Alerta contra as queimadas ?rg?os ambientais j? est?o de prontid?o e lan?aram o alerta para que a popula??o tamb?m fa?a a sua parte e evite as queimadas


*Guilherme Ar?as
Colabora??o
14/07/2007

Os meses entre junho e novembro inspiram cuidados especiais quando falamos em preserva??o ambiental. A falta de chuva, a baixa umidade relativa do ar e a temperatura elevada para o per?odo s?o fatores que favorecem o surgimento das queimadas naturais e aquelas provocadas pelo homem.

Os ?rg?os ambientais j? est?o de prontid?o e lan?aram o alerta para que a popula??o tamb?m fa?a a sua parte e evite as queimadas.

Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), de janeiro a julho, o Brasil j? registrou mais de 67 mil focos de calor. S? em Minas, esse n?mero alcan?a a casa dos dois mil focos. Nos dados do Instituto Estadual de Florestas (IEF), foram registrados 1.280 focos de calor em todo o Estado, entre janeiro e junho deste ano.

Trabalhando contra as queimadas

O dados comprovam que o alerta deve ser mantido. Nesta semana, o Departamento Municipal de Limpeza Urbana (Demlurb) realizou um trabalho de limpeza no Parque da Lajinha e em parte da mata do Morro do Imperador. O objetivo ? abrir aceiros para impedir a propaga??o de poss?veis inc?ndios nas matas. Os aceiros s?o procedimentos obrigat?rios, segundo a lei de preserva??o ambiental. A limpeza de um terreno tamb?m ? uma forma de combater a propaga??o do fogo em caso de inc?ndio.

O Instituto Estadual de Florestas (IEF) tamb?m atenta para as queimadas. A previs?o de um per?odo seco mais longo em 2007 mant?m em alerta a For?a-Tarefa Previnc?ndio, equipe de combate a inc?ndios florestais formada por diversos ?rg?os do Governo do Estado. A coordenadora da For?a-tarefa, Cl?udia Melo, destaca que a maior preocupa??o ? com as regi?es Norte, Noroeste e Jequitinhonha, naturalmente secas.

Cl?udia explica, ainda, que os focos de calor n?o significam necessariamente um inc?ndio. "Os sat?lites identificam os pontos quentes e a confirma??o do inc?ndio depende da verifica??o dos mapas de vegeta??o do Estado, das autoriza?es emitidas pelo IEF para queimas controladas e da checagem pelas equipes de terra", afirma.

Em Juiz de Fora, 511 focos de inc?ndio foram registrados em matas, segundo o assessor do 4? Batalh?o do Corpo de Bombeiros, capit?o Santiago. Do total, cerca de 90% s?o provocados por a?es humanas, como jogar cigarro na mata, acender velas em rituais religiosos pr?ximo ? vegeta??o e realizar queimadas de forma descontrolada.

"Nesse per?odo de estiagem, os oito bombeiros do projeto "Bombeiro no Bairro" realizam a Opera??o Estiagem, orientando toda a comunidade em rela??o aos cuidados que devem ter com os terrenos baldios e com as queimadas", afirma o capit?o Santiago.

foto da Argentina foto do Uruguai foto do Paraguai

O capit?o Santiago orienta, ainda, para que a popula??o tenha paci?ncia nessa ?poca do ano, pois os v?rios chamados para o Corpo de Bombeiros acabam atrasando os atendimentos ? popula??o.

Como evitar inc?ndios em matas:
  • Fazer queimadas somente com autoriza??o do Ibama e de forma controlada, com a constru??o de aceiros/barreiras que impedem a propaga??o das chamas. O aceiro pode ser feito em forma de vala ou limpeza do terreno de modo a obstruir a passagem do fogo.
  • Apagar com ?gua o resto do fogo em acampamentos para evitar que o vento leve as brasas para a mata.
  • N?o jogar pontas de cigarro pr?ximo a qualquer tipo de vegeta??o.
  • N?o acender fogo a menos de 15 metros do limite das faixas de seguran?a das linhas de transmiss?o e distribui??o de energia el?trica.
  • N?o realizar queimadas numa dist?ncia inferior a 15 metros de rodovias e ferrovias.
  • ? proibido o uso de fogo em ?reas de reservas ecol?gicas, preserva??o permanente e parques florestais. O indiv?duo que cometer o crime ambiental ter? que responder a processo, com possibilidade de pris?o, e dever? pagar multa pelo dano ambiental causado.
  • Em caso de inc?ndios, o Instituto Estadual de Florestas ? IEF (0800 283 2323), o Corpo de Bombeiros (193) devem ser avisados o mais depressa poss?vel. ? bom lembrar que o trabalho pesado deve ser deixado para pessoas capacitadas.

Fonte: Demlurb

*Guilherme Ar?as ? estudante de Jornalismo da UFJF