• Assinantes
  • Mulher

     

     

    Especial

     

    DIU e diafragma
    O diafragma não é um método de barreira confiável e precisa ser associado a um espermaticida. Já o DIU tem uma eficácia maior

    Sílvia Zoche
    Repórter
    30/07/2005

    Escute o que a ginecologista e sexóloga Cláudia Bueno fala sobre estes dois métodos de contracepção

    ouça! Participe!

    DIU (Dispositivo Intra Uterino) e diafragma. Você pode até ter ouvido falar, mas não sabe o que é, como se usa e se são bons métodos anticoncepcionais? Pois bem, ambos são métodos de barreira, porque evitam a gravidez impedindo a ascensão dos espermatozóides ao útero. São usados internamente: o diafragma fica no colo do útero, apoiado no osso púbico; o DIU fica dentro do útero, próximo ao endométrio, pode ter ou não alguma sustância eliminada no organismo feminino.

    Diafragma
    O diafragma (foto) é feito de borracha e é flexível. A primeira vez, quem coloca é o ginecologista, mas depois é a própria mulher quem vai encaixá-lo duas horas antes da relação sexual e retirá-lo seis horas depois. Este intervalo de tempo é importante.

    Só que é um método que necessita de outra barreira: o espermaticida, que deve ser passado na parte côncava do diafragma. A ginecologista e sexóloga, Cláudia Bueno, diz que não é tão seguro. "Não é um método muito confiável, necessita realmente do uso do espermaticida, que não é barato. Tudo bem que o diafragma dura dois, três anos, quando conservado. Mas como é uma borracha, ele pode furar e a mulher não perceber", diz. Para conservá-lo, a mulher deve, assim que retirar o diafragma, lavá-lo com sabão, secar e passar talco.

    O que contribui para o desuso do diafragma, é que a própria mulher deve colocá-lo e, por isso, é importante que ela conheça o próprio corpo, através de manipulação genitália. "Tem paciente que nunca se tocou e tem vergonha de fazer isso, porque é preciso colocar o dedo e sentir se encaixou perfeitamente".

    Outro detalhe: o diafragma não se compra em farmácia. A paciente deve pedir ao ginecologista que faça a encomenda, de acordo com o tamanho do colo do útero da paciente.

    DIU
    Existem dois tipos de DIU: o que possui o hormônio progesterona e o que é de cobre. O tamanho deles é único e a ação interfere no espessamento do muco cevical, inibe a proliferação endometrial e a mobilidade dos espermatozóides dentro do útero. Os dispositivos com hormônio agem no corpo feminino por cinco anos e os de cobre, por dez.

    Para a mulher que possui fluxo menstrual muito intenso e com problemas de endometriose não é recomendável usar o DIU de cobre, porque ele aumenta a contração do endométrio, resultando em maior atividade sangüínea e em cólicas. Já o DIU com progesterona faz a menstruação cessar, aos poucos.

    A ginecologista (foto ao lado) diz que recomenda o DIU de cobre a suas pacientes, porque o considera seguro e sem hormônio. Cláudia lembra, ainda, que é indicado somente para mulheres com parceiro fixo. "Quem não tem parceiro fixo corre mais riscos em contrair doenças sexualmente transmissíveis", alerta. E quem já possui algum tipo de DST não deve usá-lo, porque o DIU pode contribuir para a doença passar do útero para as trompas.

    O DIU é colocado no consultório pelo médico e a paciente nem precisa mexer mais nele. Se ela quiser tirar antes do tempo, é só pedir ao ginecologista. Para saber se continua bem localizado no útero, Cláudia pede, anualmente, uma ultrassonografia. "Eu peço, porque acho necessário". É indicado usar camisinha no primeiro mês, por precaução, porque um fluxo menstrual intenso pode mover o dispositivo.

    Normalmente, mulheres que já tiveram filhos usam este método, porque o útero é maior. Mas nada impede as mulheres que não engravidaram a usar o DIU. Isso fica a critério da paciente e do médico.

     

    No próximo mês, vamos falar sobre camisinha feminina e masculina. Aguarde!

     

     

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.