• Assinantes
  • Autenticação
  • Cidade
    Raul Salles Raul Salles 1/10/2013

    Turismo está em baixa em comparação ao ano anterior

    Nova York: destino preferido dos juiz-foranosMuitas áreas do mercado ainda estão com saudades de 2012. No setor de agências de viagens o desempenho ainda não se igualou ao ano passado. A instabilidade financeira e as oscilações do dólar fizeram os consumidores recuarem.

    Os meses de julho e agosto foram muito ruins e a expectativa é que as viagens de férias conduzam a uma reação. O destino preferido dos juiz-foranos ainda é o exterior, acompanhando a tendência nacional. O Brasil ainda está muito caro. Tem turista que já se hospedou em Roma pagando diária mais barata que no centro histórico de Ouro Preto e no balneário de Búzios.

    Os destinos mais procurados ainda são os EUA (Nova York, Miami e Califórnia), Caribe e Argentina. A procura por cruzeiros caiu um pouco, talvez pelo destaque que a mídia deu aos diversos problemas enfrentados por turistas embarcados, que vão desde a má qualidade da comida até a falta de atendimento médico adequado.

    Fim de ano

    Governar é preciso. Com quase um ano de governo as assessorias de comunicação das administrações municipais já se preparam para uma campanha de prestação de contas à população. É necessário demonstrar que os governos não estiveram parados, mesmo que a impressão da comunidade seja o contrário. O povo tem demonstrado impaciência com os prefeitos – pelo menos nas cidades médias e grandes.

    Foi realmente um ano difícil. A crise dos anos anteriores ainda está presente com o PIB enfraquecido. A reforma tributária continua engavetada, os royalties estão longe de virar realidade e a maioria dos atuais prefeitos receberam dívidas de seus antecessores - que sequer conseguiram cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

    Dilma repreendendo o presidente da CNM: “relação difícil”O clima entre os prefeitos e a presidente Dilma não melhorou em 2013. A primeira parcela da ajuda financeira enviada pelo governo federal aos municípios neste segundo semestre (vide valores na minha primeira coluna) nem de longe recuperou as perdas. Os prefeitos estão convencidos de que a presidente não quer nem ouvir falar em reforma tributária.

    O estilo centralizador de Dilma não os agrada e, de fato, a presidente ignora o ente mais fraco da federação. O pronunciamento da presidente na 'Marcha dos Prefeitos' deste ano foi marcado por tensão e vaias. Os prefeitos estão convencidos de que a ajuda financeira só foi criada por causa do medo do Palácio do Planalto em relação às manifestações nas ruas.

    Voltando ao primeiro ano de governo, as pesquisas de dezembro apontarão o humor dos cidadãos. Parece que os eleitores brasileiros começam a se comportar como os americanos, que não aceitam a desculpa de seus governantes, quando estes apelam para o argumento da 'herança maldita'. Nos EUA a 'herança' recebida interessa pouco. Se o candidato entrou na disputa ele não pode, depois de eleito, alegar desconhecimento dos problemas já existentes. Ele não foi eleito para fazer análise do passado, que já foi alvo da campanha.

    Os levantamentos realizados depois das manifestações de rua reforçaram a tese de que os eleitores das cidades querem soluções objetivas para problemas do seu cotidiano.

    Prefeitos em Marcha :“vaias para a presidente”O presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, já informou que o repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) de setembro é 9,2% maior que o repasse ocorrido no mesmo período do ano passado. Mas no somatório geral, o acumulado do ano apresenta um aumento real de apenas 1,3% nos repasses do FPM. Este valor está bem abaixo da inflação do período (6%), aquém do seria necessário para cobrir o aumento do 'piso nacional' dos professores (7,97% em 2013) e mesmo do salário mínimo (9% de janeiro).

    As assessorias de comunicação têm um grande desafio diante de um cidadão desperto e mais exigente. Os atuais prefeitos não podem contar com o Congresso e nem com o Palácio do Planalto. Continuarão a depender dos 'cortes na própria carne' se quiserem ir 'além do bojador' e diminuir a crescente percepção dos eleitores de que 'nada mudou'.Ministro Mercadante da Educação: “piso dos professores no colo dos prefeitos”

    Confederação reúne prefeitos

    Ocorre em Belo Horizonte, no dia 9 de outubro, mais uma etapa do projeto 'Diálogo Municipalista', com extensa pauta de debates sobre problemas e alternativas da administração local. Este ciclo de debates tem percorrido os Estados e atraído grande número de prefeitos.

    O próprio Paulo Ziulkoski, presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) , lidera os encontros com a participação de grandes especialistas da administração pública. Uma coisa ninguém pode negar: nunca os prefeitos se mobilizaram tanto para reverter o quadro de carência financeira como agora.


    Hederson Raul Salles de Almeida Nassar Micheli é Bacharel em Serviço Social (UFJF) e Professor de Ensino Religioso (FIJ/RJ). Tem especializações "lato sensu" em "Saúde Pública e Ações Institucionais" (UFJF) e "Ciência das Religiões" (FIJ/RJ). É membro do Círculo Monárquico do Rio de Janeiro e ex-prefeito da cidade de Pequeri – MG.

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.