• Assinantes
  • Autenticação
  • Direitos Humanos

    Dia de Combate à Homofobia traz à tona discussões acerca da realidade LGBTMovimentos defendem a instituição de políticas voltadas para o público LGBT. Eventos em Juiz de Fora e São João del-Rei marcaram a celebração da data

    Victor Machado
    *Colaboração
    17/5/2011
    Bandeira que simboliza o público LGBT

    O Dia Internacional de Combate à Homofobia, celebrado nesta terça-feira, dia 17 de maio, trouxe à tona discussões sobre a homofobia. Para o integrante do Movimento Universitário em Defesa da Diversidade Sexual (MUDD*Se), Cleiton Ribeiro, a comemoração da data é uma forma de mostrar que a sociedade precisa discutir esse problema social brasileiro. "Temos que ter políticas públicas voltadas para o combate à homofobia e o governo não faz nada para resolver isso", defende.

    Ribeiro afirma que é preciso abordar a violência homofóbica desde a construção do pensamento até o máximo em que ela pode chegar, que é a morte. "Todos os anos são mais de 200 pessoas que morrem por causa da homofobia no Brasil. Não temos que discutir somente quando a agressão acontece. O mais importante é discutir a formação do pensamento homofóbico que gera essa violência."

    Apesar do cenário de poucas discussões apontado por Ribeiro, ele considera que a luta já conseguiu vitórias. "Algumas cidades, inclusive Juiz de Fora, já criminalizam a homofobia. Ainda queremos que isso seja nacional." O integrante do MUDD*Se lembra-se, ainda, da aprovação da união estável homoafetiva, por parte do Superior Tribunal Federal (STF). "Ela garante vários direitos, como plano de saúde e herança para parceiros que vivem há um longo tempo juntos." No entanto, Ribeiro acrescenta que é necessário abrir discussões em relação aos travestis e transexuais, que ainda não têm o gênero reconhecido na constituição. "Não existe nenhuma política voltada para eles."

    Ribeiro acredita que Juiz de Fora teve a sorte de ter um movimento gay forte, o que ajudou a tornar o cenário na cidade melhor do que em outros locais do Brasil. "Juiz de Fora está um pouco avançada, mas ainda precisa melhorar. Não temos muitas agressões físicas, apesar de termos casos de agressões verbais na cidade."

    Evento em Juiz de Fora

    Para ajudar a acabar com o preconceito na cidade, o MUDD*Se realizou nesta terça-feira, 17 de maio, debates no Instituto de Ciências Humanas (ICH), da Universidade Federal de Juiz de Foras (UFJF). Houve ainda a exibição do longa "Orações para Bobby", com a temática LGBT. Mesas de debates com os temas "Violência Homofóbica" e "Educação sem Homofobia", também, fizeram parte da programação.

    Segundo Ribeiro, que é um dos organizadores do evento, as discussões no ambiente acadêmico são fundamentais, pois a universidade é formadora de opinião. "Dentro desse ambiente, capacita-se pessoas que vão para diversos setores, o que possibilita a mudança de pensamento em vários segmentos da sociedade."

    Marcha em São João del-Rei

    O Movimento Gay da Região das Vertentes, de São João del-Rei, organizou a I Marcha Municipal Contra a Homofobia, nesta terça-feira, 17 de maio, na Avenida Tancredo Neves. O evento teve como objetivo reivindicar a instituição de políticas públicas municipais de promoção e defesa dos direitos humanos LGBT. No dia 17 de maio, é comemorado o Dia Municipal a Homofobia, na cidade.

    O Movimento reivindica, ainda, a aprovação da criminalização da homofobia, no Congresso Nacional, o reconhecimento do nome social das travestis e a implementação do Plano Nacional de Promoção dos Direitos Humanos e Cidadania de LGBT. No âmbito municipal, as lutas são para a instituição de uma coordenadoria LGBT, de um Conselho LGBT e de um Plano de Combate à Homofobia, além da implementação do Plano Municipal de Enfrentamento da Aids, a criação de uma Secretaria Municipal de Proteção e Promoção dos Direitos Humanos, entre outras medidas.

    Dia Internacional de Combate à Homofobia

    A data é considerada uma vitória histórica do Movimento LGBT Internacional porque foi quando a Organização Mundial de Saúde (OMS) retirou a homossexualidade do Código Internacional de Doenças. No dia 4 de junho de 2010, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou um decreto que incluiu o Dia Nacional de Combate à Homofobia no calendário oficial federal.

    Victor Machado é estudante do 7º período de Comunicação Social da Faculdade Estácio de Sá

    Os textos são revisados por Thaísa Hosken

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.