• Assinantes
  • Autenticação
  • Cultura gif do xiis para linkar para as fotos

    Moska Ex-Paulinho, volta a Juiz de Fora e apresenta show acústico

    Moska e banda Um músico mutante e inovador. Seja na cor do cabelo que apresenta para o público naquele mês ou na sonoridade que fidelizou seus fãs, Moska é reconhecido por ser um cantor de várias facetas e que sempre brinda o público com algo novo.

    Encarando a música como um meio de reflexão e expressão social, o cantor pode ser considerado um artista de destaque na nova safra da música popular brasileira. Suas canções apresentam instrumentos diferentes, ritmos e sons que surpreendem, e muitas vezes, expressam a vida do jeito que se apresenta para ele.

    Assim foi com Tudo novo. De novo, o mais recente disco do cantor e que foi apresentado ao público em Juiz de Fora. O nome do último álbum marca, segundo ele, uma nova fase na sua vida, não só profissional, mas principalmente pessoal.

    Moska vem de um disco pesado e classificado pela crítica como frio (Eu falso da minha vida o que quiser - 2001) para o elogiado e criativo "Tudo de novo". E as explicações para as diferenças de temperamento na hora da composição, são explicadas pelo reflexo da vida pessoal do artista.

    O disco de 2001 refletia um momento que Moska acabava de se separar da mulher. Agora, superados os traumas, ele apresenta seu novo trabalho, avisando que é "uma metáfora para a vida de todos nós, pois fala da transformação da dor para o amor".

    Parece mesmo que Moska gosta de casar sua vida pessoal com a profissão escolhida. Na sua avaliação pessoal sobre a sua carreira até os dias de hoje, ele deixa claro que se sente um artista em formação, que está sempre experimentado:

    "Gosto de pensar na obra como um todo, como a vida. Então eu quero que minha obra seja a minha vida e quero que minha vida seja um exercício de diferenças. Procuro ir encadeando um disco no outro como se eles me revelassem a biografia das minhas sensações".

    Moska E nessa crença de fazer música que acredita, o cantor e compositor vai traçando o seu destino. Moska não é um músico de grandes números no que diz respeito a gravadoras, mas está entre os artistas que mais faz participações em discos de outros artistas e é um dos nomes mais procurados para composição.

    Questionado sobre isso, ele mais uma vez define as causas de tudo que acontece na sua carreira e diz que está ciente que a sua escolha artística baseada na diferença, faz dele um cantor de "digestão lenta" pelo público.

    "Sou um péssimo vendedor de CDs", admite o cantor, falando honestamente das vendas modestas (para os padrões da indústria) de seus trabalhos. "A gravadora até acha que eu merecia vender mais". Moska diz que não sofre com pressão artística de forma alguma. Que senta e até escuta as diretrizes que a gravadora tem para ele, o que não quer dizer que ela vá aceitar nada.

    O cantor também se diz relaxado quanto a possíveis acusações de pretensão, ou mesmo à incompreensão dos ouvintes em relação aos seus novos rumos sonoros, sempre previstos em novos trabalhos.

    "Meu som pode ser ótimo para mim e talvez não ser para as outras pessoas. Ficar pensando em quem vai entender ou não, ou quando vão entender... é uma viagem de ego que eu nem vou estar aqui para testemunhar", afirma Moska.

    Moska em Juiz de Fora
    Moska Moska Moska

    O show em Juiz de Fora durou pouco, menos de uma hora e meia, mas parece ter sido o bastante para os muitos fãs que prestigiaram o evento. Moska se apresentou sozinho, só teve a companhia do instrumento que sempre gostou de tocar: o violão.

    O show acústico foi mais uma proposta do Parlatorium, local onde o show aconteceu no último fim de semana, do que propriamente uma turnê executada pelo artista. Paulinho diz que gosta de tocar de qualquer jeito, com ou sem banda, e que por isso não tem nenhum problema em tocar sozinho.

    Além das faixas do último CD, quase todas compostas por ele, Moska também apresentou músicas da década de 20 e 30, que segundo ele, fazem parte do seu repertório de músicas prediletas. Pixinguinha foi lembrado e o Parlatorium parou para dançar...valsa! No mais, ele também apresentou a música que ele acaba de compor para a filha de Elis Regina, Maria Rita e também mostrou em primeira mão, uma canção que tinha composto dias antes do show em Juiz de Fora. Parece que o público aprovou...

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.