• Assinantes
  • Autenticação
  • Cultura

    Matéria-prima

    Nome do Colunista Carolina Fellet 22/05/2017

    Um homem, provavelmente no quilômetro 70 da vida, se pesando na balança da farmácia. A ação tão trivial subitamente me tirou da latitude e longitude onde sempre estive. É que fiquei embasbacada com aquela matéria-prima humana. De onde vinham a ossatura, os olhos, a dentição, a musculatura, o sangue, os órgãos pulsando daquele grisalho?

    Todo o orgânico aterrissa na Terra sem registro de procedência. Fico imaginando uma colônia com globos oculares, bocas, unhas, veias, cílios até se apossarem dos corpos. E depois penso nas tecnologias da fauna – relincho de cavalo, esguicho de tromba de elefante, balé de flamingo, braveza de tigre – amalocadas em uma dimensão longínqua, sem serventia imediata.

    A gênese da vida acontece fora das nossas grandezas, dos nossos mapas. É tudo clandestino: o vermelho se incorporando às pétalas, o leão no topo da cadeia e, por isso, temido e solitário, as uvas rebentando em cachos, a altitude variando a beleza dos céus, as aves com plano de voo perfeito.

    Fora tudo que é perecível, ainda há o imaterial que nos acomete: a inteligência para levantar aviões, afundar submarinos, organizar o trânsito, projetar arranha-céus, ensinar as leis de Newton, reproduzir uma composição de Tchaikovsky, namorar, amar, entristecer, regozijar.

    Depois do episódio da balança, vi, numa manhã, cerca de 50 pessoas correndo em sincronia acidental na calçada da UFJF e senti igual espanto. Que mecanismo invisível mantinha aqueles físicos eretos, pulsantes, em dia com a vida? Cada um deles carrega o próprio folclore, tem uma inclinação por alguma ciência, já amou e desamou, triunfou e fracassou, foi assaltado pela tristeza e pela alegria.

    Ali, uma pergunta que me acompanha desde pequena se acendeu: a vida vem dos alpes ou das profundezas, do movimento ou da inércia? Dia desses, um astrofísico disse que nossa substância ancestral é o pó de estrela. Nunca senti tanto a presença do sagrado em mim. Viver é estado de prece.


    Carolina Fellet é jornalista. Mas, como só gosta de boas notícias, é inclinada à literatura e à música.

    Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.