Terça-feira, 27 de janeiro de 2015, atualizada às 14h50

Bancários fazem manifestação contra assédio moral em Juiz de Fora

bancos

O Sindicato dos Bancários de Juiz de Fora realizou na manhã desta terça-feira, 27 de janeiro, um ato contra o assédio moral. Segundo a assessoria do Sindicato dos Bancários (Sintraf JF), o objetivo é tornar público à população de Juiz de Fora a estratégia administrativa utilizada pelos dirigentes bancários. "A tática é baseada na redução dos custos por meio da diminuição do número de funcionários, fechamento de agências e aumento das metas dos gerentes."

Na manifestação, os sindicalistas estiveram nas agências dos bancos Mercantil do Brasil, Banco do Brasil, HSBC, Itaú e Santander (todos localizados na avenida Rio Branco). O presidente do Sintraf JF, Robson Marques, destaca que o assédio moral muitas vezes é praticado na frente dos clientes e usuários e que, além disso, muitas bancárias ainda sofrem com o assédio sexual. "Existe muito abuso de poder nas agências bancárias! Os funcionários (as) estão sendo cobrados até mesmo através do aplicativo whatsapp. Todos os dias os bancários e bancárias sofrem pressões para cumprir metas e isso acaba gerando uma série de adoecimentos. Além disso, os funcionários e funcionárias passam os dias ameaçados de perderem o emprego", destaca o presidente. As manifestações continuam durante esta semana.

Com informações da assessoria

Terça-feira, 27 de janeiro de 2015, atualizada às 14h50

Bancários fazem manifestação contra assédio moral em Juiz de Fora

bancos

O Sindicato dos Bancários de Juiz de Fora realizou na manhã desta terça-feira, 27 de janeiro, um ato contra o assédio moral. Segundo a assessoria do Sindicato dos Bancários (Sintraf JF), o objetivo é tornar público à população de Juiz de Fora a estratégia administrativa utilizada pelos dirigentes bancários. "A tática é baseada na redução dos custos por meio da diminuição do número de funcionários, fechamento de agências e aumento das metas dos gerentes."

Na manifestação, os sindicalistas estiveram nas agências dos bancos Mercantil do Brasil, Banco do Brasil, HSBC, Itaú e Santander (todos localizados na avenida Rio Branco). O presidente do Sintraf JF, Robson Marques, destaca que o assédio moral muitas vezes é praticado na frente dos clientes e usuários e que, além disso, muitas bancárias ainda sofrem com o assédio sexual. "Existe muito abuso de poder nas agências bancárias! Os funcionários (as) estão sendo cobrados até mesmo através do aplicativo whatsapp. Todos os dias os bancários e bancárias sofrem pressões para cumprir metas e isso acaba gerando uma série de adoecimentos. Além disso, os funcionários e funcionárias passam os dias ameaçados de perderem o emprego", destaca o presidente. As manifestações continuam durante esta semana.

Com informações da assessoria

-
Terça-feira, 27 de janeiro de 2015, atualizada às 14h50

Bancários fazem manifestação contra assédio moral em Juiz de Fora

bancos

O Sindicato dos Bancários de Juiz de Fora realizou na manhã desta terça-feira, 27 de janeiro, um ato contra o assédio moral. Segundo a assessoria do Sindicato dos Bancários (Sintraf JF), o objetivo é tornar público à população de Juiz de Fora a estratégia administrativa utilizada pelos dirigentes bancários. "A tática é baseada na redução dos custos por meio da diminuição do número de funcionários, fechamento de agências e aumento das metas dos gerentes."

Na manifestação, os sindicalistas estiveram nas agências dos bancos Mercantil do Brasil, Banco do Brasil, HSBC, Itaú e Santander (todos localizados na avenida Rio Branco). O presidente do Sintraf JF, Robson Marques, destaca que o assédio moral muitas vezes é praticado na frente dos clientes e usuários e que, além disso, muitas bancárias ainda sofrem com o assédio sexual. "Existe muito abuso de poder nas agências bancárias! Os funcionários (as) estão sendo cobrados até mesmo através do aplicativo whatsapp. Todos os dias os bancários e bancárias sofrem pressões para cumprir metas e isso acaba gerando uma série de adoecimentos. Além disso, os funcionários e funcionárias passam os dias ameaçados de perderem o emprego", destaca o presidente. As manifestações continuam durante esta semana.

Com informações da assessoria