Paulo César Paulo César 28/4/2012

Com muito humor e ação na medida certa, Os Vingadores supera expectivas

Há cinco anos, a Marvel movimentava os bastidores do cinema com a notícia que estava muito próximo o ambicioso projeto de unir de uma só vez seus maiores heróis em Os Vingadores. Começou preparando o terreno com filmes solo dos integrantes do grupo, O Incrível Hulk (2008), O Homem-de-Ferro 1 e 2 (2008 e 2010), Capitão América – O Primeiro Vingador (2011) e Thor também no ano passado. Todos com uma deixa que anunciava a proximidade do esperado encontro. Depois de muita ansiedade dos fãs, o filme chega aos cinemas com uma proposta simples e certeira: ação e humor.

Quando o rebelde irmão do semi-deus Thor (Chris Hemsworth), Loki (Tom Hiddleston) se une a obscuras forças alienígenas para conquistar todo o planeta, o chefão da S.H.I.E.L.D., Nick Fury (Samuel L. Jackson), tem de por seu plano de reunir os grandes heróis para conter o poder estrondoso do vilão nórdico em ação. Entretanto, primeiro terá de lidar com os egos e ideologias de cada um, para que os faça chegar ao objetivo em comum, que é salvar a Terra.

Seria um desafio enorme para o diretor e roteirista Joss Whedon, depois que Jon Favreau, responsável por dirigir as duas franquias do Homem-de-Ferro, desistiu do projeto por divergências na produção. Entretanto, Whedon colocou todo o talento para mesclar ação e humor que adquiriu quando assinou o roteiro de Toy Story e as consagradas séries de TV Buffy e Angel. Pois o modo como tornou um provável emaranhado de explosões hecatômbicas conduzidas por heróis sisudos, em uma comédia com cenas de ação exageradas, porém, bem-intencionadas, fez dessa uma boa estreia.

Outro grande acerto do diretor foi distribuir a importância de todos dentro da trama. Apesar de ser visível a mudança da liderança do grupo para as mãos de Tony Stark (Robert Downey Jr.), nenhum personagem fica apenas como suporte narrativo. Desde o sagaz Gavião Arqueiro (Jeremy Renner) ao moralista Capitão América (Chris Evans), fica claro que a intenção era que todos fossem decisivos, ressaltando o trabalho em equipe. Contudo, em meio a essa igualdade, não há como negar que o mote humorístico adicionado ao incontrolável Hulk (Mark Ruffalo), coleciona a maioria dos elogios.

No elenco estelar, que ainda conta com a estonteante Scarlett Johansson como a Viúva Negra, os grandes destaques com certeza são Downey Jr. e Hiddleston. O primeiro se sente muito à vontade no papel, nos dando a impressão que Tony Stark é praticamente um alter ego, por isso o colocou de volta ao topo em 2008. Já o segundo é um dos mais talentosos atores da atualidade, e seu Loki se equilibra entre a insanidade e a crueldade dissimulada, sem que se torne caricato nem superlativo. Impecável.

Os Vingadores é o melhor filme de super-herói lançado desde O Cavaleiro das Trevas (2008) de Chris Nolan. Superou as expectativas em torno de sua concepção com uma receita já usada em filmes como Missão Impossível 4 e Sherlock Holmes. Porém o que pesa a favor do longa de Whedon é que todas as proezas são realizadas por nossos heróis, aqueles que imitávamos quando crianças, ou seja, são todos os sonhos infantis transformados em um grandioso espetáculo audiovisual.

Mais críticas


Paulo César da Silva é estudante de Jornalismo e autodidata em Cinema.
Escreveu e dirigiu um curta-metragem em 2010, Nicotina 2mg.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.