Quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018, atualizada às 15h10

Dois jovens são indiciados por latrocínio de advogado em Juiz de Fora

Da redação

Dois jovens de 20 e 21 anos que confessaram ter assassinado um advogado de 75 anos e jogado o corpo dele no Rio Paraibuna, em Juiz de Fora, vão responder por latrocínio - roubo seguido de morte, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menores. Além deles, um adolescente e outras duas pessoas, incluindo a mãe do rapaz de 20 anos, foram indiciados por envolvimento no crime. Os suspeitos, de 20 e 21 anos, tiveram a prisão preventiva decretada pela Justiça.

O resultado do inquérito do caso foi anunciado pela assessoria da Polícia Civil na manhã desta quinta-feira, 15 de fevereiro. O relatório de 47 páginas foi enviado para a Justiça na última sexta-feira, 9, um mês após a família ter registrado o desaparecimento do advogado. Ele não tinha sido visto desde 2 de janeiro, quando foi ao Parque das Torres receber o pagamento R$ 300 em honorários.

Segundo delegado Luciano Vidal, a prótese dentária, a pedra que teria sido utilizada na agressão e um chinelo do suspeito de 20 anos (que teria sido usado no dia do crime) também foram encaminhados para Belo Horizonte para exame de DNA. A prótese também foi encaminhada ao IML junto com um raio-x do dente da vítima.

Após investigações, foi possível apurar que o adolescente também estava na residência onde o advogado foi morto e ajudou a iluminar com celular o local. Ele responderá por ato infracional análogo aos crimes de latrocínio e ocultação de cadáver. Além disso, também foram indiciados um suspeito por receptação e a mãe do preso, 20, por roubo qualificado em concurso de pessoas. Ela teria ligado para o advogado pedindo que ele fosse buscar o valor de R$300; sabia que ele seria roubado, mas não estaria ciente de que o advogado seria morto. A pena máxima pode chegar a aproximadamente 13 anos.

De acordo com o delegado, pelos quatro crimes, a pena máxima dos suspeitos, de 20 e 21, pode chegar a 39 anos de prisão. Luciano Vidal informou que a prisão temporária dos dois vence nesta quinta, 15, mas já foi solicitada a conversão para prisão preventiva por tempo indeterminado para ambos. Por enquanto, eles seguem no Centro de Remanejamento do Sistema Prisional de Juiz de Fora (Ceresp).

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.