Mulher

Discutindo a relação - o famoso DR Se algo não está certo, é preciso tentar o diálogo, benéfico para o relacionamento a dois. Mas por que será que os homens fogem tanto de conversas emocionais?

Fernanda Leonel
Repórter
10/02/2007

"Estamos precisando discutir a nossa relação". Para muita gente, essa frase chega a arrepiar do cabelo do braço ao dedinho do pé. Medo, insegurança do que vai ser dito, do que se pode descobrir sobre si mesmo, preguiça de travar batalhas quase intermináveis sobre algo que todo mundo já se habituou a dizer que é complicado: o relacionamento a dois. Tudo parece ser justificativa para o lendário "momento DR".

Nada de generalizações. Mas são as mulheres quem geralmente dão um empurrãozinho para essa conversa acontecer, e são eles quem mais adoram escapar. Tudo normal, como alivia a psicóloga Lúcia Bargiona Geara (foto abaixo).

"A mulher consegue entender como esse tipo de conversa pode ajudar no relacionamento. Os homens já são o contrário - fogem de diálogos emocionais. Se quiser falar sobre um filme, eles são capazes de não calarem a boca. Mas tudo que diz respeito a sentimento parece algo muito complicado aos olhos deles".

Como explica a psicóloga, quando se fala em sexos opostos que se complementam, é sempre bom ter em mente que homens e mulheres são diferentes, e que em algumas situações essa percepção fica ainda maior.

No caso de conversas que pretendam deixar claro algum ponto específico do dia-a-dia a dois, eles, por características de criação ou pela própria noção de atuação na sociedade, se portam de maneira oposta. "É preciso que a mulher tenha isso em mente antes de partir para a discussão do relacionamento. Senão a própria dificuldade de se discutir a relação vira assunto na discussão da relação", brinca Lúcia.

"Não querer falar sobre o assunto ou sobre pontos emocionais de um relacionamento não significa dizer que o parceiro é fraco, falso ou que não se importa com o que está acontecendo entre dois", reafirma. Para Lúcia, cabe a mulher que tem mais maturidade para falar de sentimento, conduzir a conversa, que é extremamente válida para renovação da relação.

"Eu daria uma dica: que a mulher sempre arrume um outro jeito de começar a conversar sem anunciar que vai fazer isso. Nada de frases como 'eu quero conversar' . Que tal um 'tenho que te dizer o que andei pensando?'. Parece bobo, mas faz toda diferença", afirma a psicóloga.

Outra indicação é que o casal não deixe acumular conversas, para depois sentar e deixar claro o que está incomodando. Se a mulher optar por isso, pode correr o risco de deixar o parceiro paralisado com tanta informação afetiva. "É melhor conversar sempre que algo estiver errado e com um tom calmo. Nada de chegar discutindo a relação com cobrança. Não vai funcionar", afirma.

Discutir a relação é importante

Para a psicóloga, não há dúvidas que conversar sobre o relacionamento é importante. Se um casal pensa em um futuro, é preciso que um aprenda a colocar suas opiniões para o outro. "Se a gente já precisa discutir é porque tem algo errado, é porque algo não está dando certo. Então, para ir pra frente, não tem como deixar pra lá," afirma.

"O ser humano tem mania de achar que o outro entendeu o que ele quer passar. Que é obrigação do outro entender. Não adianta, isso é coisa de cinema. Tem que sentar e deixar bem claro o que é importante e o que não é", complementa Lúcia, na defesa do momento DR.

Para ela, uma boa dica é perguntar para o parceiro; "o que você espera de mim?". Com isso claro, bem definido, fica mais fácil para o outro - que certamente está com você por algum motivo especial - saber como se portar, como agir para deixar o parceiro mais feliz.

Quer exemplos? Aprenda a passar a mensagem para o seu namorado, "ficante", marido ou dono de qualquer outra definição, que você gosta de quem te liga à noite, que gosta de quem é atencioso, que você morre de medo de ter alguém do lado que pega no pé ou que ache que pode tentar controlar a sua vida. "Isso já evita uma meia dúzia de momentos de discussão de relacionamento", brinca Lúcia.

Eis um bom ponto! A quantidade dos "momentos DR". É preciso não confundir a importância de se falar sobre o assunto com a sua insistência. Segundo os especialistas, se a discussão do relacionamento ganhar números semanais ou até mesmo diários, é porque alguma coisa não vai bem mesmo. E aí, antes de discutir o que está errado, vale a pensa pensar se dá tempo de salvar o que está acontecendo.

"Discutir uma relação é primordial. Quando a gente ama, quer aperfeiçoar o momento, quer fazer com que tudo fique cada vez melhor. Dentro dos limites, a função da DR é essa mesma: aperfeiçoar. Agora, se a conversa está mesmo difícil, se o diálogo não flui, é hora de tomar cuidado! Em um casamento, por exemplo, a sexualidade é muito importante, mas até na cama a gente conversa. É preciso escolher um parceiro que dialogue com a gente, porque é isso que um casal faz por mais tempo na vida", resume Lúcia.

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.