• Assinantes
  • Autenticação
  • Cultura

    Banda Rapazolla promete trazer carnaval a JF Após passar por algumas mudanças, Rapazolla chega com força total e promete muita animação no show que vai realizar em Juiz de Fora


    Priscila Magalhães
    Repórter
    10/09/2008

    A primeira visita do vocalista da banda Rapazolla, Leandro Lopes, a Juiz de Fora aconteceu há dois anos. Na época, subiu ao trio elétrico como convidado do vocalista da Banda Eva, Saulo Fernandes.

    Agora, ele retorna à cidade liderando o Rapazolla, visto, por ele mesmo, como uma banda de axé'n roll, pela influência do próprio vocalista, vindo do pop rock, e da percussão típica da Bahia.

    Em entrevista à ACESSA.com, Leandro fala sobre o relacionamento da banda após a saída de Tomate, os planos para 2009, sua preparação para estar à frente do Rapazolla e confessa que só virou fã do ritmo baiano depois que foi convidado para assumir os microfones.

    ACESSA.com - É a primeira vez em Juiz de Fora?

    Leandro Lopes - Não. Há dois anos, quando ainda nem sonhava em conhecer o Rapazolla, estive na cidade participando do JF Folia, como convidado da Banda Eva. Eu me lembro que foi muito bom. Gostei da animação da galera, mas não sabia que era tão bom liderar uma banda como eu estou liderando o Rapazolla agora.

    ACESSA.com - O que os juizforanos podem esperar do show de sábado? No repertório só músicas da banda ou vocês vão trazer outros artistas também?

    Leandro Lopes - O público pode esperar da gente um pedaço da Bahia, fechar o olho e imaginar que está no carnaval de Salvador que a gente faz o resto. Vamos tocar música de um monte de gente, do nosso repertório antigo e músicas novas. A galera pode esperar que vem festa, carnaval, micareta. Povo micareteiro, Rapazolla está na área!

    Foto Rapazolla ACESSA.com - E os planos do Rapazolla? Há algum CD sendo pensado?

    Leandro Lopes - Estamos com um CD promocional, que não está à venda. Distribuímos para a galera nos shows. Estamos tendo reuniões e conversando sobre a possibilidade de um novo trabalho para o ano que vem. Espero que depois do Carnaval tudo se acerte. Mas ainda não sabemos se vai ser CD ou DVD.

    ACESSA.com - Você venceu o Programa Ídolos em 2006 e gravou um disco solo. Essa conquista foi importante para que você fosse o escolhido para assumir o Rapazolla?

    Leandro Lopes - A minha exposição na mídia mostrou minha cara, meu jeito. Se eu não tivesse aparecido lá, não estaria no Rapazolla hoje.

    ACESSA.com - Você assumiu o Rapazolla há alguns meses. Antes disso, você já curtia a música da Bahia? Conhecia as músicas da banda?

    Leandro Lopes - Eu curtia, sim, a música da Bahia e conhecia algumas coisas, mas não era o fanático. Eu era do mundo do pop rock, então, não tinha muito contato com essa galera do axé. Eu curtia o trabalho da Banda Eva, do Luiz Caldas, da Ivete e de outras pessoas, mas fui me aprofundar mesmo depois que surgiu esse convite. Hoje eu sei a história da música e como tudo aconteceu. Antes eu não sabia. Minha irmã que me ensinou a gostar, porque ela é micareteira e me falava para escutar. E agora ela está em casa. Irmã do Rapazolla, já viu, né?

    ACESSA.com - Como é a relação entre os músicos do Rapazolla?

    Leandro Lopes - A banda continuou mesmo depois da saída do Tomate. Só dois ou três músicos não ficaram. Estamos muito unidos, com força para tentar subir mais do que a banda já estava antes. Temos muita harmonia, somos muito amigos e isso é fundamental para uma banda dar certo e crescer. Estamos de vento em popa, cada vez tocando mais e a rapaziada, a cada ano que passa, ficando mais experiente. E a tendência é crescer.

    ACESSA.com - Você é do Rio de Janeiro. Ainda morava lá? Como foi a mudança para Salvador?

    Leandro Lopes - Depois que venci o concurso, passei a morar em São Paulo. Mudar para Salvador foi como se eu tivesse voltado um pedacinho para o Rio de Janeiro, pois é uma cidade bem parecida com Salvador: o clima, as pessoas, praia. Não foi difícil me adaptar, pois já estava acostumado com calor, gente. Foi a melhor coisa que podia ter acontecido comigo até hoje. Estou no caminho certo!

    Foto Rapazolla ACESSA.com - Como foi a preparação para você assumir a banda? Houve dificuldade?

    Leandro Lopes - Durante quatro meses me preparei fazendo academia, gravando letras de música, pois ainda não conhecia todas elas. Mas não foi difícil, pois quando a gente entra gostando de fazer aquilo, nada é difícil. Foi massa!

    ACESSA.com - Você diz que não era muito fã do axé até receber a proposta para o Rapazolla. O que você ouve atualmente?

    Leandro Lopes - Eu ouço tanta coisa. Eu sou doentio pelos anos 80, apesar de não ter vivido intensamente aquela época, pois eu era criancinha, os anos 80 significam muito. Grande parte do meu aprendizado foi com músicas daquela época. Eu tenho ouvido muito Pearl Jam, como sempre, e outras coisas, que se for parar para contar vamos ficar um tempão.

    ACESSA.com - Depois que você entrou na banda, quais foram as principais mudanças que ocorreram no seu estilo de vida?

    Leandro Lopes - Esse estilo é o meu mesmo, não há como tirar de mim. Meu cabelo continua vermelho, só que agora está moicano. Eu larguei várias coisas que eu fazia antes, mas que agora não posso fazer. O cantor de axé não é só cantor. Na verdade, além de ter que cantar e lidar com o público, ele tem que ser um atleta, porque show de banda de rock é duas horas, no máximo e a gente está acostumado a tocar até oito horas em cima do trio elétrico. Tem que se preparar. Eu fiz academia, que nunca tinha feito na minha vida. Também parei de fumar. Eu tinha esse vício ridículo e agora larguei de vez. Me sinto outra pessoa. Estou mais maduro musicalmente também. Muita coisa mudou e tudo para melhor.

    ACESSA.com - Então, você está feliz com a banda.

    Leandro Lopes - O que me deixou mais feliz de ter entrado no Rapazolla foi a questão da bandeira branca que eles me deram. Eles disseram 'vai, meu irmão, coloca sua cara na banda, faça a sua parte e o que você sabe fazer'. Se a banda já era pop, agora está com um som pop e pesado, com a percussão baiana que todo mundo conhece. O Rapazolla, hoje em dia, eu considero um axé'n roll. É legal demais, a galera gosta. Dá para fazer balançar, fazer brincadeira.

    Veja quem são os músicos do Rapazolla
    • Leandro Lopes - Voz
    • Diego Freitas - Bateria
    • Rafinha, Rodrigo e Ariel - Percussão
    • Deco Prado - Guitarra
    • Ablue - Baixo
    • Iadson - Sax
    • Dinho - Trompete
    • Fabiano - Trombone
    • Nino Bessa - Teclados
    • Beto Santana - Back vocal e Guitarra

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.