• Assinantes
  • Saúde

    Como fazer compras sem cair
    na tentação das guloseimas

    01/07/99

    Ir ao supermercado é mais que tarefa rotineira e requer planejamento. A função aparentemente banal, corre risco de se transformar em verdadeiro desastre para quem não resiste às guloseimas dispostas de forma a atrair os olhos e seduzir o estômago dos clientes. A necessidade de se comprar os alimentos de acordo com seu valor nutritivo é ressaltado pela nutricionista Maria Amélia Ribeiro. "Devemos pensar na seleção dos alimentos de acordo com o seu valor", alerta. Geralmente, continua, as pessoas vão ao supermercado para comprar o básico: arroz, feijão, macarrão, carne e verduras. A tentação acaba sendo maior e o número de produtos consumidos também.

    A primeira coisa que se deve fazer ao entrar no supermercado, segundo a nutricionista, é ir direto à seção de verduras e frutas. “Assim se tem mais tempo de olhar bem, ver a qualidade dos alimentos”, argumenta. Isso, no entanto, não é garantia suficiente para se fazer uma compra sem qualquer supérfluo. A dona de casa Adriana de Castro, 34 anos, afirma que a seção de legumes é a primeira que visita durante suas compras. Logo em seguida é a vez das frutas e refrigerantes. "Compro muita guloseima porque tenho duas filhas pequenas e elas adoram esses biscoitos, chocolates e leitinhos. Gasto muito com esses supérfluos. Minha filha mais nova (5 anos) toma 105 leitinhos por mês", entrega.

    Outros não se rendem ao pesado marketing dos supermercados. É o caso de Luíza Barreto, 53 anos. "Eu compro verduras, legumes e o principal (arroz e feijão), que não pode faltar. Levo um pouco de cada produto e faço compras toda semana. Tenho marido e dois filhos grandes, então compro bastante comida. Não faço uso de industrializados, prefiro natural. Eu mesma faço", afirma.

    O uso excessivo dos semi prontos é, aliás, condenado pela nutricionista Maria Amélia por seu elevado grau de conservantes. "Por mais que o fabricante diga que é natural, o alimento possui muitos conservantes. Só em momentos de urgência se deve recorrer a esses produtos. Os temperos usados nesses preparados podem, com o tempo, causar gastrite, porque são fortes e picantes. Doenças como diabetes, hipertensão e obesidade ocorrem devido a esse tipo de alimentação", avisa.

    Mesmo sabendo do perigo que corre, Wiliana Vasconcelos, 30 anos, não resiste aos semi prontos. "Eu acredito que estes produtos afetam a saúde, mas, com a vida que a gente leva, é uma mão-na-roda! É fácil! Eu sou adepta desses alimentos, mesmo sabendo que devem fazer algum mal", reconhece. Maria Amélia alerta que a manutenção de uma dieta baseada nos principais grupos de alimentos - carboidratos, proteínas, vitaminas, sais minerais, lipídeos e fibras - supre todas as necessidades diárias do organismo. "A refeição trivial é composta por arroz, feijão, carne, verdura e legume". Ela aconselha às pessoas a consumirem mais carnes e queijos brancos. "Os tipo chedar, prato, provolone e parmesão são bastante gordurosos. É bom substituí-los por queijo minas, cottage ou ricota".


    Além disso, ela ressalta a importância de se observar as datas de validade e de fabricação, além da origem do alimento. "O que fica em destaque no rótulo é o que interessa à indústria, mas a validade e a composição ficam apagadas. Alguns óleos trazem no rótulo que são sem colesterol. Nenhum óleo possui colesterol. Todos os óleos vegetais não têm colesterol".

    Colaboração: Marina Domingos
    Estudante do 6º período
    da Faculdade de Comunicação Social da UFJF

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.