• Assinantes
  • Autenticação
  • Cultura gif do xiis para linkar para as fotos

    George Israel Saxofonista do Kid Abelha soltou a voz em Juiz de Fora e apresentou seu novo CD da carreira solo


    Priscila Magalhães
    Repórter
    03/12/2007

    A carreira foi praticamente toda no Kid Abelha. Talvez, por isso, seja muito difícil separar a imagem de George Israel da imagem do grupo. Já são 24 anos de estrada, com treze álbuns gravados em estúdio, três ao vivo e dois DVDs também ao vivo. A parceria com Paula Toller na produção de letras e músicas fez da banda uma verdadeira "fábrica de hits".

    Em 2004, apoiado na vontade de colocar suas composições em um CD só seu, George Israel começa a encarar o desafio de escrever e cantar. Foi quando ele lançou o primeiro disco da carreira solo, "Quatro Estações".

    Três anos depois, George está divulgando mais um CD, "Distorções do Meu Jardim". Como no primeiro disco, neste novo trabalho, ele mostra canções compostas com grandes parceiros. Porém, agora ele está com o pé na estrada, o que não conseguiu fazer, por exemplo, com o "Quatro Estações".

    Descontraído, George Israel recebeu a equipe da ACESSA.com para uma entrevista. Ele contou seus gostos musicais, sua experiência no Kid Abelha, seus planos para a carreira solo, para os Britos e para o Kid e ainda como era fazer música nos anos 80.

    Confira a entrevista com George Israel:

    ACESSA.com - O saxofone não é um instrumento muito popular no Brasil. Como surgiu o interesse pelo instrumento? Foi no exterior?

    Foto de George Israel George Israel - Eu sempre gostei de ouvir músicas de estilos variados. Um primo meu tinha uma coleção incrível de discos de jazz, então desde pequeno eu ouvia música instrumental. Gosto muito da onda de música negra e das coisas com uma história de saxofone que rolavam no Brasil. Desde Pixinguinha tem uma seqüência de instrumentos de solo, de choro e tal. Eu tocava violão antes do sax e quando comecei em banda ninguém me escutava (risos).

    Um dia eu estava viajando para fora do país, quando conheci uma banda que fazia uma guitarra base e um dos músicos tocava sax. Eu fiquei encantado de ver aquele instrumento bonito, naquele estojo de veludo. Sempre fui interessado em aprender outros instrumentos e lá mesmo consegui um professor, que me deixou com o sax na mão logo na primeira aula. Quando voltei de viagem comprei um e como já tinha banda e amigos músicos saí tocando e aprendendo ao longo do caminho.

    ACESSA.com - Quem é seu ídolo na música?

    George Israel - Tenho um monte. Musicalmente, uma coisa muito forte foram os Beatles, que curto muito. Na música brasileira tem muita gente. Quem me fez a cabeça quando eu era mais novo foi Novos Baianos, Gil, Jorge Ben, Tim Maia, Caetano, Mutantes. Hoje em dia eu curto bastante a galera da minha geração que tem um trabalho legal, como os Paralamas, o Barão, o Skank. Essa volta da MPB também é muito interessante, porque as pessoas não ficam fazendo a mesma coisa, repetindo o que a gente já fez. O hip hop misturado com música brasileira também acho bacana.

    ACESSA.com - E como surgiu a idéia da carreira solo?

    Foto de george israel George Israel - O Kid vai fazer 25 anos e durante esse tempo todo eu sempre gostei muito de gravar, compor e de tocar com outras pessoas. Dentro do Kid o esquema de parceria já é muito desenhado. A Paula faz as letras e eu faço as músicas e tem muita coisa que eu produzi que acabava ficando na gaveta. Em 2004, depois do disco acústico do Kid eu senti que todo o nosso trabalho, turnês e discos tinha virado uma coisa muito sólida e isso deu uma certa aliviada na nossa batalha.

    Foi um momento de muita curtição, então depois desse acústico fiz meu disco solo. Eu quis botar minhas composições mais pessoais, minhas outras parcerias, como Arnaldo Antunes e Cazuza. Cantar e escrever também era um desafio muito grande. Com esse segundo CD eu estou conseguindo fazer o que não fiz no outro, que é montar uma banda e fazer uma turnê.

