Nome do Colunista Matheus Brum 11/04/2016

Há uma luz no fim no túnel carijó?

fotoCaros (as) amigos (as), a participação do Tupi no Campeonato Mineiro terminou. E foi de forma melancólica. O empate diante da Caldense, em um Mário Helênio com 1.638 pagantes, mesmo com promoção no ingresso, personifica como foi a participação da equipe no Estadual.

Não é necessário fazer toda a retrospectiva do ano carijó, afinal de contas, está claro que muitas coisas estão erradas. O que importa nesse momento é saber quais caminhos seguir a partir de agora. No dia 14 de maio o time entra em campo contra o Goiás, aqui em Juiz de Fora, na estreia da Série B. São 33 dias para acertar as arestas e fazer um campeonato digno. Para que nada de mal aconteça nesse início de trajetória na Segunda Divisão, quatro caminhos importantes precisam ser seguidos.

Planejamento no futebol: É imprescindível que se tenha uma organização maior no futebol. Já está mais do que provado que é necessário uma reestruturação do elenco. Desse que disputou o Mineiro, apenas Glaysson, Osmar, Sidimar, Thiaguinho e Hiroshi têm condições de estarem brigando em um eventual time titular na Segunda Divisão. De resto, muitos precisam ir embora, e alguns podem ficar para serem reservas, como Jataí, Kiss e Fabrício Soares. Com a chegada de Gustavo Mendes, a tendência é que a montagem do time seja mais profissional. Um dos grandes trunfos do alvinegro para conseguir trazer jogadores de "nível Série B" é usar a exposição que ser atleta do Tupi pode trazer. Afinal de contas, o salário não vai ser tão alto, mas a visibilidade sim. Todos os jogos da equipe serão transmitidos, e o espaço midiático vai ser grande. Isso tudo pode compensar uma remuneração abaixo da média que é oferecida a clubes de outras divisões, principalmente nos paulistas.

A escolha dos novos nomes que vão estar treinando em Santa Terezinha não pode demorar. O tempo de preparação é bastante curto até o jogo contra o Goiás. Quanto mais tempo demorar a se contratar, menos haverá para conseguir o entrosamento, e o Drubscky montar seu time ideal.

Melhoria no marketing: Em um campeonato com essa visibilidade, essa área do clube precisa estar muito em sintonia. A melhora no sócio-torcedor vai ajudar muito nessa questão, e ela já está sendo pensada. A ideia da van carijó já mostrou ser bastante efetiva, além da mudança da loja física para o Santa Cruz Shopping. Mas, não se pode parar por aí. Com o Departamento de Comunicação e Marketing arrumado, com a chegada de um novo assessor, é hora de começar a pensar em estratégias para divulgar a marca, e isso passa pelas redes sociais. Esse é o segundo passo para mudar o patamar do Tupi (o primeiro é o sócio). É necessário estar discutindo ideias para levar mais público ao estádio, e também em promoções para que isso ocorra. O trabalho é grande, porque é preciso dar um salto de qualidade grande para chegarmos ao local que queremos que o "Fantasma do Mineirão" chegue.

Melhoria da infraestrutura: Na semana passada foi anunciado um acordo entre a Cemig e o Tupi para a volta da energia elétrica em Santa Terezinha. Para que isso acontecesse, foi necessária uma ajuda da Deputada Federal Margarida Salomão. Por mais que seja bizarro que isso aconteça em um time profissional, já é um passo importante para a melhoria do Centro de Treinamento. Mas, as coisas não podem parar por aí. Uma "arrumação na casa" é de vital importância. Assim, os jogadores se sentem mais confortáveis sabendo onde vão treinar, além de toda uma estrutura bacana para o seu desenvolvimento, com gramado bom, vestiário de qualidade e itens para sua melhora física, acabando com a "andação" pela cidade, fazendo atividades em vários locais de Juiz de Fora;

Paciência da torcida: Por conta da péssima campanha no Estadual, os torcedores já estão sem nenhuma paciência com essa equipe. Porém, agora é hora de tomar um cuidado especial. Com a reformulação que vai ser feita, é preciso ter calma com os novos jogadores. Afinal de contas, eles não têm culpa de estarem indo para um clube que fez um campeonato abaixo das expectativas. Até os novos atletas se acertarem e o time "dar liga" pode demorar um 'cado'. E, todo apoio é essencial.

Esses são os pontos mais importantes para que não se tenha uma "sofrência" gigante na B. Até porque, venhamos e convenhamos, já estamos sofrendo bastante nesse início de temporada.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Já foi estagiário na Rádio CBN Juiz de Fora. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras"; colaborador da Web Rádio Nac, apresentando uma coluna de opinião diariamente; editor e apresentador do programa Mosaico, que vai ao ar semanalmente na TVE, canal 12, e é membro da Acesso Comunicação Júnior, Empresa Júnior da Faculdade de Comunicação da UFJF, trabalhando no Departamento de Projetos e no núcleo de Jornalismo.

Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

-
Nome do Colunista Matheus Brum 11/04/2016

Há uma luz no fim no túnel carijó?

fotoCaros (as) amigos (as), a participação do Tupi no Campeonato Mineiro terminou. E foi de forma melancólica. O empate diante da Caldense, em um Mário Helênio com 1.638 pagantes, mesmo com promoção no ingresso, personifica como foi a participação da equipe no Estadual.

Não é necessário fazer toda a retrospectiva do ano carijó, afinal de contas, está claro que muitas coisas estão erradas. O que importa nesse momento é saber quais caminhos seguir a partir de agora. No dia 14 de maio o time entra em campo contra o Goiás, aqui em Juiz de Fora, na estreia da Série B. São 33 dias para acertar as arestas e fazer um campeonato digno. Para que nada de mal aconteça nesse início de trajetória na Segunda Divisão, quatro caminhos importantes precisam ser seguidos.

Planejamento no futebol: É imprescindível que se tenha uma organização maior no futebol. Já está mais do que provado que é necessário uma reestruturação do elenco. Desse que disputou o Mineiro, apenas Glaysson, Osmar, Sidimar, Thiaguinho e Hiroshi têm condições de estarem brigando em um eventual time titular na Segunda Divisão. De resto, muitos precisam ir embora, e alguns podem ficar para serem reservas, como Jataí, Kiss e Fabrício Soares. Com a chegada de Gustavo Mendes, a tendência é que a montagem do time seja mais profissional. Um dos grandes trunfos do alvinegro para conseguir trazer jogadores de "nível Série B" é usar a exposição que ser atleta do Tupi pode trazer. Afinal de contas, o salário não vai ser tão alto, mas a visibilidade sim. Todos os jogos da equipe serão transmitidos, e o espaço midiático vai ser grande. Isso tudo pode compensar uma remuneração abaixo da média que é oferecida a clubes de outras divisões, principalmente nos paulistas.

A escolha dos novos nomes que vão estar treinando em Santa Terezinha não pode demorar. O tempo de preparação é bastante curto até o jogo contra o Goiás. Quanto mais tempo demorar a se contratar, menos haverá para conseguir o entrosamento, e o Drubscky montar seu time ideal.

Melhoria no marketing: Em um campeonato com essa visibilidade, essa área do clube precisa estar muito em sintonia. A melhora no sócio-torcedor vai ajudar muito nessa questão, e ela já está sendo pensada. A ideia da van carijó já mostrou ser bastante efetiva, além da mudança da loja física para o Santa Cruz Shopping. Mas, não se pode parar por aí. Com o Departamento de Comunicação e Marketing arrumado, com a chegada de um novo assessor, é hora de começar a pensar em estratégias para divulgar a marca, e isso passa pelas redes sociais. Esse é o segundo passo para mudar o patamar do Tupi (o primeiro é o sócio). É necessário estar discutindo ideias para levar mais público ao estádio, e também em promoções para que isso ocorra. O trabalho é grande, porque é preciso dar um salto de qualidade grande para chegarmos ao local que queremos que o "Fantasma do Mineirão" chegue.

Melhoria da infraestrutura: Na semana passada foi anunciado um acordo entre a Cemig e o Tupi para a volta da energia elétrica em Santa Terezinha. Para que isso acontecesse, foi necessária uma ajuda da Deputada Federal Margarida Salomão. Por mais que seja bizarro que isso aconteça em um time profissional, já é um passo importante para a melhoria do Centro de Treinamento. Mas, as coisas não podem parar por aí. Uma "arrumação na casa" é de vital importância. Assim, os jogadores se sentem mais confortáveis sabendo onde vão treinar, além de toda uma estrutura bacana para o seu desenvolvimento, com gramado bom, vestiário de qualidade e itens para sua melhora física, acabando com a "andação" pela cidade, fazendo atividades em vários locais de Juiz de Fora;

Paciência da torcida: Por conta da péssima campanha no Estadual, os torcedores já estão sem nenhuma paciência com essa equipe. Porém, agora é hora de tomar um cuidado especial. Com a reformulação que vai ser feita, é preciso ter calma com os novos jogadores. Afinal de contas, eles não têm culpa de estarem indo para um clube que fez um campeonato abaixo das expectativas. Até os novos atletas se acertarem e o time "dar liga" pode demorar um 'cado'. E, todo apoio é essencial.

Esses são os pontos mais importantes para que não se tenha uma "sofrência" gigante na B. Até porque, venhamos e convenhamos, já estamos sofrendo bastante nesse início de temporada.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Já foi estagiário na Rádio CBN Juiz de Fora. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras"; colaborador da Web Rádio Nac, apresentando uma coluna de opinião diariamente; editor e apresentador do programa Mosaico, que vai ao ar semanalmente na TVE, canal 12, e é membro da Acesso Comunicação Júnior, Empresa Júnior da Faculdade de Comunicação da UFJF, trabalhando no Departamento de Projetos e no núcleo de Jornalismo.

Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

Nome do Colunista Matheus Brum 11/04/2016

Há uma luz no fim no túnel carijó?

fotoCaros (as) amigos (as), a participação do Tupi no Campeonato Mineiro terminou. E foi de forma melancólica. O empate diante da Caldense, em um Mário Helênio com 1.638 pagantes, mesmo com promoção no ingresso, personifica como foi a participação da equipe no Estadual.

Não é necessário fazer toda a retrospectiva do ano carijó, afinal de contas, está claro que muitas coisas estão erradas. O que importa nesse momento é saber quais caminhos seguir a partir de agora. No dia 14 de maio o time entra em campo contra o Goiás, aqui em Juiz de Fora, na estreia da Série B. São 33 dias para acertar as arestas e fazer um campeonato digno. Para que nada de mal aconteça nesse início de trajetória na Segunda Divisão, quatro caminhos importantes precisam ser seguidos.

Planejamento no futebol: É imprescindível que se tenha uma organização maior no futebol. Já está mais do que provado que é necessário uma reestruturação do elenco. Desse que disputou o Mineiro, apenas Glaysson, Osmar, Sidimar, Thiaguinho e Hiroshi têm condições de estarem brigando em um eventual time titular na Segunda Divisão. De resto, muitos precisam ir embora, e alguns podem ficar para serem reservas, como Jataí, Kiss e Fabrício Soares. Com a chegada de Gustavo Mendes, a tendência é que a montagem do time seja mais profissional. Um dos grandes trunfos do alvinegro para conseguir trazer jogadores de "nível Série B" é usar a exposição que ser atleta do Tupi pode trazer. Afinal de contas, o salário não vai ser tão alto, mas a visibilidade sim. Todos os jogos da equipe serão transmitidos, e o espaço midiático vai ser grande. Isso tudo pode compensar uma remuneração abaixo da média que é oferecida a clubes de outras divisões, principalmente nos paulistas.

A escolha dos novos nomes que vão estar treinando em Santa Terezinha não pode demorar. O tempo de preparação é bastante curto até o jogo contra o Goiás. Quanto mais tempo demorar a se contratar, menos haverá para conseguir o entrosamento, e o Drubscky montar seu time ideal.

Melhoria no marketing: Em um campeonato com essa visibilidade, essa área do clube precisa estar muito em sintonia. A melhora no sócio-torcedor vai ajudar muito nessa questão, e ela já está sendo pensada. A ideia da van carijó já mostrou ser bastante efetiva, além da mudança da loja física para o Santa Cruz Shopping. Mas, não se pode parar por aí. Com o Departamento de Comunicação e Marketing arrumado, com a chegada de um novo assessor, é hora de começar a pensar em estratégias para divulgar a marca, e isso passa pelas redes sociais. Esse é o segundo passo para mudar o patamar do Tupi (o primeiro é o sócio). É necessário estar discutindo ideias para levar mais público ao estádio, e também em promoções para que isso ocorra. O trabalho é grande, porque é preciso dar um salto de qualidade grande para chegarmos ao local que queremos que o "Fantasma do Mineirão" chegue.

Melhoria da infraestrutura: Na semana passada foi anunciado um acordo entre a Cemig e o Tupi para a volta da energia elétrica em Santa Terezinha. Para que isso acontecesse, foi necessária uma ajuda da Deputada Federal Margarida Salomão. Por mais que seja bizarro que isso aconteça em um time profissional, já é um passo importante para a melhoria do Centro de Treinamento. Mas, as coisas não podem parar por aí. Uma "arrumação na casa" é de vital importância. Assim, os jogadores se sentem mais confortáveis sabendo onde vão treinar, além de toda uma estrutura bacana para o seu desenvolvimento, com gramado bom, vestiário de qualidade e itens para sua melhora física, acabando com a "andação" pela cidade, fazendo atividades em vários locais de Juiz de Fora;

Paciência da torcida: Por conta da péssima campanha no Estadual, os torcedores já estão sem nenhuma paciência com essa equipe. Porém, agora é hora de tomar um cuidado especial. Com a reformulação que vai ser feita, é preciso ter calma com os novos jogadores. Afinal de contas, eles não têm culpa de estarem indo para um clube que fez um campeonato abaixo das expectativas. Até os novos atletas se acertarem e o time "dar liga" pode demorar um 'cado'. E, todo apoio é essencial.

Esses são os pontos mais importantes para que não se tenha uma "sofrência" gigante na B. Até porque, venhamos e convenhamos, já estamos sofrendo bastante nesse início de temporada.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Já foi estagiário na Rádio CBN Juiz de Fora. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras"; colaborador da Web Rádio Nac, apresentando uma coluna de opinião diariamente; editor e apresentador do programa Mosaico, que vai ao ar semanalmente na TVE, canal 12, e é membro da Acesso Comunicação Júnior, Empresa Júnior da Faculdade de Comunicação da UFJF, trabalhando no Departamento de Projetos e no núcleo de Jornalismo.

Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com