Cadeiras e poltronas de aproximação para compor os ambientes

Nome do Colunista Luiz Henrique Duarte 21/07/2017

As salas de estar contemporâneas acumulam as funções de espaços para convivência familiar e ambientes sociais, idealizadas para receber os amigos, e projetadas através de um mobiliário que apresente o conforto, a praticidade e a funcionalidade. Os antigos conjuntos de sofás, ou seja, a famosa dupla de estofados, composta de dois e três lugares, abrem espaços para novas possibilidades, como as cadeiras e poltronas, conhecidas como assentos de aproximação.

Na arquitetura atual e no design moderno, os sofás, independentemente de seus traços e tecidos são utilizados para agregar o aconchego máximo dentro de um ambiente, sempre em uma bela composição com as cadeiras e poltronas, valorizando cada detalhe do espaço. Estas cadeiras precisam de estar em harmonia com todo o contexto espacial do ambiente projetado, criando uma síntese uniforme com a paleta de cores, os revestimentos e adornos decorativos.

Cadeiras e poltronas

O nome cadeiras e poltronas de aproximação foi sugerido por um arquiteto e designer de produtos conceituais, que apelidou algumas peças desenhadas por ele, visando, a ideia de deixar suas criações mais cobiçadas para uso dentro dos ambientes. Elas são confeccionadas em diversos tipos de materiais, com acabamentos distintos e tecidos variados, sempre acompanhando as tendências atuais. É muito importante observar uma peça confortável para agregar o conforto ergonômico e a sua finalidade de uso, independente do ambiente, sejam eles residenciais, comercias ou corporativos.

A arquiteta e urbanista Giovanna Brigatti está sempre buscando soluções inovadoras em seus projetos, mesclando elementos atemporais e peças contemporâneas, além, de utilizar adornos decorativos certos, em uma proporção clean e uniforme, como neste ambiente constituído e projetado por ela, com uma linha de móveis exclusiva e muito sofisticada (Elemento Casa) onde os tecidos, os tapetes e os detalhes presentes no mobiliário, sintetizam muito mais que estilo. "As cadeiras e poltronas de aproximação ajudam a compor os ambientes, e atualmente, com os espaços reduzidos, as salas precisam de um sofá e uma cadeira para completar o ambiente ", justifica a arquiteta.

"Além serem super confortáveis, promovem um estilo dentro da sala, você consegue fazer uma brincadeira, dentro do ambiente ", explica Giovanna. Para acertar na hora das escolhas, devemos atentar para alguns detalhes, como as dimensões de nossos espaços, à finalidade de uso, o estilo dos usuários e para o que está destinado o ambiente, se circulam muitas pessoas, o bio-físico, idades e preferências, para depois, pensar nas cadeiras ou poltronas, criando sempre ambientes deslumbrantes, de acordo com à criatividade e as possibilidades de cada um. "Observe o tamanho do ambiente, você pode escolher uma cadeira enorme e não ser proporcional, atente também para o fluxo da sala de estar ou escritório, e o mais importante, ver o conforto, e qual a função do espaço", ensina a profissional.

Os tecidos resumem todos os cuidados com equilíbrio e a harmonia dentro do ambiente, um revestimento sem proporção e padrão de qualidade pode gerar para o espaço um desconforto visual, aquecendo ou deixando-o monótono demais. É muito importante analisar e pensar em cores neutras, lembrando-se que o menos é mais, mas, nada impede de colocar um tecido vivo, com estampas e cores quentes, tudo dependerá do contexto a ser trabalhado dentro do seu projeto de interiores. "As cadeiras, precisam de um tecido confortável, que acolha às pessoas, com muito conforto, não é só ligar para à estética", resume Giovanna.

Nossos ambientes

Os ambientes contemporâneos podem receber várias composições de mobiliário, com inúmeros layout, mas, prevalecendo sempre o conforto e a ergonomia de todos os usuários. Para escolher e optar por uma cadeira ou poltrona de aproximação, devemos em primeiro lugar, verificar o estilo de nosso espaço, e saber gerar composições decorativas misturando elementos e móveis, como nestes dois ambientes que vamos mostrar.

Em nosso primeiro exemplo, um suntuoso tapete azul royal, composto em fibras sintéticas, promove o aconchego do ambiente e permite uma fácil manutenção, onde as cadeiras de aproximação, todas em madeira e com encosto em palha sintética, foram expostas em um único par, ladeando, um conjunto de mesas de apoio, em tamanhos diferentes, exibindo adornos complementares, como jarras coloridas e uma escultura oriental. A mesa de centro retangular expõe poucos objetos e permite um brilho elegante do espelho bronze de seu tampo. Os três sofás retilíneos com modelos distintos e tecidos neutros, completam o ambiente com leveza e sensatez.  "Eu gosto muito de tapetes e utilizei cadeiras em madeira pura, sem tecido algum, além de um cachepô, com uma vegetação verde natural, para verticalizar o espaço um pouco, e o verde com o azul, dá um choque interessante", revela a arquiteta.

