• Assinantes
  • Autenticação
  • Cultura

    Leela Os fãs da banda carioca vão poder curtir de perto o sucesso dessa galera. Banda se apresenta sexta-feira em Juiz de Fora




    Fernanda Leonel
    Réporter
    23/08/2006

    Foto da banda Leela Underground, o som da banda Leela, que chega a Juiz de Fora na próxima sexta-feira, dia 25 de agosto, é bastante acessível. Esses meninos cariocas completam em 2006 cinco anos de estrada, já caíram de vez no gosto do público.

    Principalmente no gosto do público jovem e adolescente, diga-se de passagem. Depois do sucesso da banda com o hit “Te procuro”, que estourou na novela Malhação, essa moçada passou a embalar momentos de muita gente em todos os cantos do país.

    O disco que traz a música de trabalho do grupo, vendeu 25 mil cópias e emplacou alguns feitos: foi vencedor do Prêmio Revelação no VMB 2005 (Prêmio da MTV) e indicado ao Grammy Latino de "Melhor Álbum Rock Brasileiro".

    Bem humorada e muito simpática, Bianca, a cantora do grupo, atendeu o portal ACESSA.com. Confira a entrevista exclusiva:

    ACESSA.com: O que significa o nome Leela?
    Bianca: Leela significa brincadeira dos deuses, na filosofia hindu. Ele tem um significado bem bacana, porque é otimista, né? E também porque é um nome sonoro, curtinho e não deixa de ser um nome feminino. Eu gosto até de avisar e brincar que eu não sou a Leela. Quem conhece a banda não confunde, mas existe essa confusão sim.

    ACESSA.com: Como aconteceu o sucesso de "Te procuro", que faz parte da trilha da novela Malhação e o que vocês estão achando disso?
    Bianca: A banda começou em 2000 e a gente sempre, desde então sempre, esteve no circuito alternativo de shows. Em 2003 a gente assinou com o Rick Bonadio, e em 2004 conseguimos lançar o nosso primeiro disco. E enfim: a gravadora gostou e conseguiu o contato com a Malhação, que toca na novelinha. E a gente achou ótimo. Isso fez com que a banda Leela tenha sido conhecida no Brasil inteiro, já que a novela tem uma audiência ótima, é em um horário bom. É legal porque sai um disco, né? A música saiu em uma coletânea.

    Foto da banda Leela Foto da banda Leela

    ACESSA.com: Era um público que vocês queriam atingir, que pensavam em atingir. Esse público adolescente, que hoje, é grande parte do público da Leela?
    Bianca: A gente nunca fez música pensando em atingir adolescente, criança ou velho. A gente quer atingir quem gosta de música. Claro que os jovens ficam mais atentos ao rock, à atualidade, mas, por exemplo, é engraçado como muitas vezes o pai vai ao show com o filho, e curte mais ou até que ele. É interessante até para você ver como a música toca as pessoas de forma diferente. Mas é verdade. O nosso grande público são os adolescentes e jovens. Acho que isso também tem a ver com os lugares que a gente faz show

    ACESSA.com: Vocês já estiveram em Juiz de Fora. Tem algum definição para o público daqui na ponta da língua?
    Bianca: A galera é super animada, eu me lembro bem dos últimos shows que a gente fez. Aliás, eu tenho que dizer isso de toda a galera de Minas. O pessoal de Minas realmente gosta de rock. Sempre em várias cidades que a gente toca, seja em Juiz de Fora ou Ouro Preto, tem sempre uma galera muita fã de rock. O público sempre teve o maior carinho com a gente, todos os dois shows que a gente já fez na cidade foram ótimos, e a gente quer mesmo é empolgar a galera para que esse seja assim também.

    ACESSA.com: Que tipo de música não pode faltar para você, Bianca?
    Bianca: Eu costumo dizer que nós somos uma banda de guitarras. Desde o começo da banda, quando eu e o Rodrigo (Rodrigo é o guitarrista da banda, que é filho do Arnaldo Brandão, líder do Hanói-Hanói), que somos o núcleo da banda e que começamos a tocar juntos, a idéia sempre foi essa, de fazer da guitarra o principal da banda. A gente gosta de música alternativa, indie rock.

    ACESSA.com: Planos para o futuro: tem novo CD vindo por aí, quais os planos?
    Bianca: A gente tá termindo o próximo disco. Bem, na verdade a gente já fechou o repertório do próximo disco, a gente já está ensaiando. Inclusive no show que vai rolar em Juiz de Fora na sexta-feira, a gente já vai tocar músicas desse novo CD. Mas a gente não sabe ainda como é que vai ser. Ainda estamos dependendo de gravadora, ainda não fechamos cronograma, ainda não dá pra precisar datas e tudo mais.

    Bianca cantando em um de seus shows ACESSA.com: Você se classifica como uma Sex-symbol underground?
    Bianca: Na verdade eu acho que o tipo de música que a gente toca, o público adolescente, tudo colabora (risos). Eu sempre gostei de rock, e sempre tive muitos amigos homens. Eu gostava de ouvir música no pátio do colégio, eu sempre tive uma relação muito forte com a música e também com o rock, aliás tive um programa de rádio aos 16 anos. É engraçado que quando você começa a aparecer, acaba chamando a atenção.O público acha maneiro em ver uma mulher tocando, não existem muitas mulheres tocando. Mas isso é uma coisa que nunca foi...eu nunca dei bola pra isso, nunca foi objetivo, nada disso. Aliás, nem sei o que dizer. Quando você é uma banda independente, e todo mundo vai querer olhar para o palco para ver quem é aquela cantora bonitinha que está tocando. Não sei. Então acaba chamando atenção por um lado também. Mas isso não interefe em nada na nossa música, na nossa idéia da banda, no nosso show. Acho que isso depois que se conhece o trabalho da banda passa despercebido.

    ACESSA.com: Um recado para os internautas da ACESSA.com.
    Bianca: Queria dizer que eu estou super contente de estar voltando a Juiz de Fora, dizer que eu acho aí uma cidade super legal. Eu morei em Petrópolis durante muitos anos, então Juiz de Fora é uma cidade que eu sempre gostei. A gente ia pra Juiz de Fora almoçar, passear. Tenho que dizer que eu espero todo mundo pro show, que vai ser super divertido.

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.