    ACESSA.com - Quem é seu grande parceiro na música?

    George Israel - Em termos de parceria de composição eu destacaria a Paula. Vai ser difícil ter uma parceira como ela; a gente já fez mais de 70 músicas juntos. Tem vários hits que todo mundo conhece, entãoé a parceira principal que tenho. Depois eu destacaria o Cazuza, que tem muitas coisas importantes e que também é difícil imaginar aparecer outra pessoa assim.

    Agora, eu tenho outros parceiros que a gente faz menos músicas. Tenho uma coisa com os Britos, Guto e Rodrigo, com quem eu componho não só para os Britos, mas para fora da banda também. Eu tenho feito algumas coisas com Arnaldo antunes e com a Suely Mesquita também. Eu adoro compor com outras pessoas, achoque é um exercício bem bacana de interação e é bem legal, porque você se junta e de repente as coisas acontecem de uma forma rápida. É muito bacana essa troca, essa complementação.

    ACESSA.com - Quais são os planos de George Israel?

    Foto de George Israel George Israel - Nesse disco é sair tocando, fazendo show. Eu quero fazer um trabalho um pouco mais profundo, de chegar nas cidades, dar entrevista para as pessoas me conhecerem melhor, ir nas rádios, sair fazendo show em tudo o que é lugar, porque eu adoro tocar e tô com uma banda muito maneira. Eu acho que quando a gente grava um disco, a gente se dedica pra caramba e tem que tirar proveito, não pode fazer outra coisa na seqüência.

    Fora isso, tem o disco dos Britos, que a gente tá em turnê eterna, fazendo coisas legais. A gente toca Beatles e alguma coisa nossa. Ano que vem espero fazer um disco muito bacana com o Kid, porque estamos comemorando 25 anos.

    ACESSA.com - Tem alguma música que você compôs que é a sua preferida?

    Foto de Tatau George Israel - Tem algumas. "Brasil" eu acho que é uma música mais importante. Ela teve uma importância maior que simplesmente uma canção. É com cazuza e com todo um momento que o país viveu na época em que a gente fez a música. tem umas que eu gosto muito, como "Nada Sei". Uma música que mostra a força da gente em 2002, no meio de um monte de hit da gente, de todos os tempos, ela se destacou.

    Tem uma música no meu primeiro disco que foi a primeira com letra e música minha e que gravei. "Por trás desses olhos verdes", uma música linda que eu tenho um carinho muito grande. "Grande Hotel" é uma música que fiz com a Paula, que realmente acho o resultado... Parece que não é mais tua. é uma coisa que você não lembra nem como compôs, tem uma historinha de harmonia e melodia muito legal.

    ACESSA.com - A sua carreira foi praticamente toda no Kid Abelha. De 2004 pra cá é que você começou a sair. O que ficou pra você em todos esses anos com o Kid?

    Foto de George Israel George Israel - Aprendi praticamente tudo. Exercícios de composição, a história de ter uma banda, de cuidar, de ter idéias, uma imagem, ter uma gravadora, aprender a lidar com a gravação de disco, que é uma coisa que gosto muito. Mas eu também acho que tem outras coisas que eu não tenho dentro do Kid e tô desenvolvendo agora, como escrever, estar na frente, falando. Isso tudo é um desafio de recomeço, que eu acho um barato. chegar na idade que eu tô e me sentir um cara de 20 anos, porque tô ralando. A carreira solo é uma coisa que tem que ter humildade e ao mesmo tempo ser guerreiro. Tem que ter uma ambição artística, de fazer uma coisa à altura.

    ACESSA.com - e ainda dá um friozinho na barriga?

    George Israel - Dá, dá. A gente vai até gostando de sentir isso, um desafio, sabe? Por mais que a gente se sinta confortável, se escondendo atrás de uma banda conhecida, com músicas conhecidas, essa coisa de se expor, de chegar e tocar uma coisa nova, mostrar um trabalho novo é uma necessidade, né?

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.