Óbitos por Covid-19 em Juiz de Fora segue estável em patamar muito elevado

Em contrapartida, o número de novos casos apresentou, na semana anterior, uma redução

da Redação - 14/05/2021

Segundo a 27ª edição do Boletim Informativo da Covid-19 (confira), desenvolvido pela Plataforma JF Salvando Todos, em Juiz de Fora, o número de óbitos pela doença apresenta estabilidade, mas ainda está em patamar muito elevado. Em contrapartida, o número de novos casos apresentou, na semana anterior, uma redução, mesmo com mais de mil novas confirmações. O documento é elaborado por alunos e docentes do curso de Estatística da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e tem como objetivo mapear a evolução da pandemia do novo coronavírus.  

Óbitos seguem em patamar elevado

De acordo com o Boletim, no dia 26 de abril, segundo os dados disponibilizados pela Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), o município possuía 28.444 casos confirmados e apontava o óbito de 1.372 cidadãos. Em contrapartida, em 10 de maio, esses números evoluíram para 31.013 casos confirmados e 1.519 falecimentos em decorrência da doença. Os dados representam aumentos de 9% e 10,7%, respectivamente, no período de 14 dias.

Se comparados ao período de 14 dias anteriores, no dia 26 de abril, os aumentos tinham sido de 9,6% e 10,5%, indicando que as taxas de crescimento dos números de casos e de óbitos se mantiveram praticamente inalteradas.

Na 18ª semana epidemiológica (de 2 a 8 de maio de 2021), Juiz de Fora catalogou 1.061 novos casos confirmados e 69 óbitos. Diante deste cenário, houve uma redução de 46,4% no número de casos e de 10,4% no número de falecimentos  se comparados à 17ª semana epidemiológica, entre os dias 25 de abril e 1 de maio.

Segundo um dos autores do documento, professor Marcel Vieira, em  Juiz de Fora, o Número de Transmissão Efetivo (Rt) apresentou valor estimado igual a 1,25 no dia 6 de maio e tem estado abaixo de 1 desde o dia 7 do mesmo mês. “Considero que a manutenção das medidas de prevenção da pandemia continua sendo necessária, incluindo a redução da circulação de pessoas, o distanciamento social, uso correto das máscaras de boa qualidade, ventilação de ambientes e medidas de higienização.”

Ainda segundo o Boletim, no município, quando analisada a média móvel de sete dias, houve uma redução de 29,5% no número de novos casos, diminuindo de 202,4 para 142,6. A média móvel do número de óbitos também apontou uma diminuição de 8,1%, decrescendo de 9,9 para 9,1.

O documento também mostra que a taxa de letalidade em Juiz de Fora ainda continua superior à de Minas Gerais e a do Brasil, sendo que, em 10 de maio, alcançou 4,78%. Em comparação, a taxa era de 2,88% na Zona da Mata, 2,55% em Minas Gerais e 2,78% no Brasil na mesma data.

Vieira explica que, a partir de dados do Google Mobility para Juiz de Fora, foi constatado, na última semana, uma redução da proporção de pessoas que estão permanecendo em casa. “Houve aumento de pessoas que se deslocaram até os seus locais de trabalho, indicando o retorno ao trabalho presencial de uma parcela substancial da população. Houve também aumento nas idas às farmácias, aos pontos de vendas de gêneros alimentícios e às estações de transporte (pontos de ônibus, estações rodoviárias etc.). Com isso, constata-se uma redução do isolamento social e um aumento da circulação de pessoas no município.”

Campanha de vacinação

De acordo com a Plataforma, até o dia 11 de maio, já haviam sido aplicadas 194.681 doses da vacina em Juiz de Fora, entre elas, 125.855 se tratavam da primeira dose e as outras 68.826  da segunda. Na data, a média móvel no número de primeiras doses aplicadas era de 1.446.6 e apresenta uma queda se comparada ao dia 27 de abril, em que a média era 1.990,9.

Já em relação à segunda dose, o Boletim aponta que, em 11 de maio, a média móvel era 536,4 , o que representa uma diminuição expressiva, pois em 27 de abril a média era de 2,356,1. Na 18ª semana epidemiológica, foram aplicadas 3.933 primeiras doses e 3.136 segundas doses do imunizante no município.

Apesar da ampliação dos grupos prioritários de pessoas a serem vacinadas, o levantamento aponta que houve uma diminuição das médias móveis. Segundo Vieira, o ritmo da imunização no município depende do recebimento de novas doses. “A vacinação no país e em Juiz de Fora avançou para pessoas com comorbidades com idade menor que 60 anos, embora tenham sido relatadas nas últimas semanas situações de falta de segundas doses da CoronaVac para idosos em diferentes regiões. É necessário que o ritmo de vacinação seja acelerado com a disponibilização de um número maior de doses de vacinas disponíveis.”

Governador Valadares

O boletim aponta ainda que, em Governador Valadares, houve uma queda no número de casos e de óbitos no município, o que indica um sinal positivo sobre o controle da pandemia. Entretanto, o boletim aponta que os números ainda são muito elevados, superiores, inclusive, aos vivenciados em 2020. Diante deste cenário, a situação ainda é preocupante e exige muitos cuidados.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.