• Assinantes
  • Autenticação
  • Cidade

    Corpo do zagueiro Marcelo é velado na Câmara de Juiz de Fora

    Envie a sua foto pelo link SUA NOTÍCIA, clique aqui
    5/12/2016

    O corpo do zagueiro do Chapecoense, Marcelo da Silva, foi velado na Câmara de Juiz de Fora, no último domingo, 4 de dezembro. O corpo do juiz-forano, vítima do acidente que aconteceu na última terça-feira, 29 de novembro na Colômbia, ficou até as 16h30 na Câmara e seguiu em cortejo pelas ruas do Centro de Juiz de Fora, no carro do Corpo de Bombeiros, para o Cemitério Municipal, onde o jogador foi enterrado.

    O Prefeito da cidade, Bruno Siqueira (PMDB); o vice, Sérgio Rodrigues; secretários, vereadores, autoridades e centenas de pessoas compareceram ao local. O arcebispo metropolitano dom Gil Antônio Moreira promoveu orações na cerimônia.

    Governo da Bolívia abre causa contra companhia que transportou Chapecoense

    O ministro de Obras Públicas da Bolívia, Milton Claros, anunciou no domingo a abertura de uma causa contra a Lamia para saber como a companhia aérea recebeu autorização para operar no país. As informações são da Agência Ansa.

    Segundo ele, já foram encontrados indícios de tráfico de influência e omissão de denúncia. Um gerente da empresa teria relações diretas com um servidor da Direção Geral de Aeronáutica Civil (Dgac), espécie de Anac boliviana. “Nos chama atenção que exista uma ligação entre servidores e essa companhia aérea. Vamos até o fim nesse assunto”, garantiu o ministro. A Lamia operava o avião que caiu nos arredores de Medellín, na Colômbia, com a delegação da Chapecoense, matando 71 pessoas.

    Claros já havia dito que a Bolívia também investiga possíveis ligações entre a empresa e a Conmebol, já que ela tinha amplo acesso a equipes sul-americanas, apesar de sua frota possuir apenas três aviões – incluindo o acidentado – e da pouca experiência no mercado.

    A aeronave da Chapecoense tinha partido da cidade boliviana de Santa Cruz de la Sierra rumo a Medellín, em um trajeto de aproximadamente 3 mil km, exatamente o mesmo valor de sua autonomia.

    Ainda assim, o plano de voo não incluía escalas para reabastecimento e nem um aeroporto alternativo para o caso de desvios. Tais problemas foram apontados por Celia Castedo Monasterio, funcionária do aeroporto de Viru Viru, que serve Santa Cruz, porém o avião decolou do mesmo jeito.

    Monasterio foi denunciada por “não cumprimento de deveres” e “atentado contra a segurança dos transportes” e pode pegar até quatro anos de prisão.

    Com informações da Agência Brasil

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.