"Também trabalhei com almofadas para dar um contraste e remeter ao tapete, criando um movimento com estas imagens geométricas, que está usando muito", analisa Giovanna. Em nossa segunda opção, o ponto de partida, também foi outro tapete, com o mix de figuras gráficas vanguardistas em preto e branco, onde, a arquiteta utilizou cadeiras e poltronas de aproximação em extremidades opostas, através de uma célebre composição do ambiente.

Desta vez, os tecidos em fibras natural de linho promovem a neutralidade das cadeiras, ladeando duas mesas com bases brancas e tampos em madeira tabaco. A outra mesa lateral apresenta um tamanho maior e expõe uma escultura em ferro, refletida através dos três espelhos encostados na parede. Uma luminária de chão, permite à leitura diária e o relaxamento de seus usuários, onde um sofá com extremidades laterais arredondadas propagam o brilho do espaço. A mesa central expõe pouquíssimos adornos, destacando uma animal sculpture. "Eu prefiro um ambiente com poucas informações, neste ambiente o tapete preto e branco já destaca-se, com o uso de muitos enfeites, você não vai enxergar muita coisa, um ambiente clean é sempre mais elegante ", explica a profissional.

As cadeiras e poltronas foram escolhidas em madeira, um material atemporal, sem erro para integrá-los dentro de qualquer ambiente. Os tapetes, criam uma atmosfera diferente para cada espaço concebido, permitindo ser exposto de diferentes formas e maneiras, provando à sua versatilidade de possibilidades. "Eu adoro trabalhar com madeiras dentro dos ambientes, é sempre bem-vinda" . contextualiza Giovanna.

Saiba fazer

As nossas próprias cadeiras ou poltronas, que já possuímos em casa, podem ser reutilizadas, desde que, estejam em condições de uso e  atendam as necessidades de cada um. Os tecidos, podem ser escolhidos, observando a sua durabilidade, onde, as fibras sintéticas apresentam maior resistência e fácil manutenção. Caso faça a opção por fibras naturais, faça uma impermeabilização ou utilize um tecido em lona, que hoje é tendência na decoração e atende várias finalidades, além de compor os mais variados tipos de ambientes. Os adornos, podem ser agrupados, aproveitando tudo aquilo que já possuímos também, e os revestimentos das paredes, podem ser cinzas, em diferentes nuances. Os efeitos lumínicos, podem criar cenários, como em nossos exemplos, observando à iluminação pontual para áreas de leitura e à luminotécnica projetada sobre o rebaixamento do teto, criando sempre um destaque para as cadeiras. "Gosto de trabalhar com à iluminação criando cenas, trabalhar os ambientes pensados para estar, jantar e leituras", analisa à profissional.

  • Os espelhos ajudam a ampliar os ambientes e propagam a sensação de um espaço maior.
  • Poltronas são maiores, mais aconchegantes e confortáveis, atente para às dimensões do ambiente.
  • Cadeiras e poltronas em madeira, aquecem os ambientes deixando-os mais acolhedores.
  • Trabalhe com tecidos menos informativos para às cadeiras e poltronas, como loninhas impermeáveis.
  • Reutilize sua cadeira antiga, troque apenas os tecidos, caso esteja em perfeita condições de uso.
  • Linhas naturais orgânicas estão em evidência, ou seja, madeira apenas com aparência de madeira, sem pigmentação ou lacas.
  • A metade da cadeira, cerca de 0,30 cm precisa estar sobre o tapete.
  • O fluxo para circulação entre uma cadeira e à mesa de centro, deve ser no mínimo de 0,80 cm.

Reutilizar é questão de atitude, depende da realidade de cada um. É sempre válido, conscientizar às pessoas à transformarem tudo aquilo que já possuem, mas, uma peça nova, é sempre muito bem-vinda! "Quer aproveitar o sofá, trabalhe com novas almofadas, coloque cores diferentes, troque uma cadeira muito antiga e coloque uma poltrona de aproximação, uma peça muda tudo", observa Guivanna.

Já escolheu sua cadeira ou poltrona de aproximação? Transforme seu espaço, deixe sua casa arrumada sempre!

As fotos exclusivas de Angeliza Lopes Aquino registram.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.