Golpe do gás
Saiba como evitar o golpe e quais cuidados tomar na hora
de solicitar uma vistoria no botijão

Ana Luisa Damasceno
24/10/03

O Procon de Juiz de Fora alerta para um golpe que voltou a ser aplicado na cidade. Algumas pessoas estão extorquindo dinheiro, principalmente de idosos, ao cobrar por uma suposta vistoria no botijão de gás. As vítimas são sempre idosos, que geralmente moram sozinhos.

A última vítima é uma aposentada de 71 anos que mora no centro de Juiz de Fora. Ela recebeu dois "técnicos" no apartamento onde mora, na Rua Santo Antônio. Eles estavam uniformizados, disseram que eram funcionários de uma distribuidora de gás e informaram que iam fazer uma vistoria no botijão.

Cobrança
A aposentada aceitou e, depois da suposta vistoria, os dois homens cobraram R$ 170. De acordo com o presidente do sindicato dos revendedores de gás, Sebastião Policarpo Ferreira, o golpe já foi aplicado antes. "Esses bandidos já fizeram isso em Juiz de Fora há alguns anos. Pararam e agora voltaram". Ferreira alerta que os consumidores não são obrigados a aceitar esse tipo de serviço, "até porque as distribuidoras só mandam técnicos quando o consumidor pede".

Procon
De acordo com o assistente administrativo do Procon, Eduardo Schroder, o serviço não pode ser cobrado se o cliente não tiver solicitado a visita. É aconselhável que o consumidor peça um orçamento, para saber quanto vai pagar antes da vistoria. "Como em qualquer ramo de atividades, existem os bons e os maus prestadores de serviços".

Para tentar escapar dos golpes, Schroder dá as dicas:

  • Sempre cheque a empresa. Procure saber se ela é confiável e se tem técnicos treinados;

  • Peça orçamento antes da vistoria. Um documento garante a cobrança exata da quantia acertada antes;
  • No caso desse determinado tipo de golpe o consumidor não tem a um órgão regulador para recorrer. O Procon e a Agência Nacional de Petróleo podem ser consultados.

    Denúncias
    As reclamações podem ser feitas no Procon.
    O telefone para contato é 3690-7005.
    O sindicato pode ser contactado pelo 3237-4016

    Conteúdo Recomendado