Terça-feira, 21 de janeiro de 2014, atualizada às 15h

Filme Quando Eu Era Vivo abre a 17ª Mostra de Cinema de Tiradentes nesta sexta

A 17ª Mostra de Cinema de Tiradentes, que será realizada entre os dias 24 de janeiro e 1° de fevereiro, tem como eixo temático a questão dos processos audiovisuais de criação. Ao todo, serão exibidos 29 longas-metragens distribuídos em sete mostras conceituais em três espaços de exibição na cidade histórica mineira, sempre com entrada gratuita. A sessão de abertura será com o inédito Quando Eu Era Vivo, de Marco Dutra.

Na seleção geral, houve uma distribuição equilibrada entre filmes cariocas, paulistas e mineiros, além de produções da Bahia, Paraíba, Pernambuco e Paraná, numa grande mistura de formas e gêneros. Há filmes ensaio, filmes experimentais, filmes narrativos, filmes cênicos, filmes rítmicos, documentários observacionais de personagens e ambientes, comédia urbana, família cigana, relações com o pop ressignificadas e recontextualizadas, hibridismos do documentário com a ficção, filmes sobre filmes, filmes sobre mal-estar.

Mostras

A Mostra Autorias traz diretores, fotógrafos ou produtores com modo próprio de olhar e alta mediação estilística. Já a Mostra Transições é dedicada a diretores em início de carreira com olhar original ou uma procura cinematográfica específica. A Mostra Sui Generis, criada na Mostra de Tiradentes no ano passado, contempla propostas de estilo próprio, fugindo do senso comum e quebrando expectativas.

A Mostra Praça deste ano inclui produções aguardadas pelo público, como o documentário Cidade de Deus – 10 Anos Depois, de Cavi Borges e Luciano Vidigal, que investiga o destino dos atores do aclamado filme de Fernando Meirelles uma década após seu lançamento. Já a a Mostra Aurora tem sete longas-metragens inéditos e disputam o Júri da Crítica, o Júri Jovem e o Prêmio Itamaraty.

A Homenagem tem dois longas inéditos, em aclamação ao ator Marat Descartes. Por fim, mantendo a tradição de exibir filmes para o público infantil, a Mostrinha deste ano conta com três produções de destaque.

Além das mostras, o festival também conta com variadas exposições, seminários e oficinas. 

Homenageado

Rosto marcante em vários filmes que se entregaram a esses novos processos audiovisuais de criação, o ator paulistano Marat Descartes será o homenageado da 17ª Mostra de Cinema de Tiradentes. O tributo mantém a linha recente do evento de celebrar nomes de profissionais com menos tempo de carreira, mas com escolhas autorais de trabalho e com consistência nos recursos que empregam para atingir a excelência.
É o caso de Marat, nascido em 1975. Formado em letras e artes cênicas na USP, iniciou a carreira no teatro, em 2004, e enveredou pelo cinema a partir de 2007 interpretando o marido Chico no curta-metragem Um Ramo, de Marco Dutra e Juliana Rojas.

O filme de abertura da 17ª Mostra Tiradentes será o mais novo exemplo da forma de Marat se apresentar em cena. Quando Eu Era Vivo volta a reuni-lo com a dupla que o projetou nas telas: a direção é de Marco Dutra, e a montagem é de Juliana Rojas. Na tela, o ator divide espaço com o veterano Antônio Fagundes e com a cantora Sandy.

A programação completa da 17ª Mostra de Cinema de Tiradentes pode ser conferida no site.

Com informações da Mostra Tiradentes 

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.