ACESSA.com

Busca:     


“Você me ajuda, que eu te ajudo”

Fausto Matto Grosso - Abril 2022
 


A revelação recente da existência de um esquema de pastores dentro do ministério da Educação expõe uma maneira de ser do bolsonarismo. Revela uma relação promíscua entre o governo e algumas igrejas e pastores evangélicos que acontece em várias outras áreas da administração. É preciso lembrar que tivemos outra manifestação desse problema no ministério da Saúde, com a ação de pastores lobistas que influenciavam a compra de vacinas pelo Governo. Parece que estamos diante de um grande escândalo que já tem sido chamado de bolsolão.

O lema do lobista, como já foi gravado no caso do Ministério da Educação, é “você me ajuda, que eu te ajudo”, ou seja, uma troca de favores à custa de verbas públicas, o que não é novidade no caso brasileiro. O governo ajuda os pastores, os pastores ajudam os prefeitos e estes devolvem votos e barras de ouro, que não se sabe onde irão parar.

Esse sistema é muito parecido com o da relação governo e deputados federais, através das famigeradas emendas parlamentares. Os parlamentares que ajudam o governo nas votações recebem verbas para levar às prefeituras que pretendem cooptar. Essa maneira clientelista de fazer política destrói a eficácia das políticas públicas e forma a base para a corrupção. No atual orçamento esse sistema de privatização do dinheiro público vem acobertado pela absoluta falta de transparência de uma parte substancial que forma o orçamento secreto: não se sabe quem fez a emenda e quem é o beneficiado.

Esse sistema de troca de favores tem raízes profundas na sociedade brasileira desde o tempo do coronelismo. O sistema coronelista juntava coerção com cooptação. Era o coronel quem permitia o acesso a certos benefícios sociais. Esta era a sua moeda de troca, por isso era odiado, mas também amado.

O escândalo dos pastores está motivando uma iniciativa de senadores para a criação de uma CPI sobre assunto, mas o governo joga pesado na sua inviabilização, conseguindo inclusive que três senadores retirassem as suas assinaturas da petição inicial. Outra frente de resistência do governo é a negativa de transparência na agenda presidencial, com o que se procura esconder o intenso acesso de pastores diretamente ao Presidente. A agenda presidencial passou a ser tratada como assunto de segurança nacional, protegida pelo sigilo.

Naturalmente, nem todas as igrejas evangélicas estão envolvidas nessas falcatruas. Trata-se de alguns maus pastores, espertalhões que tentam aproveitar da situação de termos um presidente e um governo com quatro ministros declaradamente evangélicos e um juiz do Supremo Tribunal Federal indicado por ser “tremendamente evangélico”. Há resistência a esse tipo de prática em amplos setores da igreja, e isto tem motivado a manifestação de outros pastores denunciando o jogo espúrio, o que deve ser saudado. O eleitorado evangélico também se manifesta criticamente, como mostram as pesquisas. Segundo o Poder Data, 40% dos evangélicos acham o governo Bolsonaro ruim e péssimo.

Se Bolsonaro for reeleito, ele terá o direito de indicar mais três ministros do Supremo e estaríamos caminhando para uma situação de controle da Justiça, semelhante ao da Venezuela de Chávez e Maduro.

Enquanto isso, Deus tudo vê. Hebreus 4:13

----------

Engenheiro Civil, professor aposentado da UFMS e membro do Grupo Conjuntura MS

----------

Golpismo e autogolpe 
O partido militar
O orçamento paralelo
A marcha sobre Brasília
Bolsonaro, o sapo e o escorpião




Fonte: Especial para Gramsci e o Brasil.

  •  
Av. Barão do Rio Branco, 2390/601 - Centro - 36.016-310 - Juiz de Fora - MG - Fone: (32)2101-2000 | (32)3691-7000 | (32) 3512-0000