Mulher
Na semelhança e na diferença
Aprendendo a lidar com as divergências de gostos e de opiniões

Ana Letícia Sales
26/07/02

Sexta-feira à noite. Você teve um dia estressante no trabalho e só quer saber de ver um vídeo e dormir. Seu parceiro se revolta: "ficar em casa em plena sexta-feira? Isso é um absurdo". Para ele, nada melhor do que um fim-de-semana acampado em uma cidade serrana. Para ela, nada se compara ao conforto de um hotel na praia. Entre casais estas pequenas diferenças sempre existem. Mas o que fazer quando as divergências de gostos e opiniões atrapalham a vida a dois? As diferenças entre homens e mulheres pode ser uma das causas de separações de casais.

Quando os namorados ainda estão se conhecendo, e o fogo da paixão impera, é difícil perceber algum defeito no parceiro. Mas quando o fogo abranda e a paixão vai cedendo espaço para o convívio cotidiano, aí sim a coisa muda de figura. Todos os defeitos e diferenças são notados, analisados e o pior: geralmente um quer mudar o outro.

A diferença que complementa

O bom relacionamento é uma arte onde é preciso aprender a conviver com essas diferenças. Elas podem ser até positivas quando as pessoas entendem que uma complementa a outra. As diferenças sempre incomodam. É preciso aprender a tolerar. O psicólogo Antenor Salzer Rodrigues explica que as diferenças são benéficas para um relacionamento. "As divergências de gostos e opiniões estão presentes em tudo na vida. É aprendendo a lidar com elas que as pessoas amadurecem", afirma.

Com mais de dois anos de relacionamento, Laura Dias Aguiar e Adnilson Ferreira Resende são um exemplo de como a harmonia é possível mesmo entre casais, visivelmente, desiguais. Laura explica que as diferenças já começam na parte física. "Ele mede 2,03m e eu 1,66m, mas é claro que na hora de namorar a gente nem percebe essa diferença", se diverte. Ela diz que a diferença cultural e sentimental entre os dois é maior, mas não intransponível. "Ele é caminhoneiro e eu jornalista. Mas nós lidamos muito bem com essas características opostas. Eu estou sempre viajando com ele e acabando virando caminhoneira também. E ele às vezes vira jornalista", afirma. Laura só não concorda com o jeito pouco romântico do parceiro. "Eu sou mais sonhadora e ele mais geladão. Então eu tento amolecer o coração dele e ele me dá um pouco da sobriedade que me falta", analisa. A distância entre os dois também é uma aliada no relacionamento. "A distância nos dá possibilidade de avaliar mais friamente as coisas. E a saudade ajuda. Quando a gente se encontra não dá tempo de ficar reparando as diferenças" afirma.

Suportar o outro

O psicólogo Antenor Salzer diz ainda que o maior problema é a impossibilidade de suportar diferanças. "Uma pessoa que não suporta divergências vai tentar mudar todos com quem ela se relaciona, desde o pai e a mãe, passando pelo marido (ou esposa), filhos e amigos", diz. Antenor afirma que qualquer relacionamento deste indivíduo será insuportável. "Ele será sempre taxado pelos amigos ou familiares de intolerante e intransigente", demonstra. O aspecto principal que deve ser observado em qualquer relacionamento é o respeito as diferenças, pois, de acordo com Antenor, sempre há a possibilidade de harmonia, mesmo quando as opiniões diferem, pois a eliminação destas é impossível.

Jacqueline Glauber e Pablo Navarro estão na fase em que tudo são flores, mas nem por isso as discordâncias passam despercebidas. Com um mês e meio de namoro Jacqueline conta que se sente um pouco insegura com o amado, já que é quatro anos mais velha que ele. "Eu sempre me pego pensando: tem tanta menininha mais nova para ele, será que é isso que ele quer? Ele quer mesmo ficar comigo?" Ela diz ainda que o relacionamento dos dois se parece muito com a música "Eduardo e Mônica", do grupo Legião Urbana. "Estamos vivendo fases muito diferentes em nossas vidas. Eu já estou formada há dois anos e ele está iniciando o curso de Engenharia. Já estou trabalhando, tenho uma certa independência e acredito que para os homens isso seja difícil de encarar", explia. Até o jeito de vestir também é um divisor de águas entre os dois. "O meu trabalho faz com que eu use roupas mais sociais e ele só usa roupas esportivas", afirma. Jacqueline explica que os dois se encontram praticamente todos os dias e, com isso, aprenderam a se conhecer mais profundamente. "Acho que isso ajuda a não ter surpresas desagradáveis ao longo do relacionamento", diz. Ela também explica que em todos os outros aspectos os dois combinam. "A começar pelo imenso respeito que ele tem por mim, o que eu admiro muito", explica.

Quando procurar ajuda
O psicólogo Antenor Salzer diz que a pessoa que não tolera as distinções entre suas vontades e a dos outros, sabe que precisa de ajuda. "Quando a pessoa tenta mudar tudo e todos ao seu redor ela sabe que tem um problema e geralmente ela procura ajuda", afirma. O ideal é realizar uma terapia individual, já que este aspecto é um traço característico do indivíduo e a transformação do seu ser virá de dentro para fora, com o tempo.

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.