Marrocos: terra que encanta pelos mistérios e pela belezaQuem dá as dicas sobre o local é a jornalista Juliana Schincariol, que visitou o Marrocos e a Espanha no mês de janeiro, após quatro meses de planejamento

Aline Furtado
Repórter
30/4/2011
Marrocos

"Nossa intenção era fazer uma viagem que saísse do lugar-comum." Foi assim que a jornalista Juliana Schincariol, juntamente com o namorado, planejou, durante o período de aproximadamente quatro meses, uma viagem ao Marrocos, com passagem pela Espanha, a fim de explorar a riqueza clássica daquele lugar.

Ao todo, foram quatro dias no Marrocos, sendo três em Marrakech e um em Ouarzazate, localidade semelhante ao campo. "É uma visita que vale a pena. Trata-se de uma região montanhosa belíssima, diferente do que vemos nas montanhas de Minas Gerais. Em Ouarzazate, as montanhas são muito íngremes e as estradas em zigue-zague."

Localizada a 200 quilômetros de Marrakech, a cidade de Ouarzazate é conhecida como a capital marroquina do cinema, já que conta com dois grandes estúdios, onde já foi rodado, por exemplo, o filme Gladiador. "É lá que encontramos os conhecidos homens do campo, que foram abordados pelo filme Sob o céu que nos protege", lembra Juliana.

Já Marrakech, conhecida como "Cidade Vermelha", devido ao ocre avermelhado das muralhas que cercam a medina, é considerada um dos principais pontos de visitação no Marrocos. "É um grande centro turístico, com muitas opções de passeios. O interessante é que não apenas turistas frequentam estes pontos. O marroquino acaba se juntando aos visitantes, já que se trata de um povo muito receptivo. Aliás, veem o Brasil com bons olhos." A jornalista lembra que uma opção interessante é fazer as visitas por meio da contratação de serviços de charretes, que passam pelos principais pontos turísticos.

Marrakech abriga o maior suq ou souk, ou seja, mercado tradicional do país. Um dos pontos é a praça principal, denominada Jemaa el-Fna, local de intenso movimento. Por lá, é possível ver acrobatas, dançarinos, músicos e barracas de comida. Além deste, outro local que deve ser visitado é a medina, a cidade velha construída pelos muçulmanos, durante a Idade Média. "Mais uma opção é visitar o curtume de Marrakech. Nós conseguimos concretizá-la, o que não é possível a todos os visitantes." No local, são tingidos os fios de lã e seda para a confecção dos tapetes.

Uma das mais belas paisagens, de acordo com Juliana, é o Jardim Majorelle. "Trata-se de um local criado por Jacques Majorelle, que passou por um longo período de abandono. Contudo, o estilista francês Yves Saint Laurent fez uma reforma após comprar o espaço. Hoje, está muito bem cuidado, diferentemente de outros pontos turísticos, que acabam pecando pela falta de infraestrutura." No Jardim Majorelle, há inúmeras espécies de plantas, como palmeiras, bambus e cactus.

"Com certeza é uma viagem interessantíssima, já que entramos em contato com uma cultura diferente da ocidental. Eles são muçulmanos, com costumes, arquitetura e cultura completamente diferente do que a gente conhece. Querendo ou não, a Europa sempre foi muito mais próxima de nós, brasileiros, do que o Marrocos." Uma das diferenças é o clima. No inverno, época da viagem de Juliana, durante o dia, a temperatura ficava em torno dos 25º C, já à noite, o frio era intenso. "Afinal, é o clima típico do deserto, com o céu de um azul bastante intenso", recorda a jornalista.

Comida colorida

Segundo Juliana, a comida, no Marrocos, chama atenção pela cor. "É tudo muito colorido. Mas o que temíamos, que eram os condimentos, não representou problema". Entre os pratos mais servidos estão a kafta e o famoso cuscuz marroquino. Uma dica é evitar as comidas comercializadas em praças, expostas em barraca organizadas no meio da rua. "Os visitantes podem imaginar que o preço dos restaurantes é alto, o que não é verdade. Então, vale a pena comer melhor, já que o que é vendido nas praças não tem qualquer garantia quando à higiene."

Negociar é a palavra de ordem

Conhecidos como excelentes negociantes, os muçulmanos evidenciam esta qualidade durante as vendas. "É fundamental negociar antes de comprar qualquer coisa por lá. A dica é não perguntar quanto é, é ir negociando, embora isso seja trabalhoso porque eles são comerciantes natos."

Espanha

Também incluída no roteiro da viagem do casal, a Espanha foi visitada por um período de dez dias, divididos entre Madri e Barcelona. "Fizemos visitas que priorizaram a parte clássica e cultural do país." Com relação a Madri, as dicas são o Palácio Real, a residência oficial do rei da Espanha; o Museu do Prado, considerado o mais importante da Espanha; o Museu rainha Sofia, que conta com coleções de nomes como Pablo Picasso, Salvador Dalí, além de obras de Joan Miró, entre outros.

Já em Barcelona, é possível visitar construções concebidas pelo arquiteto catalão Antoni Gaudi, além do Museu do Barcelona, boa pedida para os amantes de futebol.

Os textos são revisados por Thaísa Hosken

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.