• Assinantes
  • Autenticação
  • Cultura

    Um Tio Quase Perfeito

    Victor Bitarello Victor Bitarello 20/06/2017

    Eu aprendi, já há um tempo, que quando queremos fazer uma crítica negativa, é interessante que apontemos antes um aspecto positivo. Demonstra carinho e boa vontade por parte de quem comenta, e até mesmo uma boa educação em respeitar o trabalho alheio, mesmo que ele não tenha tido a felicidade de ser bom.

    “Um Tio Quase Perfeito” é um filme que não pecou em exceder-se no tempo de duração, característica muito comum nos filmes comerciais. Tem também um ou outro momento cômico que não tornaram a ida ao cinema, numa noite de feriado, um motivo de raiva. E podemos assistir Geraldo Magela no papel título, o que facilita bem a aceitação, já que estamos tendendo a gostar das suas aparições, em virtude do seu atual e impagável Ferdinando, do seriado “Vai que Cola”.

    No entanto, eu não consigo dizer mais nada aproveitável sobre o longa. Trata-se de uma comédia em que um homem, sem grandes perspectivas na vida, vivendo à base de bicos, e sua mãe, parasita, são despejados, e a única possibilidade de não se verem sem teto é procurarem a ajuda da irmã, mãe de três filhos, com quem não se relacionam bem. Após darem seus “jeitinhos”, eles conseguem permanecer na casa durante uma viagem para estudos.

    Uma opinião que tenho sobre as comédias, é que um de seus piores problemas não é ela não ser engraçada. Porque isso, definitivamente, o filme não é. Mas é ela se achar engraçada, e não ser. É fácil perceber que existe em “Um tio...” um certo “achismo” do tipo “sou engraçado”. Um outro ponto é a trama. Extremamente batida, possível, imaginável e previsível. É um filme para crianças, com propaganda de filme para adultos, para público que conhece o Magela. Foi enganoso conosco. Eu esperava algo, ao menos, próximo ao que ele está acostumado a fazer. Os comediantes sabem sobre essa expectativa. E eles nos devem isso, já que foi por isso que estávamos ali.

    O cinema brasileiro que vem sendo exibido está bem fraco. Ao menos por aqui, na nossa cidade, que não possui muitas salas que se aventuram a passá-los. Poucas são as exceções, como “Aquarius”, com Sônia Braga. “Um Tio Quase Perfeito” é o pior filme que comento desde que assumi esta coluna.

    Victor Bitarello é bacharel em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), pós-graduado em Direito Penal e Processual Penal, pela Universidade Candido Mendes (UCAM) e Pós-graduado em Direito Processual Civil pela Faculdade Internacional Signorelli, do Rio de Janeiro. Ator de teatro amador por 15 anos. Apreciador e estudioso de cinema. Servidor público do Estado de Minas Gerais, também já tendo atuado como professor de inglês por um período de 8 meses na Associação Cultural Brasil Estados Unidos - ACBEU, em Juiz de Fora. Graduando em Psicologia.
    Iniciou como colunista deste Portal em janeiro de 2014.

    Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.