Defesa Civil pede demolição de imóvel que pegou fogo no Teixeiras

Por

Terça-feira, 3 de abril de 2012, atualizada às 18h36

Defesa Civil pede demolição de imóvel que pegou fogo no Teixeiras

Thiago Stephan
Repórter
Incêndio no Teixeiras

O imóvel que abrigava a fábrica de meias destruída após um incêndio na tarde desta terça-feira, 2 de março, terá que ser demolido. De acordo com a Secretaria de Comunicação da Prefeitura, nesta terça-feira, 3 de março, o engenheiro da Defesa Civil, Marcus Vinicius Thevenet, esteve na rua Professora Noêmia Mendonça 50, no bairro Teixeiras, e constatou que as vigas estão com as armações expostas. Além disso, a laje de piso do segundo andar — teto do primeiro andar — apresenta trincas.

Como o segundo pavimento abrigava máquinas pesadas, Thevenet achou melhor, por questões de segurança, indicar a demolição do imóvel. A vistoria foi acompanhada pelo proprietário, que já foi notificado. Ainda de acordo com a Secretaria de Comunicação, não há risco de desmoronamento e não existe prazo para que o imóvel seja demolido. Entretanto, a utilização do espaço está proibida. A fábrica funcionava em uma casa de dois pavimentos, nos fundos de uma residência, que não foi comprometida.

Ainda na noite de segunda-feira, a Companhia de Prevenção do Corpo de Bombeiros esteve no imóvel e constatou que não há condições do proprietário reiniciar a produção da fábrica. De acordo com o assessor de comunicação organizacional do 4º Batalhão de Bombeiros Militar, capitão Marcos Santiago, o estabelecimento não tinha projeto de prevenção a incêndios, o que é exigido pela Lei Estadual 14.130, etapa inicial para que o imóvel receba o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB). O documento é obrigatório para edificações ou espaços destinados a uso coletivo, como estabelecimentos comerciais, industriais ou de prestação de serviços e os prédios de apartamentos. 

Operação Alerta Vermelho

Desde o início da Operação Alerta Vermelho, iniciada em 19 de março, o Corpo de Bombeiros já vistoriou 150 imóveis na região central da cidade em relação à legislação de prevenção contra incêndio. Destes, 42 foram notificados, o que representa 28% de todas as edificações fiscalizadas. Proprietários de cinco imóveis foram multados, totalizando valor aproximado a R$ 5.600. Outras seis multas devem ser entregues nos próximos dias.

Os textos são revisados por Mariana Benicá

">
Terça-feira, 3 de abril de 2012, atualizada às 18h36

Defesa Civil pede demolição de imóvel que pegou fogo no Teixeiras

Thiago Stephan
Repórter
Incêndio no Teixeiras

O imóvel que abrigava a fábrica de meias destruída após um incêndio na tarde desta terça-feira, 2 de março, terá que ser demolido. De acordo com a Secretaria de Comunicação da Prefeitura, nesta terça-feira, 3 de março, o engenheiro da Defesa Civil, Marcus Vinicius Thevenet, esteve na rua Professora Noêmia Mendonça 50, no bairro Teixeiras, e constatou que as vigas estão com as armações expostas. Além disso, a laje de piso do segundo andar — teto do primeiro andar — apresenta trincas.

Como o segundo pavimento abrigava máquinas pesadas, Thevenet achou melhor, por questões de segurança, indicar a demolição do imóvel. A vistoria foi acompanhada pelo proprietário, que já foi notificado. Ainda de acordo com a Secretaria de Comunicação, não há risco de desmoronamento e não existe prazo para que o imóvel seja demolido. Entretanto, a utilização do espaço está proibida. A fábrica funcionava em uma casa de dois pavimentos, nos fundos de uma residência, que não foi comprometida.

Ainda na noite de segunda-feira, a Companhia de Prevenção do Corpo de Bombeiros esteve no imóvel e constatou que não há condições do proprietário reiniciar a produção da fábrica. De acordo com o assessor de comunicação organizacional do 4º Batalhão de Bombeiros Militar, capitão Marcos Santiago, o estabelecimento não tinha projeto de prevenção a incêndios, o que é exigido pela Lei Estadual 14.130, etapa inicial para que o imóvel receba o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB). O documento é obrigatório para edificações ou espaços destinados a uso coletivo, como estabelecimentos comerciais, industriais ou de prestação de serviços e os prédios de apartamentos. 

Operação Alerta Vermelho

Desde o início da Operação Alerta Vermelho, iniciada em 19 de março, o Corpo de Bombeiros já vistoriou 150 imóveis na região central da cidade em relação à legislação de prevenção contra incêndio. Destes, 42 foram notificados, o que representa 28% de todas as edificações fiscalizadas. Proprietários de cinco imóveis foram multados, totalizando valor aproximado a R$ 5.600. Outras seis multas devem ser entregues nos próximos dias.

Os textos são revisados por Mariana Benicá

Terça-feira, 3 de abril de 2012, atualizada às 18h36

Defesa Civil pede demolição de imóvel que pegou fogo no Teixeiras

Thiago Stephan
Repórter

O imóvel que abrigava a fábrica de meias destruída após um incêndio na tarde desta terça-feira, 2 de março, terá que ser demolido. De acordo com a Secretaria de Comunicação da Prefeitura, nesta terça-feira, 3 de março, o engenheiro da Defesa Civil, Marcus Vinicius Thevenet, esteve na rua Professora Noêmia Mendonça 50, no bairro Teixeiras, e constatou que as vigas estão com as armações expostas. Além disso, a laje de piso do segundo andar — teto do primeiro andar — apresenta trincas.

Como o segundo pavimento abrigava máquinas pesadas, Thevenet achou melhor, por questões de segurança, indicar a demolição do imóvel. A vistoria foi acompanhada pelo proprietário, que já foi notificado. Ainda de acordo com a Secretaria de Comunicação, não há risco de desmoronamento e não existe prazo para que o imóvel seja demolido. Entretanto, a utilização do espaço está proibida. A fábrica funcionava em uma casa de dois pavimentos, nos fundos de uma residência, que não foi comprometida.

Ainda na noite de segunda-feira, a Companhia de Prevenção do Corpo de Bombeiros esteve no imóvel e constatou que não há condições do proprietário reiniciar a produção da fábrica. De acordo com o assessor de comunicação organizacional do 4º Batalhão de Bombeiros Militar, capitão Marcos Santiago, o estabelecimento não tinha projeto de prevenção a incêndios, o que é exigido pela Lei Estadual 14.130, etapa inicial para que o imóvel receba o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB). O documento é obrigatório para edificações ou espaços destinados a uso coletivo, como estabelecimentos comerciais, industriais ou de prestação de serviços e os prédios de apartamentos. 

Operação Alerta Vermelho

Desde o início da Operação Alerta Vermelho, iniciada em 19 de março, o Corpo de Bombeiros já vistoriou 150 imóveis na região central da cidade em relação à legislação de prevenção contra incêndio. Destes, 42 foram notificados, o que representa 28% de todas as edificações fiscalizadas. Proprietários de cinco imóveis foram multados, totalizando valor aproximado a R$ 5.600. Outras seis multas devem ser entregues nos próximos dias.

Os textos são revisados por Mariana Benicá

Últimas Notícias