande palco. Essa é a definição de Juiz de Fora para os próximos dias. Artistas, produtores, diretores e amantes da arte de representar. Todos reunidos no evento que já alcança sua quinta edição e que, definitivamente, faz parte do calendário oficial da cultura juizforana: A Campanha de Popularização do Teatro e da Dança.

    A reunião de apresentações de peças a preços populares acontence entre os dias 18 de janeiro e 19 de fevereiro, em vários teatros da cidade. Para a apresentação dos espetáculos, devem ser ocupados principalmente o Centro Cultural Bernardo Mascarenhas, Teatro da Academia, Sesc, Pró - Música, Cine-Theatro Central. (Clique aqui e conheça os teatros)

    Na programação, 24 espetáculos com classificação para o público jovem, adulto e infantil. Todos eles, já apresentados em outros anos (principalmente durante 2005) que retornam agora com o objetivo de levar as artes do teatro e da dança a outras camadas da população, através de um preço mais acessível.

    Mas, atenção: as apresentações possuem o preço padrão de R$ 4, porém é necessário que se adquira o ingresso antecipadamente no estande montado no Parque Halfeld. Nas bilheterias, o preço é de R$ 12, sendo possível a utilização da carteirinha de estudante para reduzir a entrada à metade.

    Novidades

    foto de grupo de dança Algumas novidades estão sendo incorporadas à quinta edição do evento. Os espetáculos de dança voltam à programação, depois de não participarem da campanha de 2005, que foi mais curta e por esse motivo acabou por não possibilitar o encontro das duas artes.

    No ano passado, em virtude do carnaval estar agendando para as primeiras semanas do mês de fevereiro e da campanha sempre acontecer nos primeiros meses do ano, o evento acabou reduzido em três semanas, duas a menos que a edição de 2006 que é a mais extensa, desde o início das apresentações.

    Outra novidade está no lançamento do Prêmio APAC/JF de Teatro e Dança, para premiações das diversas categorias partipantes. Um juri escolhido pela associação, vai escolher o Melhor Espetáculo Adulto; Melhor Espetáculo Infantil; Melhor Espetáculo de Dança; Melhor Ator; Melhor Atriz; Melhor Direção; Atriz e Ator Revelação e o Destaque da Campanha, seja ele no Teatro ou na Dança.

    Segundo o presidente da Associação dos Produtores de Artes Cênicas (APAC), Guy Schimidt (foto), a idéia não é criar um clima de competição e, sim, premiar e valorizar nomes que se destacam ao longo das apresentações. Ele acrescenta que o prêmio não está veiculado à campanha, mas à Associação, portanto serve como mero incentivador dos trabalhos.

    Através do site da APAC, o público também vai poder votar no melhor espetáculo, entre os dias 20 e 26 de fevereiro para decidir em júri popular quem leva o troféu de "melhor da temporada" para casa.

    A Campanha vai contar ainda com a interpretação simultânea de seis espetáculos para a linguagem dos surdos, desenvolvida pelo Centro de Educação e Cultura para o Ensino de Libras, o pioneiro na cidade e um dos primeiros a realizar esse tipo de atividade no Brasil. O projeto de tradução simultânea, desenvolvido pela fonoaudióloga Fernanda Schimidt, vai permitir que um público ainda não cativo de platéias de teatro possa conhecer o trabalho dos artistas locais.

    O começo de tudo!

    foto de Rômulo Tudo começou com a idéia do Sindicato de Produtores de Artes Cênicas de Minas Gerais (Sinparc) em trazer a campanha que já era desenvolvida em Belo Horizonte para Juiz de Fora. Segundo o presidente do sindicato, Rômulo Azevedo (foto), Juiz de Fora "possui um potencial artístico muito grande que não estava sendo bem divulgado".

    O Sinparc, então, veio até à cidade, conheceu os teatros, produtores, diretores, pessoas ligadas às artes e deixou um desafio: para que a Campanha de Popularização fosse executada em Juiz de Fora seria necessário que a classe artística se organizasse e fundasse uma associação.

    A proposta tomou forma e a APAC foi criada. Depois disso, a mobilização de pessoas para transformar o sonho do conglomerado de artistas e peças foi tarefa fácil. Como explica o presidente da APAC, todos trabalham com um senso de união muito forte, trabalhando sempre pelo melhor do seu grupo, do grupo dos outros e da Associação.

    foto de peça da Campanha de Popularização
 do Teatro e da Dança Hoje, cinco anos depois, os dois presidentes classificam como mais que positivo o resultado da parceria. A APAC orgulha-se de ser uma associação que congrega a classe artística de forma organizada para sempre conseguir melhorias nas condições de trabalho, e o Sinparc acredita que a Campanha instalada na cidade trouxe mais consciência pra o público além de dar ao teatro uma posição de destaque no cenário cultural regional.

    "Desde o início do trabalho conjunto APAC/ Sinparc, conseguimos abaixar os preços dos aluguéis dos teatros, por exemplo, que eram e ainda continuam muito caros comparados com outras cidades", afirma Rômulo Azevedo.

    Valorização da Arte

    foto de Marcos Marinho Consumir cultura em Juiz de Fora e no Brasil não é acessível à grande parte da população. Livros, entradas em teatro, cinema e museus em geral nem sempre cabem no orçamento de uma família.

    Para o diretor e produtor de peças em Juiz de Fora, Marcos Marinho (foto) a grandeza da Campanha de Popularização do Teatro está exatamente na possibilidade de se permitir que essa arte esteja acessível a todos. Ele acredita que muita gente que passa o ano todo sem assistir à uma peça, aproveita essa época do ano para ir ao teatro.

    "A própria situação de evento criada na Campanha leva as pessoas à paixão pelas artes cênicas. A aglomeração de várias partes da cultura em um evento só, faz com que a pessoa muitas vezes não consuma um só espetáculo", destaca o diretor.

    foto de Cibele A atriz do grupo de teatro juizforano Putz, muito premiado em festivais nacionais em 2005, Cibele Lopes (foto), concorda com Marinho. Ela acredita que a Campanha de Popularização do Teatro oferece peças de grande qualidade, a preços totalemente compatíveis com a realidade econômica da maioria da população.

    Destacando a qualidade das produções artísticas apresentadas, a atriz classifica como impecável a produção do evento desenvolvida pela APAC e pela FUNALFA. "Acho que a campanha pode aguçar a mentalidade cultural do juizforano que ainda não é muito consolidada, principalmente quando o assunto é cultura para teatro", destaca.

    Mas parece que o juizforano está começando a entender, porque mais de 500 ingressos estão sendo vendidos por dia. Que rendam os frutos da idéia de propagação da arte, afinal cultura é bom e todo mundo gosta!

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.